quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Você saberia quantos países tem a América Latina?


Isaac Bigio (*)

Hace unos días el fundador de la Fraternidad de Pastores de Londres me mandó un e-mail pidiéndome que le dijera exactamente cuántos países latinoamericanos hay. Esa misma pregunta me la han hecho desde mis antiguos alumnos en las clases de política latinoamericana de la London School of Economics hasta políticos de alto vuelo.
No hay una respuesta precisa pues América Latina es un término sumamente vago y artificial.
Se supone que América Latina incluye a todos los países que hablan una lengua latina (el español, el portugués, el francés o sus derivados criollos), aunque se excluye al Estado americano de mayor área (Canadá). Esto, pese a que ésta tiene la segunda población franco-parlante del mundo, que Canadá tuvo hasta el siglo XIX una población que hablaba el francés más que ninguna otra lengua y que el francés sigue siendo una de sus dos idiomas oficiales (aunque el predominante en Quebec, su principal región).
En este concepto también se excluye a los 50 millones de hispanos de Norteamérica (que son la segunda población de habla castellana del planeta) y a los más de 8 millones de francófonos de dicho subcontinente (que representan al 60% de los hablantes nativos del francés fuera de Francia).
Restringir el término de América Latina solo a los países de lengua latina al sur de los EEUU también corre el riesgo de crear diferencias ficticias con otros países no latinos del Caribe o de las Guayanas, quienes conforman asociaciones de estados con otros países hispanos ya sea a nivel de la comunidad sudamericana, la centroamericana, la caribeña o la bolivariana.
Belice, a pesar de ser una ex colonia británica que se mantiene en la Commonwealth y tiene al idioma inglés como oficial (aunque no muchos lo usan a diario pues la mayoría de sus habitantes habla un inglés criollo y la mitad de ellos el castellano), pero es parte del sistema de integración centroamericano y de la hispanidad.
La pequeña isla de San Martin con apenas 30,000 habitantes está dividida. El norte es parte de Francia y el sur de Holanda, pero resulta inaudito decir que una parte de esta Antilla está en América Latina y la otra no.
El término es también problemático para referirse a muchas repúblicas americanas donde un amplio porcentaje o la mayoría de su población habla lenguas amerindias (como es el caso de las dos naciones mediterráneas del hemisferio: Bolivia y Paraguay), así como para Haití, donde el 99% de sus habitantes habla su lengua criolla nacional basada en gramática africana y léxico galo.
La alcaldía de Londres al celebrar por primera vez en su historia a la comunidad latinoamericana colocó un mapa representando a esa región donde se incluía a toda la plataforma continental sud y centro americana, incluyendo a Guyana y Surinam, Estados sudamericanos que no hablan ningún idioma latino.
La población de Aruba, Bonaire y Curazao habla papiamento (un derivado del español y portugués) pero a estas 3 islas del litoral occidental venezolano no siempre se les considera parte de América Latina, debido a que son posesiones holandesas. Algo similar pasa con las islas mayores al frente de la costa oriental venezolana (la de Trinidad y Tobago), pese a que su capital es Puerto España y a que fueron dependencias hispanas hasta el inicio del proceso de independencia andina.
3 de los 8 países que forman la ALBA no son considerados parte de América Latina, a despecho de sus vínculos con Venezuela y a que tienen un significativo número de hablantes de criollos franceses.
Otra paradoja es Saint Lucie. Esta, pese a tener un nombre en francés y a que sus habitantes hablan un francés criollo, es un país independiente latinoamericano pero marginado del resto. En el Reino Unido los nacionales de esa isla componen la tercera mayor inmigración latinoamericana allí, pero ni ellos ni ninguno de los cientos de miles de residentes latinoamericanos de Londres les considera como “latinoamericanos”.
De hecho los únicos idiomas que son netamente latinoamericanos (pues son lenguas latinas surgidas solo en las Américas) son los criollos del francés y el papiamento. Sin embargo, quienes hablan esos idiomas (la mayoría de Saint Lucie, Dominica y Haití y las Antillas holandesas y parte de Nueva Orleáns en EEUU y de otras Antillas) no suelen ser considerados latinoamericanos, característica que solo pareciera aplicarse a los países al sur de EEUU que solo hablan una lengua latina netamente europea o amerindia.
En el Reino Unido, el único país junto a Japón donde los brasileros conforman la mayor comunidad de inmigrantes latinoamericanos, los brasileros siempre crean sus propias instituciones, iglesias y medios de prensa en contraposición a los de los llamados latinoamericanos, pues cada vez más este concepto tiende a reducirse solo a los sud y centro americanos que hablan español.

(*) Isaac Bigio é da AG - Análisis Global
(Matéria transcrita de Pravda.ru/Divulgação)

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Solidariedade ao sacrificado e bravo povo de Honduras


Camino de la Refundación de Honduras

El Frente Nacional de Resistencia Popular (FNRP) representa los intereses de todo un pueblo que se mantiene en lucha contra el actual régimen represivo disfrazado de democracia. La Resistencia crece diariamente y se extiende por todo el territorio nacional coordinando las distintas agendas políticas y sociales en un solo proyecto unitario con el que se ha empezado a construir los pilares sobre los cuales se construirá una nueva sociedad de justicia en Honduras.
Logo del Golpe de Estado del 28 de junio del 2009 se vino a bajo el ya debilitado Estado de Derecho y el pequeño grupo empresarial que secuestro al legitimo presidente de las y los hondureños se ha mantenido en el poder a base de la violencia de las fuerzas represivas (Policía Nacional, escuadrones paramilitares y Fuerzas Armadas de Honduras) asesinando, golpeando, apresando, violando y obligando al exilio a centenares de hondureños y hondureñas.
Los “golpistas” que sacaron a Manuel Zelaya Rosales son los mismos que ahora presentan a Porfirio Lobo como un títere para seguir consolidando su régimen de violencia y seguir entregando el país al mejor postor a las grandes transnacionales para la explotación de ricos recursos naturales.
El 15 de septiembre es una fecha de celebración para los países centroamericanos debido a que durante el año de 1821 se efectuó la firma del Acta de Independencia del dominio imperialista español.
Desde entonces se comenzaron a construir las bases para formar la nación hondureña, sin embargo el sectarismo de caudillos y la intromisión de los grupos conservadores de la iglesia fueron construyendo una sociedad de desigualdades para beneficiar a la élite.
Por décadas se impuso el civismo tradicional para celebrar este importante día. Las marchas marciales y los discursos decimonónicos se convirtieron en una simple rutina, mientras en la realidad social los recursos de pueblo se entregaron a transnacionales extrajeras y la injerencia del Departamento de Estado de Estados Unidos apoyaba gobiernos autoritarios y regímenes militares que ensangrentaron al pueblo.
Fue así, que después del brutal golpe de Estado del 28 de junio del 2009 el pueblo se lanzó a las calles a luchar por los derechos vilmente estropeados por los minúsculos sectores dominantes y el 15 de septiembre del pasado año cientos de miles de personas salieron a las calles a celebrar con marchas coloridas y de diversidad social.
Ese gran acto les demostró a los criminales golpistas que la gran mayoría de pueblo esta dispuesto a luchar contra la lógica neoliberal que impulsa el imperio estadounidense en complicidad con la oligarquía hondureña (compuesta por 10 familias de origen extranjero).
Este 15 de septiembre se realizaran masivas marchas en todo el territorio hondureño para demostrar que la lucha es por la independencia absoluta del pueblo. Lanzando todo el apoyo por la Constituyente popular para crear el marco legal que nos permita como pueblo organizado retomar el destino de nuestra patria y arrebatarla de las manos mezquinas del pequeño grupo que mantiene secuestrado el Estado.
Los pueblos del mundo han seguido de cerca el surgimiento de la Resistencia Popular y su consolidación. Ahora estamos en el marco de una nueva demostración de fuerza con la presentación de más de un millón de Declaraciones Soberanas en las que como ciudadanas y ciudadanos desconocemos este gobierno ilegal e ilegitimo e invitamos a la población a convocar a una nueva Asamblea Nacional Constituyente Popular.
La Resistencia Hondureña invita a todos los pueblos del mundo a ser parte de este proyecto refundador y revolucionario, a seguirlo de cerca y a sumarse en lo que será la conmemoración y lucha por la independencia absoluta del pueblo.Les invitamos a visitar nuestra pagina oficial: http://www.resistenciahonduras.net/ para conocer de cerca las distintas actividades que se llevaran a cabo y para que descarguen los diferentes documentos oficiales e informativos para convocar ustedes mismos para esta fecha de resistencia que no solo es nuestra si no de todos los pueblos del mundo en lucha.
El Frente Nacional de Resistencia invita a todas las personas, organizaciones o grupos de compañeros y compañeras que han estado en solidaridad con el pueblo de Honduras a acompañarnos con actividades políticas de presión contra el régimen.Agradecemos de antemano todas las acciones que se llevaran a cabo y les presentamos nuestros contactos para estrechar relaciones y permitir a todo el pueblo hondureño saber que no estamos solos ni solas, que todo el mundo lucha con Honduras en esta trinchera de justicia y dignidad. Un abrazo solidario en Resistencia Compañeras y Compañeros internacionalistas.Comisión Internacional (CI) – Frente Nacional de Resistencia Popularhttps://mail.google.com/mail/h/t9govk0je59y/?v=b&cs=wh&to=ci_coordinacion@resistenciahonduras.net Esta dirección electrónica esta protegida contra spambots. Es necesario activar Javascript para visualizarla Honduras, Centro América

Quintas da Viola com Frei Chico e Paulinho de Carvalho


QUINTAS DA VIOLA

Dia 16 de setembro – FREI CHICO & PAULINHO DE CARVALHO

Jequitibar - Av. Assis Chateaubriand, 577 - Floresta
Sempre a partir das 20 horas - Ingresso: R$10,00
Informações: 3271.6522 - 8893.7806 - 8474.2050
Reservas de mesa – 3271.6522

Frei Franciscus Henricus van der Poel, conhecido popularmente como Frei Chico, é um frade franciscano holandês, que aportou no Brasil em 1967, indo diretamente para Araçuaí/MG, Vale do Jequitinhonha. Lá deu início à sua pesquisa sobre a cultura e a religiosidade do povo, com a colaboração da artesã Lira Marques e vários informantes locais. Junto com Lira, formou o Coral Trovadores do Vale, em 1970, reunindo manifestações culturais, cantos e rezas populares da região. O coral é conhecido em todo o Brasil e até no exterior.
Posteriormente, morando na Colônia Santa Isabel, criou o Coral Tangarás de Santa Isabel, formado por hansenianos, moradores da Colônia.
Frei Chico é Membro Efetivo da Comissão Mineira de Folclore e do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, publicou diversos livros e prepara o lançamento da sua grande obra, o Dicionário da Religiosidade Popular.
Em agosto passado, Frei Chico completou 70 anos e os Trovadores do Vale completaram 40 anos de existência, com a realização de uma grande festa popular em Araçuaí. Este show com Paulinho de Carvalho comemora também os dois aniversários.

