quarta-feira, 5 de julho de 2017

CENTENÁRIO DA REVOLUÇÃO RUSSA

                                                                                                                               GETTY
 Lênin faz um discurso na Praça Vermelha de Moscou nas comemorações de 1º de maio de 1919. 
                                
                               Uma revolução incolor

A Rússia marca o “golpe de Estado de outubro” evitando celebrar a data


A Rússia se dispõe a recordar o centenário da revolução de 1917, e seus dirigentes gostariam que esse aniversário histórico ocorresse em um ambiente de união, sem reabrir feridas nem aprofundar em excesso um tema que ainda divide em extremo os cidadãos mais velhos e afeta o mesmo Estado em sua condição de herdeiro da União Soviética.

O presidente Vladimir Putin deu “sinal verde” para as comemorações oficiais em 19 de dezembro passado, quando assinou uma disposição na qual encarregava a Sociedade Russa de História (SRH) de formar um comitê organizador do centenário. 

O presidente russo também recomendou aos governos regionais e municipais e a todos os interessados que participem das comemorações. O comitê se reuniu pela primeira vez na última segunda-feira, em Moscou, na presença de Sergei Naryshkin, que, além de ser presidente da SRH, é o chefe do Serviço de Inteligência Estrangeiro (SVR), desde o fim de 2016. 

O comitê é formado por 63 pessoas, entre elas historiadores e diretores de diversas instituições relacionadas com a história do país, responsáveis por arquivos e museus, jornalistas e publicitários. 

Nesse diversificado grupo estão o cineasta Nikita Mijailkov, o diretor da agência de notícias Rossiya Segodnya, Dmitri Kiselyov (atingido pelas sanções ocidentais após a anexação da Crimeia), e a diretora da emissora de TV estatal RT (antiga Russia Today), que transmite em vários idiomas, Margarita Simonian, além de intelectuais liberais como Olga Sviblova, diretora do Museu de Arte Multimídia, e o responsável da Igreja Ortodoxa russa, Vladimir Legoida.

Uma das dores de cabeça das autoridades russas às vésperas do centenário é como comemorá-lo deixando claro que não se quer fomentar nenhuma tendência revolucionária

O aniversário, tal como o Estado russo quer comemorá-lo, não é um evento pontual, mas sim um processo que vai desde a revolução de fevereiro de 1917 à de outubro do mesmo ano, e prossegue até o fim da guerra civil em 1922. 

Em relação aos acontecimentos de outubro (novembro no calendário atual), a terminologia que se impõe cada vez mais é “golpe de Estado de outubro”, apesar de os anúncios oficiais frequentemente evitarem se pronunciar e, por isso, a expressão “centenário da revolução de 1917” se torna mais cômoda para evitar confrontos com os eleitores do Partido Comunista da Rússia.

Uma das dores de cabeça das autoridades russas às vésperas do centenário é como comemorá-lo deixando, ao mesmo tempo, bem claro que não se quer fomentar nenhuma tendência revolucionária, senão o contrário. 

“Em muitos países, nos últimos anos, se importaram as chamadas técnicas revolucionárias e outras ‘revoluções de cores’ que sempre deixam para trás sangue, morte de civis, destruição e desgraça para os países que são vítimas desse tipo de experimento”, afirmou Naryshkin na sessão inaugural do comitê de organização. 

As concepções políticas do Kremlin, para quem os Estados Unidos fomentaram a revolução na Ucrânia, na Rússia e em outros países, figuraram no discurso do alto funcionário, que invocou a “memória genética do povo russo” para destacar o “preço colossal da revolução”. 

“A história da Revolução Russa paulatinamente tem deixado de dividir e opor os cidadãos, e nós devemos apoiar essa tendência e criar as condições necessárias para refletir sobre as lições históricas daqueles acontecimentos de um século atrás”, disse. “É preciso recordar sem paixões os vencedores e as vítimas, porque tanto uns como os outros tinham sua verdade. Esse enfoque objetivo e delicado nos permitirá reforçar os valores de união e solidariedade cidadãs e ampliar a capacidade da sociedade para resolver de forma pacífica os conflitos e contradições”.

Chama a atenção a publicação de materiais para os turistas chineses, que mostram grande interesse pela memória da URSS

Os turistas que visitarem a Rússia este ano encontrarão uma grande oferta de roteiros e suvenires dedicados à revolução. Chama a atenção o reforço e a publicação de materiais em chinês, já que os turistas dessa nacionalidade têm demonstrado nos últimos anos um grande interesse pela memória da União Soviética. 

Em São Petersburgo, berço da revolução, o Museu Hermitage – no passado, o palácio de inverno e residência oficial dos czares – pretende organizar na praça do palácio uma reconstrução em vídeo 3D do ataque sofrido em outubro de 1917. O diretor do museu, Mikhail Piotrovski, manifestou sua intenção de expor um retrato do czar Alexandre II que foi atravessado pelas baionetas na ocasião.

(Com El País)

Nenhum comentário :