quarta-feira, 31 de agosto de 2011

BH dará fim às ruas, praças, avenidas e viadutos com nomes ligados à ditadura de 64



Assim  como o nome da Rua Dan Mitrione foi trocado, por iniciativa do ex-vereador Betinho Duarte, vereadores atuais, pelo que consta, também batalharão pela mudança de nomes de ruas, avenidas, viadutos, praças etc. com nomes que possam lembrar o movimento cívico-militar de 1964. A primeira mudança será do viaduto Castelo Branco que passará a chamar-se Viaduto D.Helena Greco, uma das maiores referências em defesa dos direitos humanos de Minas Gerais.
No que toca a nomes, está decidido que o nome do Hospital do Barreiro será Célio de Castro, ex-prefeito de BH e ex-deputado federal.
Já quanto à Praça Luiz Carlos Prestes, foi feito um apelo paras  que ela possa existir de fato, no cruzamento da Avenida Nossa Senhora do Carmo com a Rua Montes Claros.

Comunicado do Instituto Helena Greco




          Companheiras, companheiros,
          Desde ontem (29/08/2011) 100 membros  das famílas Abreu e Hilário estão acampadas no plenário da ALMG (vejam nota abaixo).   A situação destas pessoaa hoje é dramática: estão sem água, sem acesso aos naheiros, sem comida.  Os seguraanças da ALMG estão pressionando ferozmente. Amanhã (31/08/2011) será um dia decisivo.
           Solicitamos, então a todas e a todos que puderem ajudar que se encaminhem para a ALMG para reforçar esta luta e garantir a integridade destas lutadoras e destes luradores.
           Saudações libertárias, abração.


Nota à sociedade de Belo Horizonte - 29/08/2011.
 Herdeiros da Cidade Industrial ocupam 
Plenário da Assembleia Legislativa de MG         Cerca de 100 pessoas das famílias Abreu e Hilário, que há 70 anos foram expulsas de suas terras para que o Estado de Minas Gerais implantasse a Cidade Industrial nos municípios de Belo Horizonte e Contagem, ocuparam esta manhã, dia 29/08/2011 (Segunda-feira) o Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Elas prometem não deixar o local, até que o governador Antônio Augusto Anastasia agende uma reunião para discutir o pagamento de indenização aos herdeiros dos fazendeiros desapropriados.
         A ocupação ocorreu durante debate público da Comissão de Direitos Humanos que discutiu o descumprimento de decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que em 2010 condenou o Brasil pelo desaparecimento de guerrilheiros no Araguaia durante o regime militar. O presidente da Comissão, deputado Durval Ângelo (PT), que há anos acompanha o caso, apoiou a mobilização dos herdeiros. “É um absurdo o governo protelar por tanto tempo o pagamento das indenizações. As famílias foram expulsas de suas terras com violência e deixadas à própria sorte. Muitos dos que faziam jus à indenização morreram na miséria e vários herdeiros vivem em condições muito difíceis, inclusive em favelas. Além de ser imoral, é um afrontoso desrespeito a decisão judicial, pois desde 1957, já há sentença transitada em julgada para que o governo pague”, protestou o parlamentar.
           Representantes das duas famílias denunciaram o que denominaram submissão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais ao Poder Executivo e afirmaram que todo juiz que se pronuncia favoravelmente às famílias é promovido ou retirado do processo.
          Ainda segundo Durval Ângelo, o Projeto de Lei 749/11, de sua autoria, autoriza o Poder Executivo a pagar a indenização às famílias. Ele foi apresentado em março deste ano e enviado, em julho, à Secretaria de Estado de Fazenda para que se manifeste sobre sua viabilidade. O mesmo projeto já havia sido apresentado pelo deputado na legislatura anterior, mas não chegou sequer a receber parecer de 1º turno na Comissão de Constituição e Justiça.
São mais de 1.300 os herdeiros que estão esperando a indenizãção. Muitos já morreram e muitos sobrevivem em condições precárias.


          
                Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Cidadania /IHG
                     R. Hermilo Alves, 290 - Sta. Tereza - BH/MG
                 Onibus:9103,9210 e SC01 - Metrô:Est.Sta. Efigênia
                       www.institutohelenagreco.blogspot.com
                    - Reuniões abertas aos sábados às 16 horas -

1ª Conferência Municipal LGBT



Está confirmado para os dias 9 e 10 de setembro a I Conferência Municipal de Políticas Públicas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (I Conferência Municipal LGBT). A confirmação veio através de decreto publicado no Diário Oficial do Município de 12 de agosto. tema do evento será Por uma BH livre da pobreza e da discriminação: promovendo a cidadania LGBT”. A coordenação ficará a cargo da Secretaria Municipal Adjunta de Direitos de Cidadania, por intermédio da Coordenaria de Direitos Humanos e do Centro de Referência pelos Direitos Humanos e Cidadania LGBT de Belo Horizonte.
Dentre os objetivos da I Conferência Municipal LGBT estão avaliar e propor as diretrizes para a implementação de políticas públicas voltadas ao combate à discriminação e à promoção dos direitos humanos e cidadania da população LGBT no Município de Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais e no Brasil; avaliar a implementação e execução do Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT e propor estratégias para seu fortalecimento; propor diretrizes para a implementação de políticas públicas de combate à pobreza e à discriminação da população LGBT; elaborar propostas de políticas públicas em âmbito municipal, tendo em vista a construção do Programa Municipal de Políticas Públicas LGBT de Belo Horizonte – BH sem Homofobia; elaborar relatório sobre o temário proposto e encaminhá-lo à Comissão Organizadora da II Conferência Estadual de Políticas Públicas e Direitos Humanos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - LGBT.