Paulinho de Carvalho - nasceu em Betim, MG, e é historiador, professor de artes, canto/coral, músico e cantor. Exímio violeiro fez vários cursos direcionados a alunos com deficiências múltiplas no instituto Benjamin Constant (RJ), técnica vocal e Músico-terapia na Educação Especial pela UFMG.
Paulinho, que tem uma vasta experiência musical, e que é hoje um dos mais respeitados dentro da galeria dos artistas mineiros, betinenses, vem reunindo contos, cantos e composições próprias, dando voz a personagens, evidenciando lugarejos, resgatando a memória e a história da cidade de Betim e nossas Minas Gerais.
Segundo o jornalista e folclorista Carlos Felipe, (...) O artista Paulinho de Carvalho, com simplicidade canta o povo, as coisas e histórias de sua terra, e tal conta com participações de gente de maior nível musical, como: o pesquisador folclorista Frei Chico, os violeiros Pereira da Viola e Chico Lobo, Géter violoncelista, Carlinhos Ferreira percussionista, entre outros. O que impressiona é a unidade temática que o compositor Paulinho consegue dar as suas composições dentro da multiplicidade rítmica, mantendo, entretanto, uma ligação profunda com as coisas da terra (...)1995. O cantador Paulinho de Carvalho canta as vicissitudes humanas, que são universais. Influencias: Elomar Figueira de Melo, Xangai, Vital Farias, Juraildes da Cruz, Dorival Caimy, Saulo Laranjeira, Tom Jobim, Rolando Boldrin, Dércio Marques, Pena Branca e Xavantinho, entre outros.
Fez várias apresentações musicais com Frei Chico, trinando pelos palcos brasileiros em “Contos e Cantorias”, belos encontros, desde 1983. Paulinho apresentou em vários programas de TVs, rádios, teatros, universidades, bares, festas etc.
Tem quatro CDs gravados: “Contos e Cantorias” (1993), CD "Portal dos Sertões" (1995), CD Capela, “Artesanal” (2000) e o CD Projeto "Cururu"(CD 2005) (livro 2008) o CD está encartado junto ao livro Projeto Cururu " Indelével a Nossa História," escrito por ele. Seu repertório inclui composições próprias, musica regional, MPB, canções e causos caipiras, em apresentações onde a viola e violões temperados harmoniosamente, transportam os ouvintes para um universo de arte e de encanto.
"Frei Chico e Paulinho de Carvalho, um show que anima e agrada a qualquer público", informa o promotor cultural Tadeu Martins.

Libertação dos cinco heróis


PELA LIBERTAÇÃO DOS CINCO HERÓIS CUBANOS
- 12 Anos de Injustiça!
-CONVIDAMOS os amigos de Cuba a participar dos Atos de Solidariedade pela Libertação dos Cinco Heróis Cubanos.

14 de setembro/2010
16:00 horas- Entrega de Carta-Manifesto ao Consulado dos EstadosUnidos, dirigida ao Pres. Barack Obama

18:00 horas - Ato de Solidariedade aos Cinco Heróis Cubanos

Local: Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário RJ- SindJustiça-RJ. (Travessa do Paço, 23 ? 13° andar- Castelo)


Convidados Especiais:Kenia Serrano Puig (Presidente do Instituto Cubano de Amistad - ICAP)

Dr. Rodolfo Puentes Ferro (Membro do Comitê Central do PCC)

Magali Llort Ruiz (Deputada e mãe de Fernando)

Isabel de los Angeles Hernández Nordelo ( rmã de Geraldo)

Promoção: Comitê Carioca pela Libertação dos Cinco Cubanos Presos nos EUA

Associação Cultural José Martí-RJ

Associação Nacional de Cubanos

Residentes no Brasil

Apoio: Casa da América Latina SindJustiça-RJ

Participe você também enviando mensagens ao Pres. Barack Obama exigindo justiça para os Cinco:

Twitter de Obama: @BarackObamaCasa Branca: www.whitehouse.gov/

Israel-Palestina


O líder da Autoridade Nacional Palestina, Mahamud Abbas e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, se reuniram hoje no balneário de Sharm el Sheikh, en Egipto. É mais ua tentativa de se chegar a um acordo de paz duradouro entre as partes. Qualquer conclusão teria de incluir a criação do Estado Palestino e o congelamento pelo menos da construção de colônias israelenses em território palestino.O reatamento do diálogo já é um bom começo.(Com a Ria Novosti)

Flávio Anselmo, de Brasília


FESTA CRUZEIRENSE no final de semana só não foi 100% porque o Botafogo também venceu ( 2 a 0, no São Paulo) e manteve-se em terceiro lugar com a mesma pontuação ( 37), mas com melhor saldo de gols- 13 contra 7. Vencer o Avaí em Florianópolis ( 2 a 1, gols de Roger e Thiago Ribeiro) confirmou a fase crescente da equipe que já tá na luta do título brasileiro com as derrotas do Fluminense ( 2 a , para o Atlético-GO) e do Corinthians ( 1 a 0 para o Grêmio).
SUPERAÇÃO
Cuca, de novo, foi bafejado pela sorte. O time ficou sem Marquinhos Paraná aos 8m do segundo tempo, expulso de campo, e superou-se no coletivo. O segundo gol celeste, de Thiago Heleno, a bola bateu na trave, nas costas do goleiro e foi às redes. Em tempos de ventos ruins isso não acontece.
COMBINAÇÃO EXCELENTE
Na combinação de resultados, se faltou a derrota ou empate do Botafogo, aconteceu o empate do Inter com o Goiás (0 a 0) na Beira Rio. O Santos perdeu do Ceará em Fortaleza (2 a 1) e junto com o Inter distanciou-se do quarto lugar ocupado pelos celestes.
ROGER FORA MONTILLO DENTRO
Nesta quarta-feira, o Cruzeiro volta pra casa, sem Roger, Paraná e Jonathan suspensos, mas com Montillo liberado. Ótima notícia porque o argentino, apesar de o time vencer, fez falta nas duas partidas em que ficou de fora.
JOGO NA ARENA
Em que pese as reclamações dos atletas sobre o gramado, a diretoria confirmou que o jogo com o Guarani será na Arena do Jacaré. O Guarani tem surpreendido. Domingo venceu o Atlético Paranaense, em Campinas (1 a 0), e sempre foi indigesto por aqui.
SUOR FRIO
O Galo suou frio pra derrotar o Grêmio Prudente na Arena do Jacaré porque não consegue superar a pressão psicológica da fuga imediata da zona do rebaixamento. Cada jogo tem valor de uma decisão e nem os mais experientes têm conseguido calma suficiente pra entender que o momento do time exige apenas que ele saia da desagradável situação; e isso tá perto de acontecer.

CABEÇA NO LUGAR
O lance do gol da vitória atleticana, marcado por Obina (1 a 0, aos 43m do segundo tempo) bem que poderia servir de base na recuperação da calma pela equipe. O passe milimétrico de Ricardinho que levantou a cabeça e achou Obina na marca do pênalti, a matada no peito do atacante e a virada pra conclusão do lance, demonstram que se todos tivessem a mesma tranqüilidade, o sofrimento teria acabado antes dos 43m minutos. A pressa tem feito os atleticanos tomarem uma sopa pelando de quente.
FUGIR DO BURACO
Apenas depois de fugir do buraco negro, o Galo poderá pensar na busca de posições melhores. Por exemplo: a preocupação agora do Atlético é como derrotar o Atlético Paranaense, na Arena da Baixada, em Curitiba. O time paranaense saiu lá de baixo e encontra-se no bloco intermediário. É um confronto dos mais complicados.
COMO SAIR
Dois pontos atrás do Flamengo e um na frente do Atlético-GO, os meninos de Alexandre Kalil precisam:
a) de vencer o Furacão e somar 24 pontos;
b) que o Santos bata no Atlético-GO, na Vila Belmiro, e
c) que o Grêmio Prudente, que tem 17 pontos, vença o seu visitante Flamengo, que tem 23.
Pronto, uffaa, tarefas cumpridas e Galo fora do buraco negro! Se não der pra agora, paciência minha gente, dará numa das próximas rodadas.
BOM E RUIM
Na ótica do torcedor, o empate ( 1 a 1) do Coelho com o Coritiba, na Arena do Jacaré, foi péssimo resultado. Tratava-se de uma disputa com concorrente direto. O Coxa manteve-se no G-4, com 37 pontos em terceiro, e o Coelho tá fora, em quinto, com 34 pontos.
OBRIGAÇÃO DA VITÓRIA
O técnico Mauro Fernandes entende que o resultado foi normal. Foi não! À razão em que o comandante vê como normal jogar fora dois pontos contra um concorrente direto, em casa, a coisa vai mal. A obrigação do América era vencer.
TIGRE DE PAPEL
Vamos lá. Dizem que quando me meto a vidente tudo acontece ao contrário. Tá bom. Não vejo escapatória para o Tigre do Vale do Aço. Teve nova chance em Salvador ao sair na frente contra o Bahia. Então, como tem acontecido, sofreu o apagão e os baianos viraram pra 3 a 1. Lanterna, com apenas 15 pontos, o Ipatinga precisa de 33 pontos se quiser sair do buraco negro. Como conquistar tudo isso? Dá não.
VIVA CAMILINHO
Camilinho Lélis, outro artista da República Independente, lança a sua nova edição da Jararaca Alegre dia 16, próxima quinta, no Palácio das Artes. Que azar o meu! Estou em Brasília e só retorno na sexta. Mas recomendo aos amigos que compareçam e prestigiem meu conterrâneo. Não faltará motivo para gostosas gargalhadas.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Vamos todos de 21 no dia 3

Jornalista José Carlos Alexandre: apoiando candidatos do PCB à Presidência da República, ao governo do Estado e aos Parlamentos

11 de setembro na AL

A morte de Paulo Alexandre emociona a família

A morte de Paulo Alexandre, aos 63 anos, na madrugada de segunda-feira em um hospital de Belo Horizonte,causou forte comoção entre seus familiares de BH, Nova Lima e Caeté. Principalmente durante o poema-prova de despedida do pai, proferido pelo filho mais velho de Paulo Alexandre, Ricardo Alexandre. Emocionadíssimas também a viúva Marinês e a filha Karina.A outra filha, Isabella, hoje residindo em Portugal, não veio, por estar nos últimos meses de gravidez.O texto de Ricardo, advogado e alto funcionário da PBH, estava disputadíssimo mas foi com o pai para a sepultura, após o velório em Caeté.Há quem cobice solicitar ao Ricardo uma reprodução da peça literária de uma beleza sem igual, superando em muito textos de Graciliano Ramos, Machado de Assis, Fernando Pessoa e Jorge Amado, e outras importantes personalidades da literatura brasileira e portuguesa, por ter saído de um coração geralmente ferido pela perda do pai.

