quarta-feira, 30 de junho de 2010

ALBA, fidelidade a Zelaya


Hoy se cumple un año del golpe de Estado contra el pueblo de Honduras y su Presidente democráticamente electo, José Manuel Zelaya Rosales, como inadmisible represalia por intentar abrir un camino democrático a través de un proceso constituyente, para impulsar las transformaciones necesarias en ese hermano país.
La llegada del Honduras al ALBA significó la incorporación de su Gobierno y de su pueblo a los planes de integración que permitieron el acceso de los campesinos a créditos, semillas, tractores y tecnología; la sanación de hombres y mujeres humildes a través de la Misión Milagro; la participación en los planes de energía segura y estable de Petrocaribe, y sobre todo, la incorporación a la gran corriente independentista y revolucionaria que hoy ha unido a nuestros pueblos de Suramérica, Centroamérica y el Caribe.
Por ello se fraguó entonces una burda operación militar de secuestro y destierro del Presidente Zelaya, respaldada por una maniobra política institucional para cometer el grave delito de derrocar un gobierno constitucional.
En su momento, desde el ALBA, junto a nuestros hermanos del continente, se impulsó la denuncia y la condena mundial contra este golpe de Estado, y transcurrido un año, a nadie le quedan dudas acerca de la participación de grupos de poder de los Estados Unidos en esta repudiable operación.
La Alianza Bolivariana para los Pueblos de Nuestra América ratifica su solidaridad al pueblo hondureño en sus denuncias sobre masivas violaciones de los derechos humanos y a su lucha por la restauración de la democracia. Por ello, los países miembros del ALBA exigen respeto y garantías para las luchas democráticas del pueblo hondureño, que cese la represión y los asesinatos políticos, y asimismo que se le garantice a José Manuel Zelaya Rosales plenos derechos políticos para regresar a su patria.
Los gobiernos y los pueblos del ALBA ratifican todo su apoyo al pueblo de Honduras en su lucha por el restablecimiento de la democracia y la construcción de los sueños de igualdad y de independencia plena.

28 de junio de 2010
(Imagem: Manuel Zelaya e Daniel Ortega, presidente da Nicarágua/Prensa Latina/Divulgação)

Prisão de jornalista: guerra fria?


Igor Kudrin (*)
Até ultimamente, o nome de Vicky Pelaez, uma veterana do jornalismo peruano, residente nos Estados Unidos, só era conhecido pelo muito reduzido círculo de leitores do jornal “La Prensa”, editado em Nova Iorque em espanhol. Porém, logo depois de sua detenção pelos organismos de segurança estadunidenses, os quais a acusaram de atividades subversivas no interesse de Moscou, seu nome logo se tornou notório em toda a América Latina, sobretudo considerando que sobre seu marido Juan Lázaro, professor de uma Universidade americana detido juntamente com ela, também recai a absurda suspeita de espionagem contra Washington.
Foi como esse casal já idoso se viu atrás das grades à espera do julgamento e uma sentença severa por serem agentes de um grupo hostil operando contra os interesses dos Estados Unidos.
Para os latino-americanos, como também para os Russos e até para a maioria dos próprios cidadãos estadunidenses está claro que todo este escândalo bem no espírito da “Guerra Fria” foi de propósito. Acontece que há simplesmente nos Estados Unidos quem não agrade esta viragem para melhor nas relações entre Moscou e Washington, assim como a recente visita do presidente Dmitri Medvedev aos Estados Unidos e suas conversações com Barack Obama.
Já os colegas latino-americanos de Vicky Pelaez, os quais bem a conhece como jornalista e como pessoa chamam o que está ocorrendo com sua companheira de uma perseguição política, uma vingança pela coluna de jornal em que a jornalista esteve ao longo de vinte anos criticando duramente a política interna e externa da Casa Branca.
Ao comentar o assunto, o jornalista limenho Jesus Verde, que trabalha para a Emissora Rádio Programas do Peru, disse à “Voz da Rússia”: "Com efeito, recebi de Nova York a notícia sobre a jornalista peruana. Vicky Pelaez é suspeita de espionagem para a Rússia, tendo essa informação aqui produzido uma atenção geral e até umas declarações públicas. Por exemplo, o ministro da Defesa, Rafael Rey, disse que, embora não conhecesse todos os detalhes da prisão da jornalista peruana, supunha, no entanto, que a história de espionagem tivesse sido inventada; portanto, estava no aguardo de uns pormenores acerca de sua detenção".
Igualmente, Angélica Ocampo, mãe da jornalista, falou a verdade sobre o caso da filha. Essa senhora considera falsas todas as acusações contra Vicky e pede que não sejam causados prejuízos à detenta. Está prestes a contrar um advogado que desminta as declarações do Governo dos Estados Unidos, contra o qual sua filha teria sido alegadamente trabalhado ao longo de 20 anos.
Os políticos em Lima estão convencidos da inocência de Vicky Pelaez, exatamente como os políticos em Moscou têm a certeza de que as acusações contra os cidadãos russos que em épocas diversas se haviam instalado no território dos Estados Unidos não têm qualquer fundamento.
O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia declarou que eles não tinham cometido quaisquer ações voltadas contra os interesses dos Estados Unidos e que esperava da Parte americana a devida compreensão no caso em questão.
(*) Igor Kudrin é analista internacional da Voz da Rússia
(Imagem: AP/BBCBrasil/Divulgação)