Cientistas estudam internet mais rápida



Cientistas britânicos desenvolveram uma maneira de usar o grafeno, o material mais fino do mundo, para capturar e converter mais luz do que era possível anteriormente, o que abre caminho a avanços na Internet de alta velocidade e outras formas ópticas de comunicação.
Em um estudo publicado pela revista Nature Communication, a equipe, que inclui Andre Geim e Kostya Novoselov, cientistas premiados com o Nobel no ano passado, descobriu que, ao combinar grafeno e nanoestruturas metálicas, o volume de luz que o grafeno é capaz de absorver e converter em energia elétrica aumentava em 20 vezes.
O grafeno é uma forma de carbono com espessura de apenas um átomo, e ainda assim 100 vezes mais forte que o aço.(Com o Correio do Brasil)

NOTÍCIAS DA GREVE
VÍDEOS

terça-feira, 30 de agosto de 2011

NOTICIAS DA GREVE

ENTENDA A SITUAÇÃO DOS PROFESSORES EM MINAS GERAIS



Apenas para relembrar:
a)      A Constituição determinou a elaboração de uma lei para definir a forma de pagamento dos professores públicos;
b)      Esta Lei foi promulgada em 16 de julho de 2008 e estabelecia, inclusive, o piso salarial nacional a ser somado as vantagens do professor;
c)      Alguns governadores argüiram a inconstitucionalidade da Lei através da ADin 4167;
d)      Em abril de 2011 o STF negou o pedido dos governadores e determinou o pagamento do piso conforme previsto em lei.
e)      O governo de Minas Gerais, aproveitando-se da ADin 4167, tratou de cassar os direitos dos professores estabelecendo, a partir de janeiro de 2011, o pagamento de um valor sem as vantagens (tempo de serviço, escolaridade, biênio, qüinqüênio, etc.)



A menos que quisesse reconhecer que precisa pagar o piso, era natural que o governo de Minas tentasse manter uma coerência dentro da incoerente postura que vem assumindo desde o início da greve dos educadores. 

Sobre o anúncio do Governador


O Governador do Estado convocou uma coletiva com a Imprensa para as 10 horas desta segunda-feira. Na verdade não foi uma coletiva e sim um pronunciamento uma vez que os jornalistas não tiveram o direito de fazer nenhuma pergunta.
No pronunciamento, o Governador abordou questões que não significaram nenhuma novidade como as questões abaixo:
Anúncio do Governador: 62% da categoria optou pelo subsídio

Obsevação do sindicato: dos 398 mil cargos da educação, apenas 200 mil tiveram o direito de opção entre as formas de remuneração. Destes, 153 mil saíram do subsídio. Portanto, não se pode afirmar que 62% optaram pelo subsídio, porque o Estado não deu o direito de opção a todos os servidores da educação.
Professores.Por dia, Fórum Lafayette recebe entre cem e 150 processos contra governo do Estado
Piso já provocou 5.000 ações




Herdeiros da Cidade Industrial continuam ocupando o Plenário da Assembleia Legislativa de MG. A situação está ficando cada vez mais tensa.
Dezenas de pessoas das famílias Abreu e Hilário, que há 70 anos foram expulsas de suas terras para que o Estado de Minas Gerais implantasse a Cidade Industrial nos municípios de Belo Horizonte e Contagem, ocuparam ontem, pela manhã, dia 29/08/2011 (Segunda-feira) o Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Elas prometem não deixar o local, até que o governador Antônio Augusto Anastasia agende uma reunião para discutir o pagamento de indenização aos herdeiros dos fazendeiros desapropriados.
Desde 1957 há sentença transitada em julgada para que o governo estadual pague as indenizações. São mais de 1.300 os herdeiros famílias Abreu e Hilário que estão esperando a indenização. Muitos já morreram e muitos sobrevivem em condições precárias. A maioria é pobre. Uns moravam na Vila Itaú e estão sendo desapropriados pela 2ª vez. É um absurdo o governo protelar por tanto tempo o pagamento das indenizações. As famílias foram expulsas de suas terras com violência e deixadas à própria sorte. “Muitos dos que faziam jus à indenização morreram na miséria e vários herdeiros vivem em condições muito difíceis, inclusive em favelas. Além de ser imoral, é um afrontoso desrespeito a decisão judicial, pois”, protestou o dep. Durval Ângelo.
É a 1ª vez que o plenário da ALMG foi ocupado pelo povo que luta por um direito, uma causa justa. Idosos que participam da ocupação passaram mal. A direção da ALMG proibiu os ocupantes de sair para tomar água, não podem usar o bebedouro. Estão proibidos de usar o banheiro da ALMG. Está proibida a entrada de alimentação. Nem remédio está podendo entrar. Proibiram a entrada de cobertores à noite. Durante a noite abaixaram a temperatura do ar condicionado o máximo que puderam. À noite deixaram as luzes do plenário acesas e agora pela manhã apagaram as luzes.
Os ocupantes reivindicam uma agenda com o Governador Antonio Anastasia para discutir o problema da indenização.