Ivan Pinheiro na Rede TV



Candidato a Presidência da República pelo PCB
Em entrevista na REDE
TV
Rede TV News às 21h.
Dia 14/09/2010 – Terça Feira

domingo, 12 de setembro de 2010

Liberdade para heróis cubanos

(12 de septiembre de 2010, 11:09 Deisy Francis Mexidor/Divulgação)

Os bons estão morrendo


Leio na Folha online a morte de mais um cineasta: o francês Claude Chabrol (foto), um dos muitos mil estrelinhas, na antiga expressão de agrado do cinéfilo Carlos Armando. Chabrol dirigiu mais de 50 filmes durante a carreira e foi um dos fundadores da Nouvelle Vague, ao lado de François Truffaut e Jean-Luc Godard. A nova onda insere-se naquela época de protestos estudantis, operários e intelectuais dos anos 60.Tempo em que a gente se reunia para o chope no Maletta discutindo Sartre, evitando a Coca Cola, "símbolo do imperialismo" (também não existia a Coca light, não é mesmo?) e elogiando Anselmo Duarte com seu O Pagador de Promessas...
Entre seus filmes mais conhecidos de Chabrol estão A Mulher Infiel (1969), O Açougueiro (1970) e Um Assunto de Mulheres (1989).
Seu último filme, Bellamy, com Gerard Depardieu, foi lançado em 2009.

As esquerdas e as eleições


Pelo limite de propriedade


Muita gente tem muito interesse em participar da Campanha Nacional pelo Limite da Propriedade da Terra, mas infelizmente não teve acesso as urnas do plebiscito. Em apoio a campanha e para facilitar a participação, a Rede FALE está divulgando link do abaixo-assinado no formato online.
ATENÇÃO: Se você já assinou o abaixo-assinado impresso, não assine este.Cada pessoa deve assinar apenas uma vez, seja o abaixo-assinado on-line ou impresso.
CLIQUE AQUI PARA ASSINAR
TEXTO DO ABAIXO- ASSINADO
Eu apoio emenda constitucional para inserir inciso V ao artigo 186 da Constituição Federal, estabelecendo que para cumprir a Função Social a Propriedade rural terá limite máximo de 35 módulos fiscais, como forma de garantir a democratização do acesso à terra e a soberania territorial e alimentar.
JUSTIFICAÇÃO
Para garantir efetivamente a função social da propriedade rural como determina a ConstituiçãoFederal em seus artigos V, XXIII e 186, é necessário que se estabeleça um limite de extensão para os imóveis rurais. A realidade é que o Brasil apresenta um dos maiores índices de concentração fundiária do mundo: 1,5% dos 5 milhões de imóveis rurais cadastrados concentra 52% de toda a área , no outro extremo tem-se que 98,50% do total de imóveis cadastrados, detém somente 48%.Diante deste quadro de grave desigualdade, não se pode admitir que imensas propriedades rurais possam pertencer a um único dono, impedindo o acesso democrático à terra que é um bem natural, coletivo, porém limitado. Como os recursos naturais devem estar disponíveis para todos, sob pena de não se respeitar sua função social, não é compatível com a Constituição que uma insignificante minoria tenha em seu poder a grande maioria das melhores terras do país em prejuízo de tantos brasileiros que são forçados a abandonar seu habitat natural. A limitação do tamanho da propriedade rural também se justifica como um estímulo ao aumento da produção de alimentos, da preservação dos recursos naturais, do emprego rural e da fixação do homem no campo, além de impedir ainda maiores ofensas à soberania territorial brasileira. A proposta não ofende nenhum princípio constitucional, pelo contrário, se adeqüa perfeitamente ao que estabelece a Constituição ( art. 3º) quando inclui entre os objetivos da República Brasileira a construção de uma sociedade justa e solidária e a redução das desigualdades sociais. Esta não deve ser uma preocupação apenas dos que vivem do campo, porém uma luta de toda a população em favor da efetividade dos princípios constitucionais e do aprimoramento da democracia em nosso País. Por isso eu apoio a Campanha Nacional pelo limite da propriedade da terra, em 35 módulos fiscais, manifestando a minha vontade como cidadão de que o Congresso Nacional venha a aprovar, sem demora, emenda constitucional que estabeleça esta limitação como avanço imprescindível da sociedade brasileira.
Se você quiser divulgar o abaixo-assinado no Twitter: Twitar clicando aqui
Caio César Sousa Marçal -
Sec. De Mobilização da Rede FALE - LEVANTE A SUA VOZ CONTRA A INJUSTIÇAhttp://redefale.blogspot.com/
Cel: (031) 93086548
Um abraço terno. Gilvander Moreira, frei Carmelita.e-mail: https://mail.google.com/mail/h/s46e39y0p4a2/?v=b&cs=wh&to=gilvander@igrejadocarmo.com.brhttp://www.gilvander.org.br/ www.twitter.com/gilvanderluisskype: gilvander.moreira
(Imagem: Sebastião Salgado/Divulgação)

sábado, 11 de setembro de 2010

O VOTO DE STEDILE

Antonio Julio de Menezes (*)

Pesquiso o movimento de trabalhadores do campo no Brasil há mais de 25 anos. Mais especificamente, pesquiso o MST há mais de 15 anos. Tenho livros, artigos científicos e artigos na imprensa. Porém, mais do que um pesquisador pretensamente "neutro", sou um militante. Defendo o socialismo, a reforma agrária, a educação do campo e as lutas dos trabalhadores do campo e da cidade.
Admiro os lutadores desconhecidos e os conhecidos que a história registra ao longo do tempo. Desconhecidos como aqueles que, hoje, ocupam terras pelo direito ao seu trabalho, à sua cultura e à sua dignidade. E conhecidos como João Pedro Stedile e Plínio de Arruda Sampaio, dentre muitos outros, que passam suas vidas na luta por uma vida mais digna para o povo brasileiro e para o povo do campo. Abrem mão de cargos nos governos, privilégios e outras coisas mais para ficar ao lado das lutas populares.
Assim, é neste clima fraternal e companheiro que quero discordar da posição eleitoral do João Pedro Stedile, manifestada em diversos debates e edição do Brasil de Fato de 17/08/2010. Depois de criticar Serra, posição consensual na esquerda, ele diz: "E temos três candidaturas de partidos de esquerda, com companheiros de biografia respeitada de compromisso com o povo, mas que não conseguiram aglutinar forças sociais ao seu redor, e por isso o peso eleitoral será pequeno. Nesse cenário, nós achamos que a vitória da Dilma permitirá um cenário e correlação de forças mais favoráveis a avançarmos em conquistas sociais, inclusive em mudanças na política agrícola e agrária".
Pergunto: como as três candidaturas de esquerda aglutinariam força e cresceriam se uma das principais lideranças, de um dos principais movimentos sociais do Brasil, já declara, sem nenhum empenho por estas candidaturas, que elas não decolam e vai direto pedir voto na Dilma? Não deveríamos nos empenhar para que estas candidaturas aglutinassem forças e tivessem maior peso eleitoral em vez de sairmos dizendo, sem discussão ou empenho por estas candidaturas, que elas não decolam? Mesmo que não ganhássemos, se os candidatos de esquerda conseguissem um peso eleitoral maior, não teríamos mais forças para o enfrentamento com o capital e o agronegócio?
Em segundo lugar, o seguinte: qual é este cenário favorável em que a vitória de Dilma permitirá uma correlação de forças favorável para a mudança na política agrícola e agrária? Se nos oito anos de governo Lula esta mudança não aconteceu, qual o "milagre" que faria com que a vitória de Dilma propiciasse tais mudanças? Aliás, na entrevista, Stedile diz que "nós achamos". Nós, no caso, seria o MST? Creio que não foi esta a decisão do Movimento Sem Terra.
Por fim, analiso que o voto em Plínio, no Ivan Pinheiro ou no Zé Maria, comprometidos com as lutas dos trabalhadores, seria uma forma de aglutinar votos para a fragmentada esquerda brasileira. Não venceremos, mas podemos ter uma inserção maior nas lutas se demonstrarmos alguma força e unidade. Mas, para tanto, precisamos apoiar candidatos de esquerda, e não ficar defendendo voto útil que, na maior parte das vezes, se torna inútil. Aliás, útil para quem?
E aí, Stedile, o MST joga um papel fundamental para ajudar a reaglutinar as forças capazes de combater o capital e o agronegócio, pois possui o reconhecimento da esquerda brasileira.

(*) Antonio Julio de Menezes Neto é cientista social, doutor em educação e professor na UFMG.
(Imagem: José Carlos Alexandre)
Blog: http://antoniojuliomenezes.zip.net/

Memória eterna


"A memória dos que tombaram nos atos de terror de 11 de setembro de 2001 ficará para sempre nos corações dos americanos". O presidente dos EUA Barack Obama fez esta declaração ao discursar junto do monumento às vítimas de atos de terror, em Arlington, no território do Ministério da Defesa.
“Os executores deste ato horroroso atacaram não somente a América – atacaram a própria idéia americana, aquilo que nós defendemos e representamos neste mundo”, - disse o presidente.
No seu discurso Obama abordou o tema de relacionamento com o mundo muçulmano. “Os EUA jamais travaram e jamais irão travar guerra contra o islã”, - declarou ele.
(Imagem: Al Jazeera English)

Uma visão caricata


Cubana bombando em Veneza


"A cubana Yahima Torrès, 30, cujo nome não está sequer creditado no Internet Movie Data Base, principal banco de dados de cinema do mundo, magnetizou os flashes após ser vista em "Vênus Noire" (vênus negra), de Abdellatif Kechiche", conta a Folha de S.Paulo. A moça, devidamente acompanhada do namorado, não está tendo sossego nem para almoçar nos restaurantes locais. Tem sempre algum fotógrafo à espreita...