Copa, o mundo sairá perdendo

(Iván Lira/Rebelión/Divulgação)

Romeria del Rocio


Curso de Paellas


terça-feira, 29 de junho de 2010

PCB aprova candidatos

Fábio Bezerra , à esquerda, e Antonio Almeida,candidatos a deputado federal e a governador do Estado pelo PCB

, Realizada na noite de hoje, 29, a Convenção Estadual do PCB. Foram lançados como candidatos às eleições de outubro: Fábio Bezerra, seu secretário político (presidente) a governador do Estado: Sílvio Rodrigues, vice-prerfeito de Borda da Mataa, como candidato a vice-governador: Rafael Pimenta, advogado de Juiz de Fora, como candidato a senador: José Francisco Neres, líder sindical tecelão, como suplente de senador: Alex ombello, como candidato a deputado federal; Antonio Almeida de Lima, como candidato a deputado federal, dentre outros.

PSOL aprova Plínio


No dia 30 de junho,hoje, toda a militância do PSOL está convocada a participar da Convenção Eleitoral Nacional do partido, que ocorre na capital paulista. Na ocasião será lançada oficialmente a candidatura de Plínio Arruda Sampaio para a Presidência da República pela legenda. O evento está marcado para ocorrer das 9h às 13h, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Av. Pedro Álvares Cabral, 201 – andar monumental – Ibirapuera).
Além de Plínio, deverão estar presentes no evento militantes, os parlamentares do partido e diversos intelectuais. “A convenção é a consolidação da candidatura e por isso é um fato importante. Eu espero que o evento seja caloroso e que participe o maior número possível de militantes, já que será um momento de preparação para participarem da campanha do PSOL”, afirma Plínio.

Convenção Estadual do PCB

Fábio Martins Bezerra, candidato do PCB a governador de Minas

O Partido Comunista Brasileiro – PCB – realizará nesta terça-feira, dia 29 de junho, sua convenção eleitoral para oficializar a decisão da Comitê Estadual do PCB, que decidiu pela formação de chapa própria para a disputa política eleitoral em Minas.
O PCB apresentará a candidatura do líder sindical e professor da Rede Pública Estadual, Fábio Bezerra.