CONTATO para maiores informações:
Edmar, cel.: 31 9113 0852
Geovânia, cel.: 31 9605 9153


Projeto CANTO & VIOLA
apresenta
BILORA
02 de setembro – Sexta-feira – 20 horas
SESC LACES/JK – Rua Caetés, 603
Ingresso – 1 kg de alimento não perecível

Bilora, nasceu em Santa Helena de Minas, Vale do Mucuri, divisa com o sul da Bahia, a poucos quilômetros da aldeia dos índios Maxakali. Viveu na região em contato com a cultura popular: folias, batuques, cantigas de roda, contradanças, festas juninas, cordéis, etc. Formado em Letras, atuou por 10 anos como professor de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira em Santa Helena de Minas e Ataléia (MG) e por 3 anos como instrutor de Oficina de Música em Teófilo Otoni, MG para adolescentes carentes. Músico-violeiro-compositor. Bilora foi um dos criadores da ANVB (Associação Nacional dos Violeiros do Brasil), ministra oficinas de Viola Caipira e de Construção de tambor de folia, e é um dos compositores mais premiados em festivais da canção pelo Brasil, em cidades de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Bahia, Goiás, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Goiás. Foi premiado no Canta Minas-95 (organizado pela Rede Globo Minas); no Circuito Paulista de Festivais em São Paulo (que reuniu os vencedores do ano no interior do estado); no Festival da Música Brasileira de 2000 (organizado pela Rede Globo), onde conquistou o 3º lugar com a música "Tempo das Águas"; e no Festival de Música da TV Cultura. Bilora tem três discos gravados, sendo o mais recente "Nas Entrelinhas", onde a música "Calango na Cidade" já totalizou 30 premiações em festivais, inclusive, o Primeiro Lugar em Avaré (SP) e Ibotirama (BA); Melhor Letra e Segundo Lugar em Ilha Solteira e São José do Rio Pardo(SP), dentre outros prêmios. Tem músicas incluídas em mais de 30 discos coletivos e músicas gravadas por artistas e grupos como Pereira da Viola, Titane, Tau Brasil, Coral Vozes das Veredas, Orquestra de Viola de Londrina (PR) e Álisson Menezes, entre muitos outros. Bilora, compositor que preza pelo valor poético de suas letras, juntando-as ao universo da cultura popular e da viola caipira, é um dos 6 violeiros do projeto VivaViola Sessenta Cordas em Movimento, e integra o projeto “Causos e Violas das Gerais” do SESC/MG que percorre o interior do estado de Minas Gerais.
Realização SESC MINAS
Parceria com os produtores Luiz Trópia  & Tadeu Martins
Apoio – Programa Viola Brasil – TV Horizonte
Informações – 3272.0150 – 8893.7806  -  8474.2050

Arcoense organiza abaixo assinado para reduzir aumento de salário dos agentes políticos

Kalebe Alves, Portal Noh e Diário O Pergaminho
Um comerciante arcoense resolveu tomar uma atitude contra o aumento de salário dos agentes políticos da cidade, aprovado por unanimidade na Câmara no último dia 8 de agosto. Antônio Victor Ribeiro de Oliveira, que também é engenheiro, organizou um abaixo assinado para tentar reduzir o aumento e também o número de vereadores eleitos, que passará de nove para 13 na próxima eleição.

projeto aprovado prevê que o prefeito de Arcos e seu vice receberão respectivamente R$ 18 mil e R$ 4.800, reajuste de 9,1%. Os secretários municipais passarão a receber R$ 5.900, um aumento de 8,6%. O reajuste maior, no entanto, foi no salário dos vereadores arcoenses, que atualmente recebem R$ 4.186,60. Os próximos candidatos eleitos terão um reajuste de 43,3% em seus pagamentos, recebendo mensalmente R$ 6 mil.

O comerciante Antônio Victor Ribeiro: "Cansei de só pagar imposto. Vai ter que ter também contraprestação de serviços também"/Foto: Kalebe Alves
Antônio Victor acredita que o trabalho realizado pelos vereadores não condiz com a remuneração aprovada. “É contra isso que eu estou me insurgindo, cansei de pagar só imposto. Vai ter que ter também contraprestação de serviços”, disse. Questionado sobre os motivos que teriam levado os vereadores a aprovarem o projeto, o comerciante foi enfático. “Pra mim é incompetência, dissociação da realidade. Os vereadores simplesmente viraram as costas para o povo, não querem ouvir o que eles têm a dizer”, afirmou.

A opinião de Antônio Victor é semelhante à de outros arcoenses que assinaram ao abaixo assinado. Uma mulher que não quis se identificar declarou que existem outras prioridades no Município. “Sabemos que Arcos têm outras carências, então esse dinheiro poderia ser utilizado, por exemplo, para investir na saúde da cidade, que, em minha opinião, precisa melhorar demais”, afirmou. Um produtor rural que não quis ser identificado também se manifestou contra o aumento. “Eu tiro o sustento do peito de uma vaca o mês inteiro e não ganho nem metade do que recebe um vereador, que trabalha só um dia por semana”, disse.

Arcoense assina abaixo assinado que pede redução no reajuste do salários de agentes políticos/Foto: Kalebe Alves
 
Na Câmara

Procurada, a Assessoria de Comunicação da Câmara de Vereadores afirmou que, como cidadão, Antônio Victor têm todo direito de se manifestar. Gilberto Vieira, assessor de Comunicação, disse ainda que muitos vereadores poderiam nem estar sabendo do fato. Segundo ele, os Edis possivelmente falariam sobre o assunto na próxima reunião Legislativa, no dia seis de setembro às 19h30.

Na última reunião da casa, realizada na segunda-feira (22), a vereadora Maria Marlene/PP entregou uma carta ao presidente da Câmara Wilmar Arantes/DEM. No documento, assinado também pelo vereador Jamir Leiteiro/PR, a vereadora afirma que foi a favor do aumento, mas que questionada pela população, resolver rever seu posicionamento.