Avaliando a TV brasileira



60 anos da TV brasileira



“Está no ar a TV no Brasil”, anunciava Sônia Maria Dorce, na época com 5 anos, na primeira transmissão da TV Tupi em setembro de 1950. Nascia um novo meio de comunicação, hoje presente em 96% dos lares brasileiros. Nesta quarta (15), o Comentário Geral comemora a data e relembra os programas que ficaram na memória do público e os que fazem sucesso atualmente.
O ator e apresentador Sérgio Britto lembra os primórdios da TV e da teledramaturgia. Já a atriz Sônia Braga revela como as telenovelas Gabriela e Dancin’ Days influenciaram sua carreira aqui e no exterior. A presidente do Museu da Imagem e do Som, Rosa Maria Araújo, fala dos primeiros aparelhos de televisão que, devido às suas dimensões, pareciam um móvel da casa.
O programa também levanta uma questão: TV emburrece? O diretor da Fundação Biblioteca Nacional, Muniz Sodré, analisa o o papel da TV como meio de comunicação. Outro convidado para responder a essa pergunta é o músico da banda Pato Fu, John Ulhoa, autor da canção Televisão de Cachorro.
Ainda na pauta, a programação infantil. A educadora Regina de Assis e ex-presidente da Multirio comenta a influência da publicidade e do merchandising nas crianças e fala da legislação existente nos outros países para esta área. Diléa Frate, diretora do TV PiÁ exibido pela TV Brasil, explica como é o programa feito por crianças para crianças e a evolução dessa programação no Brasil.
Para finalizar, o futuro da televisão e as principais mudanças trazidas pela TV Digital são os temas do jornalista e diretor de televisão, Nelson Hoineff.
Apresentação Luiza Sarmento e Renato Góes
Direção Lilian Mary Vidal
Horário: Quartas, às 19h30

Sobre as negociações de paz



Na Casa Branca, um jantar abriu as negociações diretas e bilaterais com Israel. É a representação de um teatro que já assistimos, que guarda profunda semelhança quando em 13 de setembro de 1993, se abriu o portão do jardim da Casa Branca, com outros atores e comparsas, para a assinatura dos acordos de Oslo.Acordo que foi um verdadeiro desastre para o povo palestino, para a luta pela sua terra, para sua dignidade como seres humanos e representou uma tragédia para a luta pelos direitos nacionais e em defesa dos lugares sagrados do povo palestino.A Frente Popular para a Libertação da Palestina, reafirmou neste dia o seguinte:
Rejeitamos e condenamos essas negociações e a participação nelas porque estão sendo mantidas nas condições cujas referências são os objetivos israelense-americanos, contra as resoluções aprovadas pelas organizações palestinas legítimas e a Liga dos Estados Árabes. Além disso, estas negociações são um retrocesso para a legitimidade internacional no marco das atuações, da autoridade competente e das resoluções internacionais.

A FPLP reafirma seu compromisso com a OLP como uma entidade aglutinadora, como representante político legítimo e único do nosso povo, é uma conquista nacional de nossa revolução e da luta do nosso povo. Não permitiremos que programa nacional, cujo centro está resumido no direito de retorno, à autodeterminação e ao Estado independente com Jerusalém como sua capital, seja tocado. Seguiremos lutando seriamente e com firmeza para recompor a Casa Palestina com base na democracia, e proteger a OLP e seu caráter unificador e democrático, conforme os pressupostos da Carta Nacional de Concórdia e Independência e na Declaração de Cairo.

A FPLP reafirma os direitos nacional inalienáveis do nosso povo: como o direito à resistência até o fim da ocupação e sua políticas de assentamento de colônia; a libertação de nossos prisioneiros; a independência e o retorno dos refugiados. Além disso, a FPLP adverte para os perigos e os objetivos suspeitos dos ataques dos aparatos de segurança da ANP e sobre seus métodos de agressão à democracia, à lei e às regras e costumes nacionais do povo palestino, assim como suas contínuas e selvagem violações das liberdades e ataques : à liberdade de expressão, à cultura de um sistema pluripartidário e ao respeito pela opinião dos outros. Esses são métodos entranhos ao cenário palestino.

Estas negociações são como um jogo de azar, onde se joga com os sacrifícios do nosso povo, seus mártires, seus feridos, seus prisioneiros... Significa enormes perigos ao ignorar os assentamentos, a divisão interna e o desmembramento de nossa unidade política e geográfica, da nossa gente, de nosso país e dos nossos direitos. Além disso, é uma punhalada em questões vitais como a segurança nacional e árabe e nas ações de solidariedade internacional, por trás estão os interesses individualistas e políticos que sobrevivem das promessas americanas, ao renderem-se a teoria da Anwar El Sadat que dizia que 99% dos papéis estão nas mãos dos yanques, correm atrás do 1% de ilusão, pura especulação e falsas expectativas, fato que acabará abrindo no cenário interno uma disputa interna, levando a nossa causa para o desconhecido, para a tutela e para a perdição.
Ao nosso povo e à nação árabe e às pessoas livres
de todo o mundo:Estamos, no dia de hoje, renovando o chamamento a todos vocês para convocar o mais amplo espectro de forças para o mais amplo encontro político, popular e nacional, a fim de frustrar os planos e as condições americano-israelense e proteger a opção de resistência, da unidade e da firmeza como a opção democrática e patriótica do nosso povo e nossa nação, como meio para liberar a terra, recuperar os direitos usurpados e alcançar a liberdade, a independência e o retorno à pátria Palestina. Glória eterna aos nossos mártires.Liberdade para nossos presos.Fim da ocupação.
VITÓRIA para nosso povo.
Frente Popular para a Libertação da Palestina.
2010/09/03 08:13:18 / Fonte: Rebellion - Espanha
Palestina livre!
Viva a Intifada! Resitência até a vitória!
Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino
"Um beduíno sozinho não vence a imensidão do deserto, é preciso ir em caravana"
http://www.vivapalestina.com.br/
http://www.palestinalivre.org/

Um dia em louvor à paz


11 de Septiembre: Un día sin guerra

Democracy Now!

El noveno aniversario de los ataques del 11 de septiembre en Estados Unidos debería ser un momento para reflexionar sobre la tolerancia. Debería ser un día de paz. Sin embargo, el fervor antimusulmán que existe aquí, sumado a la continuada ocupación militar estadounidense de Iraq y a la escalada de la guerra en Afganistán (y Pakistán), todo unido, alimenta la idea de que, de hecho, Estados Unidos está en guerra con el Islam.
El 11 de septiembre de 2001 unió al mundo contra el terrorismo. Todo el mundo, al parecer, estaba con Estados Unidos, en solidaridad con las víctimas, con las familias que perdieron seres queridos. Ese día será recordado por las generaciones futuras como el día que se llevó a cabo el infame acto de asesinato masivo coordinado más resonante de principios del siglo XXI. Pero ese no fue el primer 11 de septiembre asociado con el terror:
El 11 de septiembre de 1973, en Chile, el presidente legítimo Salvador Allende muere en el marco de un golpe militar apoyado por la CIA que marcó el comienzo de un régimen de terror comandado por el dictador Augusto Pinochet y durante el cual fueron asesinados miles de chilenos.
El 11 de septiembre de 1977, en Sudáfrica, el líder contra el apartheid Stephen Biko fue golpeado dentro de una camioneta de la policía. Murió al día siguiente.
El 11 de septiembre de 1990, en Guatemala, la antropóloga guatemalteca Myrna Mack fue asesinada por militares que contaban con el apoyo de Estados Unidos.
Del 9 al 13 de septiembre de 1971, en Nueva York, se produjo un levantamiento en la cárcel de Attica, durante el cual la policía del estado de Nueva York asesinó a treinta y nueve prisioneros y guardias e hirió a otros cientos.
El 11 de septiembre de 1988, en Haití, milicias de derecha llevan a cabo un ataque durante una misa celebrada por el padre Jean-Bertrand Aristide en la parroquia de San Juan Bosco de Puerto Príncipe en el que asesinaron al menos a trece fieles e hirieron al menos a otras setenta y siete personas. Más tarde, Aristide sería elegido presidente dos veces y dos veces derrocado por golpes de Estado apoyados por Estados Unidos.
Si hay algo que es el 11 de septiembre, es un día para recordar a las víctimas del terror, a todas las víctimas del terror, y para trabajar por la paz, como hace el grupo “Familias del 11 de Septiembre por un Mañana de Paz”. Formado por personas que perdieron seres queridos el 11 de septiembre de 2001 en el ataque a las Torres Gemelas, su misión podría servir como un llamado nacional a la acción. En su página web escriben: “Transformar nuestro dolor en acciones por la paz es nuestro objetivo. Al desarrollar y abogar por opciones y acciones no violentas en nuestra búsqueda de justicia, esperamos romper los ciclos de violencia engendrados por la guerra y el terrorismo. Reconociendo nuestra experiencia común con todas aquellas personas afectadas por la violencia a lo largo y ancho del planeta, trabajamos para crear un mundo más seguro y con más paz para todas las personas”.
El estudio de “Democracy Now!” estaba ubicado a pocas cuadras de las Torres Gemelas. Estábamos transmitiendo en vivo cuando cayeron. Durante los días siguientes, miles de folletos con las fotos de los desparecidos volaban por todas partes, con los números de teléfonos de los familiares para llamar si se reconocía a alguien. Me recordaban a los carteles que llevaban las Madres de Plaza de Mayo en Argentina, esas mujeres con pañuelos blancos en la cabeza que marcharon valientemente semana tras semana portando fotos de sus hijos desaparecidos durante la dictadura militar que vivió ese país en los años 70.
También recuerdo la constante corriente de fotos de jóvenes del ejército asesinados en Iraq y en Afganistán y ahora, cada vez más frecuentemente (aunque aparecen menos en las noticias), las fotos de quienes se suicidan tras haber sido varias veces convocados a combate.
Por cada víctima de Estados Unidos o de la OTAN hay, literalmente, cientos de víctimas en Iraq y Afganistán cuyas fotos nunca se van a mostrar y cuyos nombres nunca vamos a conocer.
Mientras una multitud descontrolada y furiosa intenta impedir la construcción de un centro comunitario islámico en el bajo Manhattan (en un edificio vacío, ignorado durante años y dañado, a más de dos cuadras de la zona cero), un “ministro” evangélico de Florida está organizando para el 11 de septiembre el “Día Internacional de Quema del Corán.” El General David Petraeus afirmó que la quema, que ha suscitado protestas en todo el planeta, “podría poner en peligro a las tropas”. Y está en lo cierto. Así como también pone en peligro a las tropas el bombardear a civiles inocentes y sus hogares.
Al igual que Vietnam en los años 60, Afganistán tiene una decidida resistencia armada local, entregada a su causa, y un profundamente corrupto grupo en Kabul enmascarado como gobierno central. La guerra está ensangrentando al vecino país, Pakistán, igual que la Guerra de Vietnam se esparció a Camboya y Laos.
Poco después del 11 de septiembre de 2001, mientras miles de personas estaban reunidas en los parques de la ciudad de Nueva York y mantenían vigilias improvisadas a la luz de las velas, un autoadhesivo apareció en carteles, pancartas y bancos de plaza. En él se leía: “Nuestro dolor no es un grito de guerra”.
Este 11 de septiembre el mensaje sigue siendo —dolorosa y lamentablemente—oportuno.
Hagamos del 11 de septiembre un día sin guerra.
Traducido por Fernanda Gerpe y Democracy Now! en español

Denis Moynihan colaboró en la producción periodística de esta columna.
Fuente: http://www.democracynow.org/es/blog/2010/9/9/11_de_septiembre_un_da_sin_guerra
--

Puxa Prosa


Acontecerá no dia 23/09/2010 de 14h às 16h o evento" Puxa Prosa" com a escritora Regina Rennó, sobre a arte de contar histórias por imagens nos livros sem texto verbal. A escritora já publicou mais de 20 livros, dentre eles "História de amor" (editora Lê)
Local: Escola Municipal Carlos Lacerda - Rua Princesa Leopoldina, nº 490, Bairro Ipiranga. Tel.: 3277-6056. Ônibus 8103

11 de setembro

(Bob Englehart/Telesur/Divulgação)