Fábio Bezerra é o atual secretário político (Presidente) do PCB em Minas Gerais. O candidato comunista se apresenta como uma alternativa para a esquerda socialista nas eleições gerais em Minas Gerais. Na convenção, também será escolhido o nome do candidato a vice-governador, que também é membro do Partido.
Para a disputa por uma das vagas no Senado Federal, o PCB apresenta a candidatura do advogado sindical e ambiental, Rafael Pimenta. Secretário Político do Comitê Municipal de Juiz de Fora, Rafael Pimenta foi presidente da União Estadual dos Estudantes.
A expectativa do PCB é realizar uma campanha política capaz de dialogar com as principais pautas dos movimentos sociais, populares, sindical e estudantis.
Na convenção, a militância comunista escolherá os candidatos do partido para a disputa do pleito.
O PCB apresentará também candidatos à câmara federal e ao legislativo estadual.
Fundado em 1922, o Partido Comunista Brasileiro – PCB – também conhecido como “Partidão”, apresentará pela primeira vez candidatura própria ao Governo do Estado de Minas Gerais.
Maiores informações:
(31) 32016478 ou (31)84157977.
E-mail: PCBMINAS@IG.COM.BR
Blog: http://www.expressovermelho.blogspot.com/
O que? Convenção Estadual Eleitoral do PCB.
Onde? Rua Curitiba – número 656 – sexto andar – Centro – Belo Horizonte.
Horário? 20 horas.

Honduras após um ano do golpe


"Frente Nacional de Resistencia Popular
Comunicado No. 62
El Frente Nacional de Resistencia Popular (FNRP) expresa su apoyo a la Comisión de Verdad promovida por la Plataforma de Derechos Humanos de Honduras.
El FNRP busca la verdad, la aplicación de la justicia y la reparación de las víctimas afectadas en sus derechos humanos durante los regímenes de facto que se impusieron por la fuerza luego del golpe de Estado militar del 28 de junio de 2009.
El FNRP califica el decreto del régimen actual, con el que se crea la ?Comisión de la Verdad y la Reconciliación (CVR)?, como ilegal al promulgarse cuando el orden constitucional no ha sido restablecido e ilegítimo porque no cuenta con los estándares internacionales de buenas prácticas y principios establecidos mediante el ejercicio de más de 30 comisiones de la verdad en el mundo. Tampoco con la credibilidad del pueblo hondureño y de los organismos internacionales de derechos humanos, entre otros.
El decreto de esa CVR establece como objetivo ?esclarecer los hechos ocurridos antes y después del 28 de junio del 2009 a fin de identificar los actos que condujeron a la situación de crisis y proporcione al pueblo de Honduras elementos para evitar que estos hechos se repitan en el futuro?, a todas luces para justificar el golpe de estado y convertirla en una fuente más de impunidad en aras de una ?reconciliación? que desesperadamente busca el régimen actual con el único propósito de lograr el reconocimiento internacional y la apertura de los organismos de financiamiento.
La CVR es parte de la estrategia de quienes promovieron y ejecutaron el golpe de estado en un intento por alcanzar el olvido y el perdón para los criminales. Y este no es un señalamiento antojadizo del FNRP; ya en febrero de este año el Centro para la Justicia y Ley Internacional (CEJIL) declaraba que las actuaciones de las autoridades hondureñas ?sugieren que una comisión de la verdad planificada por este gobierno podría ser una farsa?.
Y aún cuando hubiese sido creada en el seno de un estado de derecho no contaría con la legitimidad esperada de una comisión de esta naturaleza. Se excluye a las víctimas y a otros sectores de la sociedad hondureña de la participación en el proceso de esclarecimiento; se crea con un decreto presidencial que no vincula a los otros poderes del Estado y, bajo las circunstancias particulares en que viven Honduras, incluso implicándolos no puede garantizar la aplicación de la justicia cuando ?en algunos casos las instituciones brindaron apoyo activo a los cabecillas del golpe de Estado? señala CEJIL.
Esa misma institución apunta que luego del golpe de Estado la fiscalía general y el Tribunal Supremo de Justicia de Honduras desecharon las denuncias de asesinatos, torturas, abusos sexuales y detenciones arbitrarias ?sin siquiera conducir investigaciones? y tal actitud persiste en esas instituciones.
¿Cómo puede creerse, además, en la buena voluntad de quienes controlan las tres instituciones del estado cuando hablan de reconciliación si son los mismos que participaron en el golpe de Estado, los mismos que se recetaron una amnistía para librarse de futuros requerimientos judiciales, los mismos que convirtieron en ?héroe? de Honduras a un criminal sin escrúpulos, los mismos que en fraude de ley exculparon a la Junta de Comandantes por la expatriación y exilio de un Presidente Constitucional, los mismos que premiaron a Romeo Vásquez Velásquez nombrándolo gerente de HONDUTEL, los mismos que siguen saqueando los bienes del Estado y reprimiendo al pueblo hondureño?
Una Comisión de Verdad debe esclarecer los hechos, conceder reconocimiento moral y ético de las víctimas de violaciones de derechos humanos para luego presentar recomendaciones políticas que garanticen la no repetición de las violaciones de derechos humanos.
Creemos firmemente en que la Comisión de Verdad promovida por la Plataforma de Derechos Humanos logrará esos objetivos porque cuenta con esa legitimidad expresada en su responsabilidad ética y reconocimiento del pueblo hondureño y de las instancias dedicadas a la defensa de los derechos humanos en el ámbito internacional.
Expresamos nuestra alta valoración y agradecimiento a los comisionados nacionales e internacionales que integraran la Comisión de Verdad por su alto grado de credibilidad profesional y compromiso con la defensa de los derechos humanos.
¡Resistimos y Venceremos!