Vereadora Maria Marlene Rodrigues foi questionada pela população e pediu revisão do aumento salarial/Foto: Divulgação Câmara Municipal de Arcos

Na Prefeitura

De acordo com o Márcio Ferreira, assessor de Comunicação da Prefeitura de Arcos, o projeto é de autoria do Legislativo, e, portanto, não caberia ao Executivo se manifestar no momento.
Abaixo assinado

Até o momento da entrevista de Antônio Victor à nossa equipe, oitenta e seis pessoas já haviam assinado o documento. Segundo o comerciante, o abaixo assinado precisa ser entregue até o dia 20 de setembro. “Esse reajuste nos salários precisa ser alterado até um ano antes das eleições do ano que vem, caso contrário, passará a valer já para 2013”. Os interessados em assinar o documento devem comparecer ao comércio de Antônio Victor, localizado próximo à Praça do Vivi, no Centro, em horário comercial.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Saudação aos Amigos da Anistia


José Carlos Alexandre  

  Apesar da posição radical da Anistia Internacional ( veja neste blog) , a passagem dos 32 anos da Anistia Política no Brasil não deixa de ser um marco histórico.
    Foi a  anistia possível à época (1979).
    Urge completá-la. Sanar suas falhas.
    Para tanto é preciso fortalecer os instrumentos legais apropriados para tal. Um deles é a Associação dos
amigos do Memorial da Anistia, cuja diretoria toma posse na noite de hoje, às 20h, no teatro do Pedro Paulo Cava, o Teatro da Cidade, na Rua da Bahia, quase esquina om a Rua Timbiras.
    À propósito do Memorial da Anistia, uma obra fantástica, em construção na Rua Carangola, pouco acima da Avenida do Contorno, que é merecedor de todo apoio do povo brasileiro e tem respaldo da ONU, nada impede que se cumpra a lei que cria o Memorial mineiro, previsto em lei assinada pelo ex-governador Itamar Franco no ano 2000.
    Sua  construção está prevista para a sede do antigo DOPS, na Avenida afonso Pena. E seria mais um instrumento a mais para que as novas gerações possam tomar parte da história viva (com permissão do Betinho Duarte) deste país que tanto penou com a ditadura  militar de 1964 a 1985.
    Minha saudação afetuosa a todos os diretores e conselheiro da Associação dos Amigos do Memorial da Anistia.
  Vamos nos unir e, torno de novas conquistas.
   

Anistia, um debate na Assembleia


Parafuso legal


                  Carlos Lúcio Gontijo
            Normalmente, nossos folclores político, literário e musical acabam por nos mostrar a face psicológica e cultural da sociedade. Há no povo brasileiro uma forte determinação de driblar as leis. Até aqueles que têm o comando da economia e do capital nacional se acercam de assessores para estudar possíveis brechas, então chamadas legais, a fim de se beneficiar em seus negócios.

                Há anos, assistimos ao governo brasileiro se utilizando das medidas provisórias, admitidas pela Constituição em caso de relevância e urgência. Mas, pelo visto, nunca vivemos tantas relevâncias nem tamanhas situações urgentíssimas, com o governo exagerando no uso do instrumento das medidas provisórias, visualizado por ele como tábua de salvação capaz de lhe proporcionar algum espaço de governabilidade, diante de um Congresso dividido, onde a base aliada age como se tivesse licença para fazer do fisiologismo político uma moeda de troca. Ou seja, no final das contas, o governo não pode contar nem com a oposição nem com os próprios aliados, criando a imagem surrealista em que o rabo abana o cachorro. 
                Há no folclore político mineiro um caso que bem situa nosso menosprezo, ou mesmo um inegável relacionamento de disputa com as leis. Contam que Raul Soares, à época presidente estadual de Minas Gerais (1922-1924 – morreu no exercício da função) e que foi o único civil a ocupar o cargo de ministro da Marinha no Brasil, viu-se obrigado a chamar até a capital mineira um de seus compadres, correligionário e coronel político, para uma acanhada advertência.
                Olha compadre, dizia de forma estudada o governador, você está excedendo-se na região. Chegam-me constantes reclamações e vamos acabar usando os rigores da lei contra você, a fim de não prejudicar nossa imagem diante das pessoas e demais autoridades do Estado e do país.
                Sem pestanejar nem vacilar, o simplório coronel do interior saiu-nos com essa pérola: “Uai, compadre Raul, usar a lei bem que você pode. Mas lei pra nós não é prego fixo na parede como você imagina na sua boa intenção de homem público. Lei pra nós é um parafuso: a gente torce pra lá, pra cá... como bem entender”. Despediu-se, foi embora e deixou Raul Soares perplexo com aquela maneira singela e até mesmo filosófica, mas irrefutável, de expor a realidade cultural e psicológica do relacionamento de nossa sociedade com as leis, sempre mais dependentes do senso comum (e moral) dos cidadãos que da capacidade e competência do legislador.
                Dessa verdade cultural não fogem as pessoas mais humildes, as autoridades constituídas e presidentes. Pode-se dizer que a descoberta da ilegalidade nada mais é que pôr às claras a tentativa frustrada da tradição de se procurarem lacunas nos textos legais. Não foi à toa que a nossa Constituição desceu a níveis descritivos e terminou ostentando toda aquela extensão, pois sabiam os constituintes que a nossa sociedade é mestre em sair pela tangente e ludibriar títulos, artigos, parágrafos, incisos etc.. Todavia, quando pegos com a boca na botija, em plena prática de corrupção ou do famigerado levar vantagem em tudo, posamo-nos como inimputáveis e fazemos cara de menor de idade ou simplesmente não responsáveis por nossos atos e até desconhecedores da lei que ousamos desparafusar e torcer (e distorcer) segundo o nosso inconfessável desejo.
          Carlos Lúcio Gontijo
          Poeta, escritor e jornalista