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Arte para os peixes


Um exército de figuras humanas vai deixar a praia em Cancún, no México, para ser submerso. As esculturas de Jason DeCaires Taylor vão ajudar na recuperação das barreiras de corais. Um exército de figuras humanas vai deixar a praia em Cancún, no México, para ser submerso. As esculturas de Jason DeCaires Taylor vão ajudar na recuperação das barreiras de corais. (Com a BBC)

Em torno da saúde materna



Milhões de mulheres e crianças podem ser salvas da morte durante a gestação e o parto, se os líderes mundiais, que estão prestes a se reunir em Nova York, cumprirem as suas promessas e intensificarem seu compromisso com a saúde materna. Vamos demandar ações imediatas!
Milhões de mulheres grávidas e crianças morrem todo ano por desnutrição ou serviços de saúde inadequados. É chocante, mas se nossos governos cumprirem suas promessas de assistência a mulheres e crianças na cúpula sobre a pobreza este mês, poderemos evitar isto. Dez anos atrás, líderes mundiais se comprometeram a reduzir drasticamente o vergonhoso número de mortes maternas até 2015, mas na verdade os recursos destinados à assistência continuam muito baixos. Alguns governos até querem fortalecer a assistência para mães e bebês, mas precisam de apoio popular para convencer todos os governos a aderirem. Em poucos dias, governantes irão se encontra em Nova York. Vamos gerar um clamor global contra essas mortes desnecessárias. Assine a petição abaixo pedindo a duplicação da assistência para mães e crianças – ela será entregue aos principais líderes governamentais na cúpula em Nova York: https://secure.avaaz.org/po/save_children_and_mothers/?cl=740399667&v=7125

Contra o trabalho infantil



El flagelo del trabajo infantil en Panamá afecta en la actualidad a unos 90 mil menores, en un escenario que refleja hoy las dificultades para cumplir con el propósito de eliminar el problema, informaron fuentes oficiales. Según directivos de la Secretaría Nacional de Niñez, Adolescencia y Familia (SENNIAF), en el país aun están presentes las peores formas de esa actividad.

Para Gloria Lozano, directora de esa institución, entre ellas se mencionan la explotación sexual comercial, con 169 casos denunciados desde el 2009 a la fecha.Unido a ello se incluyen las labores en los sectores de la agricultura y la pesca, el trabajo doméstico y la economía informal, entre otras.

Las autoridades realizan operativos de forma periódica para detectar las violaciones a las normas establecidas, ya sea en las ciudades o en el campo durante las temporadas de cosecha.El problema se agudiza en el periodo de vacaciones escolares y el fin de año, pues muchos menores se suman al mercado laboral ya sea para acompañar a sus padres o bien en busca de ingresos adicionales en sus hogares.

Bajo esas condiciones, la pobreza es mencionada también como un obstáculo en el camino hacia la erradicación del trabajo infantil según los Objetivos del Milenio.En ese programa la meta apunta a eliminar las peores formas hacia el 2015 y de forma total cinco años después de esa fecha.(Com a Prensa Latina)

VINTE ANOS SEM O CAVALEIRO DA ESPERANÇA


Anita L. Prestes


Luiz Carlos Prestes, o Cavaleiro da Esperança, faleceu em 7 de março de 1990, aos 92 anos de idade. Desde muito jovem, Prestes revelou indignação com as injustiças sociais e a miséria de nosso povo, mostrando-se preocupado com a busca de soluções efetivas para a situação deplorável em que se encontrava a população brasileira, principalmente os trabalhadores do campo, com os quais tivera contato durante a Marcha da Coluna (1924-27), que ficaria conhecida como a Coluna Prestes. Muito antes de tornar-se comunista, Prestes já era um revolucionário. Sua adesão aos ideais comunistas e ao movimento comunista apenas veio comprovar e confirmar sua vocação revolucionária, seu compromisso definitivo com a luta pela emancipação econômica, social e política do povo brasileiro.

Como revolucionário Prestes foi um patriota - um homem que dedicou toda sua vida à luta por um Brasil melhor, por um Brasil onde não mais existissem a fome, a miséria, o analfabetismo, as doenças, a terrível mortalidade infantil e as demais chagas que sabidamente continuam ainda hoje a infelicitar nosso país.
A descoberta da teoria marxista e a consequente adesão ao comunismo representaram, para Prestes, o encontro com uma perspectiva, que lhe pareceu factível, de realização dos anseios revolucionários por ele até então alimentados, principalmente durante a Marcha da Coluna.

A luta à qual resolvera dedicar sua vida encontrava, dessa forma, um embasamento teórico e um instrumento para ser levada adiante - o Partido Comunista. O Cavaleiro da Esperança, uma vez convencido da justeza dos novos ideais que abraçara, tornava-se também um comunista convicto e disposto a enfrentar toda sorte de sacrifícios na luta pelos objetivos traçados.
No processo de aproximação ao PCB, Prestes rompeu de público com seus antigos companheiros - os jovens militares rebeldes conhecidos como os “tenentes” -, posicionando-se abertamente a favor do programa da “revolução agrária e antiimperialista” defendido pelos comunistas brasileiros.

Seu Manifesto de Maio de 1930 consagra o início de uma nova fase na vida do Cavaleiro da Esperança. A partir daquele momento, Prestes deixava definitivamente para trás os antigos compromissos com o liberalismo dos “tenentes” e enveredava pela via da luta pelos ideais comunistas que passariam a nortear toda sua vida.
Pela primeira vez na história do Brasil, uma liderança de grande projeção nacional, a personalidade de maior destaque no movimento tenentista, - na qual apostavam suas cartas as elites oligárquicas oposicionistas, na expectativa de que o Cavaleiro da Esperança pusesse seu cabedal político a serviço dos seus objetivos, aceitando participar do poder para melhor servi-las -, recusa tal poder, rompendo com os políticos das classes dominantes para juntar-se aos explorados e oprimidos, para colocar-se do lado oposto da grande trincheira aberta pelo conflito entre as classes dominantes e as dominadas, entre exploradores e explorados.

Prestes tomava o partido dos oprimidos, abandonando as hostes das elites comprometidas com os donos do poder, não vacilando jamais diante dos grandes sacrifícios que tal opção lhe acarretaria.
Tratava-se de um fato inédito, jamais visto no Brasil. Luiz Carlos Prestes, capitão do Exército, que se tornara general da Coluna Invicta, que fora reconhecido como liderança máxima das forças oposicionistas ao esquema de poder vigente no Brasil até 1930, talhado, portanto, para transformar-se no líder da “revolução” das elites oligárquicas, numa liderança política confiável dessas elites, usava seu prestígio para indicar ao povo brasileiro um outro caminho – o caminho da luta pela reforma agrária radical e pela emancipação nacional do domínio imperialista, o caminho da revolução social e da luta pelo socialismo.
Como foi sempre coerente consigo mesmo e com os ideais revolucionários a que dedicou sua vida, sem jamais se dobrar diante de interesses menores ou de caráter pessoal, Prestes despertou o ódio dos donos do poder, que se esforçariam por criar uma História Oficial deturpadora tanto de sua trajetória política quanto da história brasileira contemporânea.
Mesmo após seu falecimento, Prestes continua a incomodar os donos do poder, o que se verifica pelo fato de sua vida e suas atitudes não deixarem de serem atacadas e/ou deturpadas, com insistência aparentemente surpreendente, uma vez que se trata de uma liderança do passado, que não mais está disputando qualquer espaço político.

Num país em que praticamente inexiste uma memória histórica, em que os donos do poder sempre tiveram força suficiente para impedir que essa memória histórica fosse cultivada, presenciamos um esforço sutil, mas constante, desenvolvido através de modernos e possantes meios de comunicação, de dificultar às novas gerações o conhecimento da vida e da luta de homens como Luiz Carlos Prestes, cujo passado pode servir de exemplo para os jovens de hoje.
Luiz Carlos Prestes dedicou 70 anos de sua vida à luta por um futuro de justiça social e liberdade para o povo brasileiro. O legado revolucionário de Luiz Carlos Prestes deve ser preservado e desenvolvido pelas novas gerações de brasileiros e de latino-americanos. Esta a razão por que hoje, no âmbito das comemorações do 90° aniversário da UFRJ, assinalamos a passagem de vinte anos do desaparecimento do Cavaleiro da Esperança homenageando sua memória.

Vinte anos sem Prestes


UFRJ promove
Seminário e Exposição
Prestes - 20 anos sem o Cavaleiro da Esperança
Campus Praia Vermelha
Programação: 13/09 – 2ª feira
14:30h - Abertura
Conferência de Abertura “Luiz Carlos Prestes: 70 anos de história do Brasil” – Profª. Anita Leocádia Prestes
Integrantes da mesa: Decano do CFCH, Professor Marcelo Macedo Castro e o Reitor da UFRJ, Professor Aloísio Teixeira
Local: Auditório Manoel Maurício/CFCH
***
16:00h - Exposição, livro, curtas e entrevistas
Abertura da Exposição “20 anos sem o Cavaleiro daEsperança”, que permanecerá no hall do Fórum de Ciência e Cultura - FCC até 17/09):
Lançamento do livro “Os comunistas brasileiros (1945-1956/58): Luiz Carlos Prestes e a política do PCB”; da Profª. Anita L. Prestes
Exibição dos “banners” e projeção de curtas e entrevistas
Local: Hall do Fórum de Ciência e Cultura
***
18h – Show: Monarco da Portela
Local: Teatro de Arena
Campus Praia Vermelha
Programação: 14/09 – 3ª feira
10h - Mesa de Debate
“20 anos sem o Cavaleiro da Esperança” - Integrantes: José Paulo Netto, Lincoln de Abreu Penna e José Jonas Duarte da Costa
Local: Auditório Manoel Maurício/ CFCH
***

Liberdade para heróis cubanos

Uma organização neozelandesa exortou hoje ao presidente Barack Obama a que demonstre seu compromisso com os direitos humanos e o direito internacional, mediante a libertação dos cinco antiterroristas cubanos presos nos Estados Unidos desde 1998.

Vamos de 21 no dia 3

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O traço demolidor de Tomy











Este espaço sempre se valeu do humor demolidor de Tomy, ou Tommy, ou ainda Tomás Rodriguez Zayas, o verdadeiro nome do premiadíssimo jornalista cubano. Tomy morreu na última terça-feira em Cuba, vítima de problemas cardíacos, como se pode ler no texto publicado abaixo.O humor internacional sofreu uma grande perda. Junto com o Granma, publicanos alguns de seus trabalhos mais marcantes.