Tegucigalpa MDC, 22 de junio de 2010"
(Imagem: Iván Lira/Divulgação)

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Monsieur Verdoux


29 de junho – terça-feira - 19h , no Cineclube Joaquim Pedro de Andrade, Rua Tupinambás, 149, Belo Horizonte
Monsieur Verdoux
Direção: Charles Chaplin - Comédia - 124min , filme de 1947.
Apropriação do mito do Barba Azul, em que Chaplin encarna um homem cínico, sustentado pelo dinheiro das mulheres ricas com quem se casa, para as assassiná-las em seguida.

A situação na Espanha


"HOJE SÓ É POSSÍVEL GOVERNAR
SE SE OBEDECER AO CAPITAL


O governo de Rodríguez Zapatero aprovou uma contra-reforma trabalhista obedecendo, disciplinadamente, as ordens do capital. Assim, esta contra-reforma se converte em outra sobrecarga para a classe trabalhadora e os setores populares. Um peso que é reflexo da crise do sistema capitalista.
Esta contra-reforma é também expressão do que significa o polo imperialista da UE. O Tratado de Lisboa e outros que o precederam – como o Maastricht –, destacam a linha estratégica de aumento da taxa de exploração em todos os países integrados nesse projeto de dominação do capital europeu.
Hoje, não existem diferenças significativas entre os distintos partidos políticos que trabalham para escorar o capitalismo em crise. No arco parlamentar, não existe uma só opção de caráter revolucionário que represente uma posição anti-capitalista consistente. Todas elas se unificam em torno da disciplina da UE, da qual nenhuma se separa.
No sistema capitalista, decrépito e em crise estrutural, somente se pode governar sob a férrea ditadura do capital. Com qualquer governo, dos que hoje são possíveis para o sistema, o resultado é o mesmo para a classe trabalhadora e os setores populares.
Esta nova regulamentação do governo faz com que a classe trabalhadora retroceda décadas de luta. O ataque brutal à negociação coletiva é o núcleo central destas medidas que, segundo Zapatero, não significam “nenhuma perda de direitos para a classe trabalhadora”. O objetivo do capital é o de arrebatar da classe trabalhadora todos os seus direitos conquistados, debilitando suas posições até o limite e para dar um salto qualitativo na taxa de exploração da classe trabalhadora. Este é o fator determinante, atualmente, na estratégia imperialista: recompor o ciclo de reprodução ampliada de capital.
Só resta um caminho à classe trabalhadora e aos setores populares: LUTAR.
O Comitê Executivo do PCPE faz uma convocatória:
Fortalecer a unidade da classe trabalhadora, começando por superar a divisão sindical pela base;
Mobilizar as massas trabalhadoras contra as políticas do capitalismo;
Criar um amplo movimento de unidade popular anti-capitalista combatente;
Trabalhar para que a greve geral seja um êxito massivo, que ponha em manifesto a vontade da classe trabalhadora de emancipar-se da dominação do capital.
O capitalismo – em sua fase terminal – só pode oferecer mais escravidão, mais ditadura fascista e guerra contra os povos.
O futuro da humanidade será socialista e comunista. O interesse da classe trabalhadora e dos setores populares é o de chegar, o quanto antes, a essa sociedade, livre da exploração e da guerra. Enfrentar hoje com determinação a contra-reforma trabalhista dos governos do capital é dar o primeiro passo no caminho para a liberdade e para a igualdade social.
Madri, 16 de junho de 2010
Partido Comunista dos Povos da Espanha"
http://www.pcpe.es/
Tradução: Maria Fernanda M. Scelza