Falta jeitinho ao governo



Heron Guimarães (*)
A greve dos professores, que tumultua a vida do mineiro por mais de 70 dias e que mantém uma perspectiva de continuidade, expõe a frágil condição do governo estadual de conciliar uma visão técnica com as necessidades políticas de quem assume uma máquina pública, como é o caso do governador Antonio Anastasia.
A disposição em ouvir e decidir, o jeitinho e, ao mesmo tempo, os punhos fortes são ainda as únicas invenções capazes de suportar aos entraves e promover o meio-termo. Por isso, entre políticos indagados, especialmente os do próprio PSDB e do PT, é quase unânime a opinião de que não existe tato no governo. Como dizem por aí, "falta a Anastasia um Anastasia dos tempos de Aécio".
A secretária de Educação, Ana Lúcia Gazzola, revelou-se péssima negociante. Deu ao sindicato o discurso que ele queria ao assumir um equívoco e comprometer a credibilidade de sua gestão. Acabou perdendo as rédeas das negociações e substituída pela colega de secretariado Renata Vilhena (Planejamento).
Apesar de necessária, a substituição também é contestada. Isso porque, do outro lado, está Beatriz Cerqueira, professora e advogada fortemente inclinada para o embate, e que chega ao melhor momento de sua carreira sindical. Não faltam a ela conhecimento de causa e poder de mobilização.
Beatriz Cerqueira é hoje uma das lideranças mais consistentes da região metropolitana, tornando-se objeto de assédio entre partidos como o próprio PT e o PCdoB.
Sob sua coordenação, a paralisação da rede municipal de ensino em Betim foi uma das mais duradouras dos últimos dez anos. Ela não poupou nem mesmo companheiros de longa data, que, em 2008, ajudou a eleger.
Fez o governo da prefeita Maria do Carmo Lara (PT) despencar em popularidade, não levando em conta até mesmo o fato de seu marido ser um dos responsáveis pelo governo local.
O mesmo acontece agora com Anastasia. O governador já corre atrás do prejuízo e, se não agir rápido do ponto de vista político, vai pagar uma fatura alta.
Beatriz colocou Anastasia em uma sinuca de bico. Cedendo, o governador acena com frouxidão para outras categorias de servidores que possuem reivindicações semelhantes às dos educadores, correndo o risco de se tornar um novo Eduardo Azeredo.
Caso contrário, se mantém os punhos fortes, pode carregar nas costas o peso de um ano letivo jogado fora, mancha que dificilmente conseguirá apagar de sua biografia.
Chegou a hora de pedir ajuda a quem sempre ele estendeu a mão. E falando nisso, muito se comenta sobre a ausência de Aécio em Minas.
Heron Guimarães é diretor executivo de O Tempo. Este artigo foi publicado sábado, dia 27/08/2011.

Futebol é com Flávio Anselmo



CRAQUE MONTILLO FAZ A DIFERENÇA NO JOGÃO


COM CERTEZA OS DOIS GOLS de Walter Montillo não estiveram presentes na prancheta de Joel Santana nem nos seus treinamentos durante a semana. Foram obras do talento inato, puro, deste argentino.
No primeiro gol, a presença na troca de passes com WP-9 e a chegada como ponta-direita audacioso; driblou Renan Ribeiro e só não entrou com bola e tudo pra não humilhar.
No segundo, uma troca de postura com a defesa do Galo. Saiu driblando, passou por dois, e mandou ver, rasteirinho, no canto baixo direito de Renan, que colaborou na obra prima, saltando com atraso. O que se via era o Cruzeiro lá atrás, cobra venenosa preparando o golpe, enquanto seu adversário corria atrás da sorte e do apoio da torcida que enchia a Arena do Jacaré. Em certos momentos pareceu-me que o Galo teria essa sorte: Aos 21m do primeiro tempo, o rival  perdeu WP-9 por lesão. Joel leu bem o jogo: botou Charles pra fechar o lado de Diego Renan e liberar mais Roger. Afinal, Montillo já havia marcado seu nono gol no Brasileiro, aos 12m. Anselmo Ramon não aparecia, mas incomodava a zaga e devida a atenção. O Galo passou a pressionar. A dupla Guilherme e André não funcionava,  anulada por Naldo e Léo. Pelo lado esquerdo, onde o Galo insistia com Richarlyson Vitor repetia as atuações anteriores. Fechou o setor. O time de Cuca tinha maior posse de bola e a pontaria ruim. Aos 43m, nova baixa azul: Diego Renan sente e Joel arrisca; coloca Gilberto. 
Cuca botou Berola no segundo tempo, adiantou a marcação e só o Galo jogou. A bola batia no ataque do Cruzeiro e voltava. Roger e Montillo, bem vigiados, não cadenciavam o jogo. O empate não demorou.
Aos 11m, Felipe Soutto, voltando à forma, soltou um balaço de perna esquerda, da intermediária. Fábio fez golpe de vista e a bola entrou no ângulo. Expectativa de virada.
Com Gilberto, o Cruzeiro tinha 10 em campo.
Ah, me esquecia: tinha Montillo. Então, na verdade, tinha 11 no gramado. 
Joel pra sair do sufoco final mandou Ortigoza para o lugar de Roger e atrasou Montillo de novo. Aos 43m, o argentino marcou os 2 a 1 finais.
De fora da área.

O São Paulo de Adilson Batista pode afirmar que arrancou excelente resultado na Vila Belmiro. Teve Carlinhos Paraíba expulso aos 29m do primeiro tempo, fez l a 0 com l0 em campo, num golaço do garoto Lucas, aos 45m e só tomou o empate aos 36m da fase final num petardo de Ganso, que voltou a jogar bem. E destaco que os sãopaulinos tiveram mais chances no contra-ataque de ampliar o placar, já no primeiro tempo. No Engenhão deu-se o contrário: o Flamengo teve um atleta expulso e recuou pra manter o placar de 0 a 0. Conseguiu evitar vitória do Vasco que o colocaria bem melhor na classificação geral. O Palmeiras de Felipão derrotou o Corinthians por 2 a l, todavia não evitou que o Timão ficasse com o simbólico título de campeão do primeiro turno. Com a combinação dos demais resultados, o time paulista 37 pontos na liderança. O Flamengo, com o empate diante do Vasco, segurou a vice-liderança com 36. São Paulo e Vasco, com 35, ocupam as outras duas vagas do G-4. 