Morre Tomy aos 61 anos

Hasta la victoria siempre Tomy/Rebelión/Divulgação


Los trazos de Tomy se despiden

Amelia Duarte de la Rosa

La caricatura cubana está de luto. Ayer (dia 7) perdió a uno de sus grandes, Tomás Rodríguez Zayas, uno de los más relevantes humoristas gráficos. Tomy, nombre artístico que lo identificaba, falleció en esta capital a los 61 años, víctima de una afección cardiovascular.
Merecedor del Premio Nacional de Periodismo Juan Gualberto Gómez y de la Distinción Félix Elmuza, Tomy trabajó como dibujante humorístico en nuestro diario (Granma).
Natural de Barajagua, Holguín, y agrónomo de formación, desde el año 1968 dedicó su talento a la prensa. Incontables fueron sus colaboraciones en revistas y periódicos nacionales e internacionales. Miembro de la Unión de Periodistas de Cuba y de la Unión Nacional de Escritores y Artistas de Cuba, Tomy —que también se desempeñó como presidente de la Asociación de Humoristas de Cuba y director artístico del suplemento dedeté, del periódico Juventud Rebelde— participó en varios salones de humorismo y realizó numerosas exposiciones personales en Cuba, Angola, Nicaragua, Costa Rica, Corea, México, Francia, Colombia, Brasil, Turquía, Venezuela y otros.
Sus caricaturas, que mucho hicieron reír y reflexionar, quedan ya como patrimonio de la gráfica humorística. La prensa cubana atesora una obra reconocida y altamente estimada en la figura de Tomy, rostro que aunque ya no lo veremos al caminar por nuestras redacciones, recordaremos siempre.
En horas de la mañana de este martes, su cadáver será expuesto en la funeraria de Calzada y K, antes de trasladarlo hacia Barajagua, Holguín, donde será sepultado.(Com o Granma)

Ivan Lança livro



BRASIL: CANDIDATO PRESIDENCIAL LANÇA LIVRO


Ivan Pinheiro, candidato à Presidência da República do Brasil, lança o seu livro Um olhar comunista, dia 8 de Setembro, às 18 horas. O evento será realizado no auditório da Associação Brasileira de Imprensa (Rua Araújo Porto Alegre, 71 - 7º andar - Centro do Rio de Janeiro). A entrada é livre.

Nas eleições presidenciais brasileiras de 3 de Outubro próximo os media corporativos só enfatizam os candidatos do sistema (Serra & Dilma), comprometidos com as classes dominantes. A candidatura do secretário-geral do PCB, uma dos mais combativas, defende a ruptura com a política neoliberal imposta ao povo brasileiro pelo actual governo do sr. Lula e o do seu antecessor F.H. Cardoso.

Greve geral na Índia


Unos 100 millones de trabajadores se sumaron hoy (por ayer) a la huelga general de 24 horas convocada por ocho centrales sindicales de la India para protestar contra la subida de los precios, del costo de vida y las privatizaciones.
Ocho sindicatos de la India convocaron una huelga general para protestar contra la incapacidad de las autoridades del país para hacer frente a la inflación.
Debido al hecho de que la mayoría de los sindicatos simpatizan con el Partido Comunista de la India, la protesta, que tiene carácter nacional, fue especialmente bien acogida en los estados de Kerala y Bengala Occidental, gobernados por comunistas.
La inflación, principal razón de la huelga en la India, se ha disparado a niveles muy altos, impulsada por el aumento de los precios del combustible y los alimentos.
La huelga afectó al tráfico aéreo en la ciudad de Calcuta, la capital del estado de Bengala Occidental. Además fueron cerradas tiendas, oficinas e instituciones estatales en todo el territorio de la región. La misma situación se puede ver en el estado de Kerala.
Fuente: http://www.argenpress.info/2010/09/india-una-huelga-contra-la-carestia-de.html
(Com a Argenpress/Divulgação)

terça-feira, 7 de setembro de 2010

ELEIÇÕES 2010


Quintas da Viola

09 de setembro – Quinta-feira - FERNANDO VIOLA &
RAIMUNDO MENDES

Jequitibar - Av. Assis Chateaubriand, 577 - Floresta
Sempre às 20 horas - Ingresso: R$10,00
Informações: 3271.6522 - 8893.7806 - 8474-2050
Reservas de mesa – 3271.6522

FERNANDO VIOLA & RAIMUNDO MENDES
Fernando Viola

Nascido em Garcias-MG, foi criado ouvindo modas de viola, coisa comum, no meio rural. A música sempre esteve presente em sua vida. Já tocou trumpete em banda de música, violão e guitarra em uma banda de rock, mas foi em maio de 1998, que decidiu aprender tocar viola caipira, influenciado pela novela O Rei do Gado, que valorizava muito, a música caipira.
Desde então a Viola tornou-se parte de sua vida. Fernando Viola que era radialista, tornou-se então Professor de Viola Caipira, e atualmente dedica-se exclusivamente à música.
Integrante da Orquestra Minas & Viola, Fernando Viola apresenta-se ao lado de Raimundo Mendes todas as sextas-feiras no Bar do Balaio (Avenida Santa Terezinha, 810), que dedica este espaço, a autentica música caipira.

Raimundo Mendes

Nascido em Brasilia de Minas, é o atual coordenador da orquestra Minas & Viola.
Já integrou várias duplas e trios, e atualmente trabalha com produção musical em estúdios. Cantador renomado entre os violeiros de Belo Horizonte, Raimundo Mendes também exerce na Orquestra Minas & Viola, as funções de contrabaixista e violonista.

(Imagem:José Carlos Alexandre

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Vinte anos sem Prestes

Veja mais sobre Prestes:

José Carlos Alexandre News: VIVA PRESTES!

Posição sem sofismas

José Carlos Alexandre (*)

Uma lição a que devemos sempre levar em conta, apesar de os tempos não serem perfeitamente os mesmos: a de Lênin em seu livro “Sobre os Sindicatos”, no item “A classe operária como combatente de vanguarda pela democracia”, página 99, da obra lançada pela Editorial Vitória: “Todo secretário de trade-união (sindicato) sustenta e ajuda a sustentar ‘ a luta econômica contra os patrões e o governo’.
“Nunca será demais insistir em que isto anda não é social-democratismo, que o ideal do social-democrata não deve ser o secretário de trade-união, e sim o tribuno popular que sabe reagir contra toda manifestação de arbitrariedade e de opressão, onde quer que ocorra e qualquer que seja a classe ou camada afetada: que sabe sintetizar todos esses fatos para traçar um quadro de conjunto da brutalidade policial e da exploração capitalista; sabe aproveitar o menor detalhe para expor diante de todos suas convicções socialistas e suas reivindicações democráticas, para explicar a todos e a cada um a importância histórico-mundial da luta emancipadora do proletariado”.
Nós, em todas as oportunidades, devemos, até por obrigação moral, gritarmos contra todas as injustiças, deixando claro que o fazemos em nome da Velha Guarda Vermelha do Partido Comunista Brasileiro, expressão que não deve ser confundida como um departamento estanque do PCB, ou com um episódio da revolução chinesa mas como membros praticamente históricos do Partido, como sobreviventes da ditadura militar, como sindicalistas, lideranças comunitárias, defensores dos direitos humanos.

(*) Colaboração para o manifesto aos trabalhadores a ser lançado pela Velha Guarda Vermelha do Partido Comunista Brasileiro), em 4 de setembro de 2010

Mausoleu de Lênin


El jefe del Gobierno ruso, Vladímir Putin, declaró hoy que el pueblo de Rusia ya resolverá la cuestión de la inhumación de Lenin cuando llegue su tiempo.
"El pueblo de Rusia ya sabrá cómo actuar. Cada cosa a su tiempo", expresó Putin durante la reunión que celebró hoy con los participantes en el Club Internacional de Debates Valdái.
La historia es algo que no admite precipitación, agregó.
El Club Valdái fue instituido en 2004 por RIA Novosti en cooperación con el Consejo para la Política Exterior y de Defensa, el periódico The Moscow News y las revistas Rusia en la política global y Russia Profile.
El foro agrupa a unos 300 ex estadistas, politólogos, letrados, escritores y periodistas de unos 15 países.(Ria-Nóvosti)

Lançamento na ABI


Nesta quarta-feira, 08 de setembro de 2010, às 18 hs, na ABI (Associação Brasileira de Imprensa), no Rio Janeiro, será realizado o lançamento do livro "Um Olhar Comunista", de Ivan Pinheiro, candidato do PCB à Presidência da República.

Odeio os indiferentes

Antonio Gramsci
1 de Fevereiro de 1917

Odeio os indiferentes. Como Friederich Hebbel acredito que "viver significa tomar partido". Não podem existir os apenas homens, estranhos à cidade. Quem verdadeiramente vive não pode deixar de ser cidadão, e partidário. Indiferença é abulia, parasitismo, covardia, não é vida. Por isso odeio os indiferentes.
A indiferença é o peso morto da história. É a bala de chumbo para o inovador, é a matéria inerte em que se afogam frequentemente os entusiasmos mais esplendorosos, é o fosso que circunda a velha cidade e a defende melhor do que as mais sólidas muralhas, melhor do que o peito dos seus guerreiros, porque engole nos seus sorvedouros de lama os assaltantes, os dizima e desencoraja e às vezes, os leva a desistir de gesta heróica.
A indiferença atua poderosamente na história. Atua passivamente,mas atua. É a fatalidade; e aquilo com que não se pode contar; é aquilo que confunde os programas, que destrói os planos mesmo os mais bem construídos; é a matéria bruta que se revolta contra a inteligência e a sufoca.
O que acontece, o mal que se abate sobre todos, o possível bem que um ato heróico (de valor universal) pode gerar, não se fica a dever tanto à iniciativa dos poucos que atuam quanto à indiferença, ao absentismo dos outros que são muitos.
O que acontece, não acontece tanto porque alguns querem que aconteça quanto porque a massa dos homens abdica da sua vontade, deixa fazer, deixa enrolar os nós que, depois, só a espada pode desfazer, deixa promulgar leis que depois só a revolta fará anular, deixa subir ao poder homens que, depois, só uma sublevação poderá derrubar.
A fatalidade, que parece dominar a história, não é mais do que a aparência ilusória desta indiferença, deste absentismo. Há fatos que amadurecem na sombra, porque poucas mãos, sem qualquer controle a vigiá-las, tecem a teia da vida coletiva, e a massa não sabe, porque não se preocupa com isso.
Os destinos de uma época são manipulados de acordo com visões limitadas e com fins imediatos, de acordo com ambições e paixões pessoais de pequenos grupos ativos, e a massa dos homens não se preocupa com isso.
Mas os fatos que amadureceram vêm à superfície; o tecido feito na sombra chega ao seu fim, e então parece ser a fatalidade a arrastar tudo e todos, parece que a história não é mais do que um gigantesco fenômeno natural, uma erupção, um terremoto, de que são todos vítimas, o que quis e o que não quis, quem sabia e quem não sabia, quem se mostrou ativo e quem foi indiferente.
Estes então zangam-se, queriam eximir-se às conseqüências, quereriam que se visse que não deram o seu aval, que não são responsáveis.
Alguns choramingam piedosamente, outros blasfemam obscenamente, mas nenhum ou poucos põem esta questão: se eu tivesse também cumprido o meu dever, se tivesse procurado fazer valer a minha vontade, o meu parecer, teria sucedido o que sucedeu?
Mas nenhum ou poucos atribuem à sua indiferença, ao seu cepticismo, ao fato de não ter dado o seu braço e a sua atividade àqueles grupos de cidadãos que, precisamente para evitarem esse mal combatiam (com o propósito) de procurar o tal bem (que) pretendiam.
A maior parte deles, porém, perante fatos consumados prefere falar de insucessos ideais, de programas definitivamente desmoronados e de outras brincadeiras semelhantes. Recomeçam assim a falta de qualquer responsabilidade.
E não por não verem claramente as coisas, e, por vezes, não serem capazes de perspectivar excelentes soluções para os problemas mais urgentes, ou para aqueles que, embora requerendo uma ampla preparação e tempo, são todavia igualmente urgentes. Mas essas soluções são belissimamente infecundas; mas esse contributo para a vida coletiva não é animado por qualquer luz moral; é produto da curiosidade intelectual, não do pungente sentido de uma responsabilidade histórica que quer que todos sejam ativos na vida, que não admite agnosticismos e indiferenças de nenhum gênero.
Odeio os indiferentes também, porque me provocam tédio as suas lamúrias de eternos inocentes. Peço contas a todos eles pela maneira como cumpriram a tarefa que a vida lhes impôs e impõe quotidianamente, do que fizeram e sobretudo do que não fizeram.
E sinto que posso ser inexorável, que não devo desperdiçar a minha compaixão, que não posso repartir com eles as minhas lágrimas. Sou militante, estou vivo, sinto nas consciências viris dos que estão comigo pulsar a atividade da cidade futura que estamos a construir. Nessa cidade, a cadeia social não pesará sobre um número reduzido, qualquer coisa que aconteça nela não será devido ao acaso, à fatalidade, mas sim à inteligência dos cidadãos.
Ninguém estará à janela a olhar enquanto um pequeno grupo se sacrifica, se imola no sacrifício. E não haverá quem esteja à janela emboscado, e que pretenda usufruir do pouco bem que a atividade de um pequeno grupo tenta realizar e afogue a sua desilusão vituperando o sacrificado, porque não conseguiu o seu intento.
Vivo, sou militante. Por isso odeio quem não toma partido, odeio os indiferentes.




