sábado, 17 de outubro de 2015

Tadeu Martins mostra SHOW: CINEMA

                                                                   
                                            CADU DE ANDRADE

21 de outubro – Quarta-feira – 19:30 horas
Teatro de Câmara - Cine Theatro Brasil Vallourec
Ingressos – R$ 30,00 (inteira) R$ 15,00 (meia)

Cadu de Andrade é mineiro de Belo Horizonte e gosta de cantar.

Ele levou ao disco canções do cinema através de um projeto especial: a convite do Festival de Cinema de Xangai desenvolveu especial repertório para o show de abertura da noite brasileira do festival que por uma questão de logística, soou mais eficiente realizar um CD.“CINE BRASIL” trouxe a sétima arte brasileira em disco, num repertório apurado: Noel Rosa, Tom Jobim, Caetano Veloso e Chico Buarque novamente confirmaram a beleza da nossa música e a sua estreita ligação com o cinema, suas histórias e personagens, todas amadas pelos brasileiros.

O álbum foi lançado pela gravadora Movieplay do Brasil em 2008 e CADU seguiu em show pelos palcos do mundo. A alegria de cantar, tocar e criar para CADU DE ANDRADE é explícita.

Neste show “CINEMA”, produzido por Luiz Trópia e Tadeu Martins, CADU irá interpretar, além das canções nacionais, clássicos como Dio come ti amo, (do filme homônimo), Raindrops keep fallin on my head (do filme Butch Cassidy and Sundance Kid) e The blowers daughter (do filme Closer).

CADU estreou em disco em 1996 com o álbum “Holofotes”, dirigido por Ezequiel Neves, cabeça responsável pelo lançamento do Barão Vermelho e mentor de carreiras como as de Cássia Eller e Cazuza.

 “Mergulho” foi gravado em 1997 com o cuidado necessário que um segundo disco requer e que realizava a vontade íntima e também declarada de qualquer bom intérprete: um bom repertório.

E que se fez pelas mãos de Luiz Gonzaga Junior em 12 faixas criando assim a chance perfeita para se poder falar através da música com plenitude. 

Com banda de base completa, cordas, metais e textos cedidos pela família de Gonzaguinha vindos dos cadernos e anotações pessoais do compositor, CADU cantou em rádio, tv e teve sua voz ouvida também por grandes nomes.

E foi citado por Maria Bethânia como “O Cantor”.

 “Não me acendo só” o primeiro álbum autoral de CADU foi lançado com 13 faixas inéditas e colocou em rotação uma expressão revelada no disco de estréia, com a voz de quem um dia sonhou em cantar a serviço da própria obra e abriu competentes parcerias, documentadas em belos discos, projetos especiais para a televisão, Eps e nas plataformas digitais nas quais a voz e a música do artista se espalharam gerando encantamento.

Uma arte citada por muitos como muito particular e profunda, como disse o crítico musical José Carlos Buzelim:

.”Um artista brasileiro que em outras oportunidades já despertou interesse do público internacional desta vez empresta seu talento, presença e marcante capacidade de interpretação para um projeto muito especial: música popular brasileira no cinema nacional. 

Dono de belíssima voz, dispõe de raro timbre, em que agudos, médios e graves fluem fáceis, em esmerada afinação. Autêntico “show man”, jamais escondeu sensibilidade e talento nos discos que gravou bem como nas interpretações das páginas antológicas dos filmes clássicos e românticos que o levaram a este projeto. 

Ao ouvi-lo, a gente se transporta para o sonho. Cadu canta e a gente imagina,tal a propriedade com que ele interpreta. “Cinema!”, um belíssimo show, agora vira disco. Ganha um novo formato e título porque deixa de lado o que Hollywood magnificamente soube fabricar para mergulhar na música brasileira explorada pelo nosso cinema. 

Em “Cine Brasil”, Cadu, com vantagem de sua dicção perfeita e técnica impecável, valoriza o cancioneiro nacional. Isso pelo fato de a música brasileira ser estribada em letras de elevado teor poético. O repertório se compõe de obras que valem por sua própria origem.

 Absolutamente providas de riqueza melódica e harmônica. Tudo muito bem produzido e dirigido por Geraldo Vianna, ícone do violão entre nós e com prestígio internacional, assessorado conceitualmente por José Sebastião Maria de Souza. A mixagem é um trabalho apreciável, em que a mistura dos sons se faz nítida e bem distribuída, prevalecendo a profundidade.

 Neste CD a sensação é de estar num teatro, ouvindo ao vivo, as jóias musicais que compõem o disco. Para Cadu de Andrade a alegria de cantar é uma constatação para quem escuta. O artista apaixonado e acima de meras definições, que caminha lado a lado com a beleza e com o respeito do ofício que bravamente escolheu: Cantar.”


Ingressos à venda pelo telefone 2626.1251
no site www.compreingressos.com e nas bilheterias do Cine Brasil
Informações: 8893.7806  e 8474.2050

Nenhum comentário :