No Grenal, o Grêmio fez valer o seu mando de campo, no Estádio Olímpico, e derrotou o Inter por 2 a l. E No clássico de Santa Catarina repetiu o placar da maioria doe clássicos: Figueirense 2 x Avaí l. Só o Ceará fez mais bonito, em casa: aplicou a goleada de 3 a 0 sobre o Bahia e levantou, de novo, o astral perante sua torcida.


REZEM POR  RGOMES . Imagino que o clássico do Rio, debaixo de um calor danado, tenha feito muita gente passar mal. 
Inclusive o técnico Ricardo Gomes que deixou o gramado do clássico entre Flamengo e Vasco de ambulância, é gravíssimo. Após ter sido atendido no centro médico do Engenhão, o técnico foi encaminhado para o Hospital Pasteur, na Zona Norte do Rio de Janeiro.
Segundo o primeiro boletim médico, o comandante, cuja pressão chegou a 19 por 12, sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) com hemorragia. Ele está sedado na UTI e respira com a ajuda de aparelhos. O treinador será operado ainda neste domingo Ricardo Gomes começou a se sentir mal por volta dos 20 minutos do segundo tempo do clássico. O atendimento ao treinador assustou os jogadores do Vasco em campo, que não sabiam direito o que acontecia no banco de reservas e viram uma ambulância e muita confusão. Com ajuda de Deus, menino novo, dará a volta por cima em breve. 
Sem dúvida alguns torcedores e o próprio cartola Dimas Fonseca estejam afirmando neste momento, após a vitória no clássico com dois gols de Montillo que “nossa opção pela venda de Dudu foi a mais correta. Ficamos com Montillo, craque definido enquanto Dudu não passa de uma promessa”.
 Fiquemos com as comparações por aí. O craque tem 29 anos e o projeto de craque tem 19. No final do ano, o craque argentino haverá de exigir sua saída porque existem clubes estrangeiros interessados e o Cruzeiro nada fará pra mantê-lo.
 quando entra o cartola justificando demais o negócio é porque sabe que ele foi mal feito, num momento ruim. Pode o Cruzeiro informar o quanto quiser que tem 100% dos direitos do garoto Dudu. Não resolverá nada. Prefiro manter  minhas críticas. São bobagens atrás de besteiras. Inverdades. O Cruzeiro não aproveitou nada de seu futebol. Claro que podia esperar mais e fazer mais dinheiro por ele. A projeção é de que Dudu do Dínamo vá prum grande clube da Europa pelo triplo do preço. Então mais dinheiro para os cofres azuis. Os babas ovos aqui dirão ainda que o negócio foi excelente; afinal, enquanto Dudu se transferir por lá entra dinheiro aqui.  Segundo Dimas Fonseca," recebemos  proposta duas vezes maior pelo Montillo e não vendemos. Achamos melhor, nesse momento, negociar o Dudu, que ainda é um jogador com idade de júnior e não é titular da equipe. Estamos fazendo o possível para manter um elenco forte, mas a proposta que recebemos era muito boa para ser recusada e tínhamos que pensar no futuro do clube”. 
Aos 29 anos, o craque Montillo se fosse negociado agora provocaria mais revolta na torcida celeste por tratar-se de um ídolo. Contudo, não renderia mais nada ao Cruzeiro no futuro, nem aos envolvidos. Ou seja, negócio sem rebarbas. E Dudu só não é titular porque os incompetentes dos treinadores contratados por Dimas Fonseca só gostam de trabalhar com medalhões e ex-jogadores em atividade. Vide Gilberto.


Flávio AnselmoAcesse meu blog
www.flavioanselmodepeitoaberto.blogspot.com

Livro reúne projetos de templos, igrejas e capelas de Oscar Niemeyer




Ícone mundial da arquitetura moderna, em plena atividade aos 103 anos de idade, OscarNiemeyer acaba de lançar um livro que reúne os projetos que fez de templos religiosos, uma parcela importante de sua vasta obra. As Igrejas de OscarNiemeyer, lançado nessa semana, na galeria de arte da filha do arquiteto, Anna Maria Niemeyer, traz imagens coloridas de 16 catedrais, igrejas, capelas e outros templos projetados pelo mais importante arquiteto brasileiro, executados ou não.
Niemeyer, que sempre se declarou ateu convicto e comunista, faz no livro um relato emocionante da influência da religião em sua infância e de como isso fez com que se tornasse familiar, para ele, projetar igrejas. “Nasci em uma família muito religiosa. Meu avô era religioso. Na casa onde eu morei, tinha cinco janelas, uma delas transformada em oratório pela minha avó. Tinha missa lá em casa. Era uma coisa muito natural”, conta.
Fazem parte do livro desde a pioneira Igreja da Pampulha, em Belo Horizonte, projeto de 1940, às recentes catedrais católica e batista do Caminho Niemeyer, expressivo conjunto de obras do arquiteto que está sendo construído em Niterói (RJ). As linhas ousadas da Igreja da Pampulha, consagrada a São Francisco de Assis e decorada com painéis de Cândido Portinari, escandalizaram as autoridades eclesiásticas da época, que, durante 14 anos, proibiram a realização de cultos no local.
No final dos anos 1950, Niemeyer já não enfrentava essa rejeição ao projetar, juntamente com os vários edifícios públicos de Brasília, a Catedral da nova capital, a Capela do Palácio da Alvorada e a Capela Nossa Senhora de Fátima. Anos mais tarde, ainda em Brasília, ele teve executados seus projetos da Igreja Ortodoxa (1986) e da Catedral Militar (1992).
Fora do Brasil, levam sua assinatura os projetos – não executados até agora – de uma mesquita em Argel, capital da Argélia, e de uma capela em Potsdam, na Alemanha. Merece destaque ainda, no livro, outro recente projeto para o Brasil, a Catedral do Cristo Rei, em Belo Horizonte.
Juntamente com o livro, foi lançado o número 10 da revista Nosso Caminho, publicação dirigida por Oscar Niemeyer e sua esposa, Vera Lúcia. Essa edição presta uma homenagem ao arquiteto João Filgueiras Lima, que trabalhou com Niemeyer na construção de Brasília e foi o responsável por desenvolver a tecnologia do pré-moldado, em concreto ou em argamassa. No Rio de Janeiro, essa tecnologia permitiu, nos anos 1980, a construção rápida de escolas como os Centros Integrados de Educação Pública (Cieps) e também da Passarela do Samba.
Livro de arte com capa dura, 56 páginas em papel couchê, textos em português, espanhol e inglês, As Igrejas de Oscar Niemeyer tem tiragem limitada, de mil exemplares. (Com o Correio do Brasil)