Primeira Edição: La Città Futura, 11-2-1917
Origem da presente Transcrição: Texto retirado do livro Convite à Leitura de Gramsci"
Tradução: Pedro Celso Uchôa Cavalcanti.
Transcrição de: Alexandre Linares para o Marxists Internet Archive
HTML de: Fernando A. S. Araújo
Direitos de Reprodução: Marxists Internet Archive (marxists.org), 2005. A cópia ou distribuição deste documento é livre e indefinidamente garantida nos termos da GNU Free Documentation License

Monopólio e escravidão




Avança o monopólio da terra para produção de agrocombustíveis

Maria Luisa Mendonça[*]

O monopólio da terra segue como tema central diante do avanço do capital sobre recursos estratégicos em todo o mundo. Nesse contexto, a produção de agrocombustíveis cumpre o papel de justificar este processo, a pretexto de servir como suposta alternativa para a crise climática. Porém, quando falamos sobre mudanças climáticas, estamos realmente nos referindo a mudanças no uso do solo, com a expansão dos monocultivos, da mineração, das grandes barragens, e outros projetos de controle de recursos energéticos, que estão na raiz da crise climática.
No Brasil, os velhos usineiros, agora travestidos de empresários "modernos", em consequência da propaganda sobre as supostas vantagens do etanol, intensificam suas campanhas internacionais para vender o produto. Recentemente, ganharam um reforço especial, com o anúncio do governo sobre acordos trabalhistas e de zoneamento ambiental. Porém, um breve relato sobre as atuais tendências do setor é suficiente para mostrar que estas são apenas medidas de fachada.
As características que historicamente marcaram a oligarquia rural no Brasil permanecem inalteradas. Ou seja, o monopólio da terra, a exploração do trabalho e de recursos naturais estratégicos. A principal mudança tem sido a presença crescente do capital internacional na indústria dos agrocombustíveis. Há alguns anos verifica-se um aumento do ritmo de aquisições no setor sucroalcooleiro, com um crescimento na participação de empresas estrangeiras e um aumento na concentração do poder econômico de determinados grupos.
ESTRANGEIROS
A participação de empresas estrangeiras na indústria da cana no Brasil cresceu de 1% em 2000 para 20% em 2010. Existem cerca de 450 usinas no Brasil, controladas por 160 empresas nacionais e estrangeiras. De acordo com estudo do grupo KPMG Corporate Finance, de 2000 a setembro de 2009, ocorreram 99 fusões e aquisições de usinas no Brasil. Entre estas, 45 negociações aconteceram no período de 2007 a 2009, sendo que em 22 casos ocorreu a compra de uma usina nacional por um grupo estrangeiro.
Em outubro de 2009, a empresa francesa Louis Dreyfus Commodities anunciou a compra de cinco usinas da Santelisa Vale, de Ribeirão Preto (SP). A fusão criou o grupo LDC-SEV Bioenergia, tornando-se o segundo maior produtor mundial de açúcar e etanol. O grupo pretende produzir 40 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano e tem participação acionária das famílias Biaggi e Junqueira, do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e do banco Goldman Sachs.
ALIANÇA
Uma nova característica da indústria do etanol, se comparada ao Pró-Alcool da década de 1970, é a aliança entre setores do agronegócio com empresas petroleiras, automotivas, de biotecnologia, mineração, infraestrutura e fundos de investimento. Neste cenário, não existe nenhuma contradição destes setores com a oligarquia latifundista, que se beneficia da expansão do capital no campo e do abandono de um projeto de reforma agrária.
Em 2009, a empresa petroleira britânica British Petroleum (BP) anunciou que irá produzir etanol no Brasil, com um investimento de US$ 6 bilhões de dólares nos próximos dez anos. A BP irá atuar através da Tropical Bioenergia, em associação com o Grupo Maeda e a Santelisa Vale, em Goiás, que contam com uma área de 60 mil hectares para a produção de cana no estado.
Em julho de 2009, a Syngenta divulgou a aquisição de terras para produzir mudas de cana-de-açúcar na região de Itápolis (SP). O projeto inclui a produção de mudas transgênicas e pretende se expandir para outros estados, como Goiás, Minas Gerais, Paraná e Mato Grosso do Sul.
MAIS FUSÕES
No início de 2010, ocorreram novas fusões. Em janeiro, a multinacional agrícola Bunge anunciou a compra de quatro usinas do Grupo Moema, incluindo a usina Itapagipe que tinha participação acionária de 43,75% da empresa norte-americana Cargill. Com a negociação, a Bunge passará a controlar 89% da produção de cana do Grupo Moema, estimada em 15,4 milhões de toneladas por ano.
Em fevereiro, foi anunciada a fusão da ETH Bioenergia, do grupo Odebrecht, com a Companhia Brasileira de Energia Renovável (Brenco), que pretende se tornar a maior empresa de etanol no Brasil, com capacidade para produzir três bilhões de litros por ano. Alguns dos acionistas da Brenco são Vinod Khosla (fundador da Sun Microsystems), James Wolfensohn (ex-presidente do Banco Mundial), Henri Philippe Reichstul (ex-presidente da Petrobrás), além da participação do BNDES.
JAPONESES
Já a Odebrecht tem sociedade com a empresa japonesa Sojitz. O novo grupo irá controlar cinco usinas: Alcídia (SP), Conquista do Pontal (SP), Rio Claro (GO), Eldorado (MS) e Santa Luzia (MS).
O conglomerado ainda participa da construção de um alcoolduto entre o Alto Taquari e o porto de Santos, e pretende instalar usinas na África. A empresa pretende captar R$ 3,5 bilhões até 2012, dos quais pelo menos 20% virão do BNDES, além de outros R$ 2 bilhões que o banco já investiu anteriormente na Brenco.
Nesta mesma linha, em fevereiro de 2010, a gigante petroleira holandesa Shell anunciou uma associação com a Cosan para a produção e distribuição de etanol, com o objetivo de produzir 4 bilhões de litros até 2014. Ao divulgar a operação, a nota da Shell afirmava que pretende criar "um rio de etanol, correndo desde as plantações no Brasil até a América do Norte e a Europa". Apesar da repercussão internacional da prática de trabalho escravo na Cosan, a empresa segue como líder no setor.
Seguindo esta tendência, a Vale anunciou que pretende produzir diesel a partir do óleo de palma na região amazônica a partir de 2014, através de uma parceria com a empresa Biopalma da Amazônia S.A. A intenção é produzir 500 mil toneladas de óleo de palma por ano. Parte do combustível será utilizada nas locomotivas da estrada de ferro e nas minas de Carajás, no Pará.
A expansão do monocultivo de cana-de-açúcar
Em relação ao avanço territorial do monocultivo de cana, dados da CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento) mostram que, em 2006, eram 4,5 milhões de hectares e, em 2008, chegaram a 8,5 milhões de hectares. Na a safra de 2009 houve um aumento de 7,1% em relação a 2008. Esta expansão é estimulada por recursos públicos. Entre 2008 e 2009, estima-se que o setor sucroalcooleiro tenha recebi do mais de R$ 12 bilhões do BNDES. Esta verba é extraída, em grande medida, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).
Segundo a CONAB, 45,08% da safra foi destinada à produção de açúcar e 54,9% à produção de etanol, que resultou em 25,87 bilhões de litros do produto. A expansão da área plantada foi de 6,7%, ou cerca de 473 mil hectares. A maior expansão ocorreu na região do Cerrado, principalmente em Mato Grosso do Sul (38,80%) e Goiás (50,10%).
Dados do Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (Lapig), da Universidade Federal de Goiás, indicam que o ritmo atual de desmatamento do Cerrado poderá elevar de 39% para 47% o percentual devastado do bioma até 2050. A pesquisa demonstra ainda que a destruição do Cerrado coloca em risco a disponibilidade de recursos hídricos para o Pantanal e a Amazônia, pois estes biomas estão interligados.
TRABALHO ESCRAVO
As usinas de cana se tornaram campeãs em trabalho escravo nos últimos anos. De acordo com dados da Campanha Nacional de Combate ao Trabalho Escravo da Comissão Pastoral da Terra (CPT), em 2007, dos 5.974 trabalhadores resgatados da escravidão no campo brasileiro, 3.060, ou 51%, foram encontrados no monocultivo da cana de açúcar. Em 2008, dos 5.266 resgatados, 2.553, ou 48% dos trabalhadores mantidos escravos no país estavam em plantações de cana. De janeiro a junho de 2009, este número era de 951 trabalhadores, que representavam 52% do total. Ao final de 2009, o Ministério do Trabalho registrou a libertação de 1.911 trabalhadores nas usinas de cana nos estados de Goiás, Mato Grosso, Pernambuco, Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.
Em 2009, o Ministério do Trabalho inclui grandes usinas na chamada "lista suja" do trabalho escravo. Uma delas foi a Brenco, que tem participação acionária de 20% do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Entre 2008 e 2009, o BNDES liberou R$ 1 bilhão para usinas da Brenco em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás. Ao mesmo tempo, o Grupo Móvel expediu 107 autos de infração contra a empresa, que é presidida pelo ex-presidente da Petrobras Henri Philippe Reichstul. Apesar da prática de trabalho escravo, o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, anunciou a continuidade do financiamento para a Brenco.
Em 31 de dezembro de 2009, foi a vez do grupo Cosan - a maior empresa do setor sucroalcooleiro do país, com produção anual de 60 milhões de toneladas de cana. Apesar da prática de trabalho escravo, a Cosan recebeu R$ 635,7 milhões do BNDES em junho de 2009, para a construção de uma usina de etanol em Goiás. O BNDES manteve o financiamento para a Cosan, mesmo após a evidência de trabalho escravo. A Cosan possui 23 usinas, controla os postos da Exxon (Esso do Brasil) e teve um faturamento de R$ 14 bilhões de reais em 2008.