Carlos Lúcio Gontijo, homenagem

O jornalista Carlos Lúcio Gontijo recebe o trofu Carlos Drummond de Andrade, entregue pelo presidente da Associação Mineira de Imprensa, Joaquim Wilson Miranda. (Jornal Hoje em Dia)

REFLEXÕES DE FIDEL

QUANDO estas linhas se publiquem no jornal Granma, amanhã, sexta-feira, o dia 26 de julho, data na qual sempre lembramos com orgulho a honra de ter resistido os embates do império, ficará distante, apesar de que somente restam 32 dias.Aqueles que determinam cada passo do pior inimigo da humanidade — o imperialismo dos EUA, uma mistura de mesquinhos interesses materiais, desprezo e subestimação as demais pessoas que habitam o planeta — o calcularam tudo com precisão matemática.
Na reflexão de 16 de junho escrevi: "Entre jogo e jogo da Copa Mundial de Futebol, as notícias diabólicas vão deslizando aos poucos, de forma tal que ninguém se ocupe delas".O famoso evento esportivo entrou nos seus momentos mais emocionantes. Durante 14 dias os times integrados pelos melhores futebolistas de 32 países competiram para avançar rumo a fase de oitavas de final; depois vêm sucessivamente as fases de quartas de final, semifinais e o final do evento.
O fanatismo esportivo cresce incessantemente, cativando centenas e talvez milhares de milhões de pessoas em todo o planeta.Haveria que se perguntar quantos, no entanto, conhecem que desde 20 de junho navios militares norte-americanos, inclusive o porta-aviões Harry S. Truman, escoltado por um ou mais submarinos nucleares e outros navios de guerra com mísseis e canhões mais potentes que o dos velhos navios de guerra utilizados na última guerra mundial entre 1939 e 1945, navegavam rumo as costas iranianas através do canal de Suez.
Juntamente com as forças navais ianques avançavam navios militares israelenses, com armamento igualmente sofisticado, para inspecionar quanta embarcação parta para exportar e importar produtos comerciais que o funcionamento da economia iraniana requer.
O Conselho de Segurança da ONU, por proposta dos EUA, com o apoio da Grã-Bretanha, França e Alemanha, aprovou uma poderosa resolução que não foi vetada por nenhum dos cinco países que ostentam esse direito.
Outra resolução mais forte foi aprovada por acordo do Senado dos Estados Unidos.Com posterioridade, uma terceira resolução mais poderosa ainda, foi aprovada pelos países da Comunidade Europeia.
Tudo isto aconteceu antes de 20 de junho, o que motivou uma viagem urgente do presidente francês, Nicolas Sarkozy à Rússia, segundo notícias, para entrevistar-se com o chefe de Estado desse poderoso país, Dimitri Medvédev, com a esperança de negociar com o Irã e evitar o pior.
Agora se trata de calcular quando as forças navais dos EUA e de Israel se desdobrarão frente às costas do Irã, para unir-se aos porta-aviões e demais navios militares norte-americanos que estão à espreita nessa região.
O pior é que, igual que os Estados Unidos, Israel, seu gendarme no Oriente Médio, possui modernos aviões de ataque e sofisticadas armas nucleares fornecidas pelos EUA, que o tornou na sexta potência nuclear do planeta por seu poder de fogo, entre as oito reconhecidas como tais, que incluem à Índia e o Paquistão.