José Francisco Neres, um dos membros do Conselho Consultivo da Associação dos Amigos do Memorial da Anistia


Tomará posse nesta segunda-feira, às 20h, no Teatro da Cidade, a diretoria da Associação dos Amigos do Memorial da Anistia

É a seguinte a composição da diretoria:

Presidenta – Maria Christina Rodrigues
Vice-Presidente -  Betinho  Duarte
Secretária - Valéria Ciriaco Carvalho
Tesoureiro - Carlos Alberto de Freitas
2º Secretário - Jorge Antônio Pimenta Filho
Conselho Deliberativo Fiscal:
Aluísio Rodrigues Coelho
João Marques de Aguiar
Lúcia Marly de Oliveira
Marco Antonio Azevedo Meyer
Maria Clara Abrantes Pêgo
Maria Gezica Valadares
Nilmário Miranda
Foram indicados para o Conselho Consultivo, dependendo de aceite entre outros:
Aloísio Morais Martins
Amilcar Martins
Ângela Gutierrez
Ângela Pezzuti
Antonia Puertas
Antônio Pinheiro
Antônio Ribeiro Romaneli
Apolo Heringer Lisboa
Carlos Cateb
Celina Albano
Cléber Consolatrix Maia
Clotilde Ayer
Dídimo Paiva
Dinorá do Carmo
Diva Moreira
Elizabeth Maria Fleury Teixeira
Emely Vieira Salazar
Evilázio Teubner Ferreira
Fahid Tahan Sab
Fernando Damatta Pimentel
Flávio Andrade
Frei Beto
Gildásio Cosenza
Guy de Almeida
Helvécio Ratton
Hildebrando Pontes Neto
Ione Grossi
Ivo José
Jânio Oliveira Bragança
Jardel Lopes
Joana D’Arc Gontijo
Jorge Raimundo Nahas
José Carlos Laender Castro
José Edgard Amorim Vieira

José Francisco Neres
José Maria Rabelo
Jurandir Persechini
Lázara Maria da Felicidade Ribeiro Lemos
Leonardo Spencer
Luiz Carlos Bernardes
Magda de Almeida Neves
Márcio Araújo de Lacerda
Márcio Augusto Santiago
Marcos Santana
Marcos Tito
Maria Auxiliadora Bambirra
Maria Dirlene Marques
Maria Emília
Maria Leonor P. Marques
Maria Merces Somarriba
Mauro Mendes Braga
Michel Marie Le Ven
Neide Pessoa
Neusa Ladeira
Otávio Elisio Alves Brito
Otávio Soares Dulci
Padre Henrique
Patrus Ananias de Souza
Paulo Elisiário Nunes
Pedro Paulo Cava
Plínio Arantes
Renato Santos Pereira
Ricardo Apigaua
Roberto Carvalho
Sálvio Humberto Penna
Sônia Lacerda Macedo
Suzana Lúcia Silva Belo
Teuda Bara Fernandes
Vanda Regina Rodrigues
Vera Pape Pape
Vicentão
Em homenagem póstuma e reconhecimento, foram indicados para o Conselho  de
Honra In Memoriam
:
Adherbal Teixeira Rocha
Adriano Fonseca Filho
Afonso Carlos Vitor

Afonso Maria da Cruz
Agnaldo Galvão Leal - Padre Agnaldo
Aides Dias de Carvalho
Alcides de Oliveira
Alcides Salles Filho
Aldo de Sá Brito de Souza Neto
Alvaro Hardy – Veveco
Alvaro Rabelo
Alvino Ferreira Felipe
Amílcar Vianna Martins
Andréia Marques Rodrigues Ladeira
Anélio Marques Guimarães
Ângelo Pezzuti da Silva
Anthero de Carvalho Drumond
Antônio Carlos Bicalho Lana
Antônio Holandino de Araújo
Antônio Joaquim de Souza Machado
Antônio José dos Reis
Antônio Luiz Paixão
Antônio dos Três Reis Oliveira
Arildo Valadão
Ariosvaldo Campos Pires
Aristides Lisboa
Arlindo José Ramos
Armando Ziller
Arnaldo Cardoso Rocha
Ary de Souza
Áurea Eliza Pereira Valadão
Azarias Duarte Soares Souza Lima
Benedito Gonçalves
Carlos Alberto Scotti
Carlos Alberto Soares de Freitas
Carlos Schirmer
Carmela Pezzuti
Cecílio Emígdio Saturnino
Célio de Castro
Celius Aulicus Gomes Jardim
Celso Aquino Ribeiro
Celso Monteiro Furtado
Ciro Flávio Salazar e Oliveira
Custódio Rezende Evangelista de Paula
Daniel José de Carvalho
Darcy Ribeiro
David Rodrigues Diniz
Décio Geraldo de Oliveira Sales
Devanir José de Carvalho
Dimas da Anunciação Perrin
Domingos Ribeiro Viotti
Edgar de Godói da Mata Machado
Edina Maria da Paixão
Eduardo Antônio da Fonseca
Eduardo Colen Leite - Bacuri
Eduardo Demétrio Ferreira
Helena Greco
Eliane Martins
Eloy Ferreira da Silva
Elson Costa
Euro Luís Arantes
Evelyne Pape Singer
Flávio Sampaio