Em outubro de 2009, o Grupo Móvel libertou 55 trabalhadores escravizados na Destilaria Araguaia (chamada anteriormente de Gameleira), no Mato Grosso. Segundo o auditor fiscal Leandro de Andrade Carvalho, que coordenou a operação, os trabalhadores estavam sem receber salário há três meses. Esta foi a terceira libertação realizada em oito anos na mesma usina. A Destilaria Araguaia pertence ao Grupo Eduardo Queiroz Monteiro (EQM) - um grande conglomerado econômico com sede em Pernambuco. O grupo controla outras usinas em Pernambuco, Tocantins e Maranhão, além de participar como acionista em veículos de comunicação como o jornal Folha de Pernambuco, a Rádio Folha de Pernambuco, Folha Digital de Pernambuco e Agência Nordeste.
Em junho de 2009, fiscais do Ministério do Trabalho e do Ministério Público detectaram irregularidades em usinas fiscalizadas na região de Ribeirão Preto, em São Paulo, entre elas a Bazan, Andrade, Central Energética Moreno Açúcar e Álcool, e Nardini Agroindustrial. As usinas não forneciam equipamento adequado (como luvas, sapatos e caneleiras) e foram constatadas irregularidades no pagamento da jornada de trabalho. Os trabalhadores declararam que cortam cerca de 20 toneladas de cana por dia. Os fiscais também registraram condições precárias de moradia, como superlotação, locais com risco de incêndio e falta de condições de higiene.
Ainda em 2009, o Ministério Público do Trabalho (MPT) conseguiu uma liminar que obriga a usina São Martinho, em Limeira (SP), a corrigir irregularidades trabalhistas. Durante fiscalizações nas safras de 2007 e 2008, o MPT constatou a falta de equipamentos de proteção, de segurança no trabalho, de cuidados médicos, de condições de higiene e de alimentação adequadas. A ação judicial inclui ainda a condenação da empresa ao pagamento de R$2 milhões aos trabalhadores por dano moral.
TRABALHO DEGRADANTE
A expansão de monocultivos para a produção de agroenergia gera desemprego, pois causa a expulsão de camponeses de suas terras, impede que outros setores econômicos se desenvolvam e gera dependência dos trabalhadores a empregos precários e temporários.
José Alves é cortador de cana no interior de São Paulo e explica, "Esse serviço é muito ruim, a gente só vem porque precisa mesmo. Eu vim de Minas e lá não tem outro serviço. Mas a gente nunca sabe quanto vai receber, porque tem muito desconto do salário. Eu recebo uma média de $700 por mês, mas tudo é caro - aluguel, alimentação, e não sobra nada. A gente sabe que a usina rouba no pagamento, mas temos que ficar calados.”
A expansão e a crescente mecanização do setor canavieiro têm gerado maior exploração da força de trabalho. A maioria dos trabalhadores não tem controle da pesagem de sua produção diária. "A gente nunca sabe quanto vai ganhar e o pagamento vem com muitos descontos. A usina rouba no peso ou na qualidade da cana cortada. Por exemplo, uma cana que vale $5 reais a tonelada, eles pagam só $3 reais. É assim que a usina engana os trabalhadores", denuncia D.S., cortador de cana em Engenheiro Coelho, SP.[1]
Outro trabalhador da região, Jacir Pereira, confirma a denúncia: "A gente ganha pouco e o salário não confere com o que a gente corta, nem com o acordo coletivo. O acordo diz que o preço da tonelada é $5,85, mas a usina paga só $3,87. Eu tenho que cortar 18 toneladas de cana por dia, trabalhando de segunda a sábado. Só de aluguel eu pago $700,00 e não sobra quase nada".
MULHERES
As mulheres, apesar de discriminadas pelas usinas, também se arriscam no trabalho pesado, como conta a trabalhadora Odete Mendes, "Eu corto dez toneladas de cana por dia e ganho $190 reais por semana. Só de aluguel, eu gasto $270 por mês. Eu vim do Paraná, mas não quero ficar mais aqui. A gente vive num quarto muito pequeno, tem que dormir no chão. Eu já quebrei o braço e nem aguento mais pegar no facão. Sinto falta de ar, às vezes parece que vou morrer".
Os movimentos repetitivos no corte da cana causam tendinites e problemas de coluna, descolamento de articulações e câimbras, provocadas por perda excessiva de potássio. Carlita da Costa, presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Cosmópolis, conta que "Quando começa a safra, você vai na roça e vê o pessoal todo com o pulso enfaixado, porque abre o pulso e eles não conseguem movimentar a mão, não aguentam a dor. O pessoal tem muita tosse, muita dor de cabeça, muita câimbra".
Os ferimentos e mutilações causados por cortes de facão são frequentes. Porém, raramente as empresas reconhecem estes casos como acidentes de trabalho. Muitos trabalhadores doentes ou mutilados, apesar de impedidos de trabalhar, não conseguem aposentadoria por invalidez. "Já quebrei o braço duas vezes. Quando alguém passa mal durante o trabalho, não recebe atendimento. Outro dia um companheiro feriu o olho e a enfermeira da usina não quis atender. Querem o nosso serviço, mas não temos assistência médica quando alguém se machuca", diz J. S., trabalhador da usina Ester em São Paulo.
Como forma de evitar que os trabalhadores morram de exaustão, as usinas passaram a distribuir estimulantes com sais minerais, após a divulgação de dezenas de casos de morte nos canaviais. "Um dos trabalhadores que cortava mais cana na usina Ester era o Luquinha, conhecido como "podão de ouro". Em pouco tempo, ele ficou doente, sentia dores em todo o corpo, não conseguia comer nem andar. Morreu aos 34 anos. O sistema do pagamento por produção é que causa a morte dos trabalhadores", explica Carlita da Costa, presidente do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Cosmópolis, SP.
GOSTO DE SANGUE
"É comum ouvir tosse e gritos nos canaviais. Temos que inalar os agrotóxicos e a cinza da cana queimada o dia todo. Uma vez eu caí no monte de cana e senti um gosto de sangue na boca. Percebi que o corte da cana estava me matando", completa Carlita.
MIGRAÇÃO
Em São Paulo (maior produtor do País), a maioria dos trabalhadores no corte da cana é formada por migrantes. O desemprego causado pelo modelo agrícola baseado no monocultivo e no latifúndio aumenta o contingente de trabalhadores que se submetem a trabalhar em lugares distantes de sua origem, em condições degradantes. Estes trabalhadores são aliciados por "gatos" ou "turmeiros", que realizam o transporte e fazem a intermediação das contratações com as usinas.
A história do trabalhador E. S. ilustra a situação dos migrantes, "Tenho 27 anos e vim da Paraíba, porque lá não tem trabalho. Tem muito nordestino aqui. A gente ganha uns $20 reais por dia, mas o custo de vida é muito alto. A usina baixa o preço da cana e não temos controle".
Ana Célia tem uma história parecida, "Tenho 24 anos e vim de Pernambuco. A usina rouba no peso da cana. A gente corta 60 quilos e recebemos somente por 50 quilos. Tenho problema na coluna, sinto dor no corpo todo. Já emagreci nove quilos nessa safra. Meu marido cortava cana, mas foi afastado porque ficou doente. Quero ir embora".
A trabalhadora Edite Rodrigues resume a situação no corte da cana. "Tenho 31 anos e vim de Minas Gerais. Tenho três filhos e preciso trabalhar, mas a gente não vê a hora de ir embora. Quando termina o dia, o corpo está todo quebrado, sinto câimbra e ânsia de vômito. Mas no outro dia, começa tudo de novo. A cinza da cana ataca o pulmão e não sara nunca. A terra fica seca com o sol quente e vem aquele pó. Às vezes só ganho $50 reais por semana porque a usina engana a gente."
Carlita da Costa conclui que, "Vai continuar morrendo gente, o roubo vai continuar até o dia que acabar o trabalho por produção. Esse método de pagamento mata os trabalhadores".
Luta camponesa
Apesar de ocupar apenas um quarto da área, o Censo mais recente do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) constatou que a agricultura camponesa responde por 38% do valor da produção (ou R$ 54,4 bilhões). Em relação à geração de empregos, de cada dez trabalhadores no campo, sete estão na agricultura camponesa, que emprega 15,3 pessoas por 100 hectares. No caso da agricultura extensiva, em cada 100 hectares são gerados apenas dois empregos.
Segundo análise de Frei Sergio Görgen, dirigente do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), "No Plano Safra 2009/2010 foram destinados R$ 93 bilhões para o agronegócio e R$15 bilhões para a agricultura camponesa, sendo que 1 hectare da agricultura camponesa teve, em média, uma renda de R$ 677,00, enquanto que 1 hectare do agronegócio teve, em média, uma renda de apenas R$ 368,00. Daquilo que vai para a mesa dos brasileiros, 70% é produzido pelos pequenos agricultores".
Além de receber subsídios de forma desproporcional, o latifúndio se beneficia com outras formas de privilégio, como a Medida Provisória que legaliza a grilagem de terras na Amazônia, a "flexibilização" da legislação ambiental e trabalhista, a continuidade da prática de trabalho escravo, entre outras. O monopólio da terra impede que outros setores econômicos se desenvolvam, gerando desemprego, estimulando a migração e a submissão de trabalhadores a condições degradantes. Este cenário significa que a resistência dos camponeses é estratégica, já que se encontram no centro da disputa por recursos estratégicos, com o avanço do capital no meio rural.
Nota:
[1] Estas entrevistas foram realizadas em setembro de 2009. Alguns nomes de trabalhadores foram substituídos por suas iniciais, para evitar retaliação por parte das usinas. A autora agradece o Sindicato de Trabalhadores Rurais de Cosmópolis, ao Movimento Sem Terra e a Comissão Pastoral da Terra pelo apoio a pesquisa.
[Fonte: Revista Caros Amigos / Minga Informativa]

[*] Jornalista e coordenadora da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos

Reproduzido de www.adital.com.br
Esta páginatra-se em http://www.cecac.org.br/