Francisco de Assis Magalhães Gomes
Francisco Lage Pessoa - Padre Lage
Francisco Mário de Souza - Chico Mário
Francisco Nascimento - UTP
Frederico Ozanam Pereira
Geralda Damatta Pimentel - Dona Dina
Geraldino Heleodoro de Carvalho
Geraldo Bernardo da Silva
Geraldo Ludovico
Geraldo Magela de Almeida
Geraldo da Rocha Gualberto
Gerosina Silva Pereira
Getúlio D'Oliveira Cabral
Gildo Macedo Lacerda
Gilson Miranda
Guido Leão Santos
Guido Rocha
Guinaldo Nicolaevscky
Helber José Gomes Goulart
Hélcio Pereira Fortes
Hélio Pellegrino
Hélio Pontes - sociólogo
Hélio Salvador de Azevedo
Henrique Cláudio de Lima Vaz - Padre Vaz
Henrique de Sousa Filho - Henfil
Herbert Eustáquio de Carvalho
Herbert José de Sousa - Betinho
Herculano Mourão Salazar
Idalísio Soares Aranha Filho
Isis de Araújo D'Ávila Magalhães
Itair José Veloso
Ivan Mota Dias
Izaurino Alves de Souza
Jaime Petit da Silva
Jair Ferreira de Sá
James Alen Luz
Jaime Nelson Wright - Reverendo Jaime Wright
Jayme Goifman
Jeová de Assis Gomes
João Batista Franco Drummond
João Bosco Burnier - Padre Burnier
João de Carvalho Barros
João Domingos Fassarella
João Firmino Luzia
João Lucas Alves
João Pio de Souza
Joaquim José de Oliveira
Joel José de Carvalho
Jorge Batista Filho
José de Assis
José Bartolomeu Greco
José Carlos Novaes da Mata Machado
José do Carmo Rocha
José Costa - jornalista José Costa
José Flávio Rodrigues Pereira
José Isabel do Nascimento
José Júlio de Araújo
José Matheus Pinto Filho
José Pereira Martins Filho - Zequinha
José Prímola Ferreira

José Renato Campos do Amaral
José Roberto Gonçalves Rezende
José Rocha Filho - Frei Matheus
José Teubner Ferreira
José Toledo de Oliveira
Juarez Guimarães de Brito
Judith Vieira Lisboa
Lenine Moreira da Silva
Lourival Vilela Viana
Lúcia Helena Righetti Melino
Lucimar Brandão Guimarães
Lúcio Petit da Silva
Luis Bento
Luiz de Carvalho Bicalho
Luiz Pompeu de Campos
Magda Magalhães Alves
Marcelo Guimarães
Marcelo Righi Marco
Márcio José de Araújo
Marcos Magalhães Rubinger
Maria Augusta Carneiro Ribeiro - Guta
Maria Auxiliadora Lara Barcellos
Maria das Graças Teixeira
Maria Floripes Nascimento Alves
Maria Lúcia Petit da Silva
Maria da Penha Lima - MST
Mário Alves de Souza Vieira
Mário Bento da Silva
Mariza Afonso
Maurício de Rezende Pires Alcântara
Mílton Freitas de Carvalho
Mílton Soares de Castro
Murilo Pinto da Silva
Nathanael de Moura Giraldi
Nelson José de Almeida
Nestor Veras
Ney Jansen Ferreira Júnior
Olympio Perez Munhoz – Seu Olympio Garçon
Ondina Pedrosa Nahas
Oracílio Martins Gonçalves
Orestes Timbaúva Rodrigues
Orlando da Silva Rosa Bomfin Júnior
Osório da Rocha Diniz
Osvaldo Orlando da Costa
Oswaldo França Júnior
Otaviano de Carvalho
Paschoal Souza Lima
Paulo Costa Ribeiro Bastos
Paulo Freire
Paulo Irmensul Rogedo
Paulo Regulus Freire
Paulo Roberto Pereira Marques
Pedro Alcântara Moreira
Pedro Alexandrino de Oliveira Filho
Raimundo Carlos
Raimundo Eduardo da Silva
Raimundo Gil da Silva
Raimundo Gonçalves Figueiredo
Raul Amaro Nin Ferreira
Regina Nabuco

Reinaldo Melgaço
Roberto Décio de Las Casas
Roberto Francis Drummond
Rodolfo de Carvalho Troiano
Rodolpho Fritsch Filho
Ronaldo Mouth Queiroz
Sami Sirihal
Sebastião Tomé da Silva
Sinval de Oliveira Bambirra
Sônia Maria de Moraes Angel Jones
Stela Mares Rafante Martins
Stuart Edgar Angel Jones
Sylvio de Vasconcellos
Therezinha Viana de Assis
Tito de Alencar Lima - Frei Tito
Valmir José de Resende
Vicente Abreu
Vinícius José Nogueira Caldeira Brant
Virgílio Faustino Salomão
Waldemar das Dores - Mamário
Walkíria Afonso Costa
Walter de Souza Ribeiro
Zilah Souza Spósito
Zuleika Angel Jones - Zuzu Angel