O Xá do Irã foi derrocado pelo aiatolá Ruhollah Jomeini em 1979 sem empregar uma arma. Depois, os Estados Unidos impuseram-lhe a guerra àquela nação com o emprego de armas químicas, cujos componentes forneceu ao Iraque juntamente com a informação requerida pelas suas unidades de combate e que foram empregues por estas contra os Guardiães da Revolução.
Cuba o conhece porque desde então era, como temos explicado outras vezes, presidente do Movimento de Países Não-Alinhados. Sabemos muito bem os estragos que causou na sua população.
Mahmud Ahmadineyad, atualmente chefe de Estado no Irã, foi chefe do sexto exército dos Guardiães da Revolução e chefe dos Corpos dos Guardiães nas províncias ocidentais do país, que levaram o peso principal daquela guerra.
Hoje, em 2010, tanto os EUA quanto Israel, depois de 31 anos, subestimam o milhão de homens das Forças Armadas do Irã e sua capacidade de combate por terra, e às forças de ar, mar, e terra dos Guardiães da Revolução.
A estas, se acrescentam os 20 milhões de homens e mulheres, entre 12 e 60 anos, selecionados e treinados sistematicamente por suas diversas instituições armadas entre os 70 milhões de pessoas que habitam o país.
O governo dos EUA elaborou um plano para organizar um movimento político que, apoiando-se no consumismo capitalista, dividisse os iranianos e derrubasse o regime.
Tal esperança é atualmente inócua. Resulta risível pensar que com os navios de guerra estadunidenses, unidos aos israelenses, despertem as simpatias de um só cidadão iraniano.Pensava inicialmente, ao analisar a atual situação, que a contenda começaria pela península da Coreia, e ali estaria o detonador da segunda guerra coreana que, a sua vez, daria lugar de imediato à segunda guerra que os Estados Unidos lhe imporiam ao Irã.
Agora, a realidade muda as coisas no avesso: a do Irã desatará de imediato a da Coreia.A direção da Coreia do Norte, que foi acusada do afundamento do "Cheonan", e sabe perfeitamente que foi afundado por uma mina que os serviços de inteligência ianque conseguiram colocar no casco desse navio, não esperará um segundo para atuar enquanto no Irã se inicie o ataque.
É justo que os fanáticos do futebol desfrutem das competições da Copa do Mundo. Somente cumpro o dever de exortar o nosso povo pensando, sobretudo em nossa juventude, cheia de vida e esperanças, e especialmente nas nossas maravilhosas crianças, para que os fatos não nos surpreendam absolutamente desprevenidos.
Dói-me pensar em tantos sonhos concebidos pelos seres humanos e nas assombrosas criações das quais têm sido capazes em só uns poucos milhares de anos.Quando os sonhos mais revolucionários se estão cumprindo e a Pátria se recupera firmemente, como desejaria estar errado!

domingo, 27 de junho de 2010

Reviravolta: PCB e PSOL JUNTOS


de aliança com o PSOL nas eleições de 2010
Ivan Pinheiro (*)
As últimas duas semanas me obrigaram a uma das mais difíceis reflexões da minha vida de militante. Até então, fui um dos grandes entusiastas da chapa própria do PCB para a Presidência da República, em razão da impossibilidade de constituição da Frente de Esquerda e de outros fatores.
Percorri este ano 17 Estados brasileiros (alguns mais de uma vez) e em todos eles pude sentir o orgulho e a auto-estima da nossa militância, por termos candidato próprio no âmbito nacional. Era fácil perceber o consenso em torno da decisão. Não é para menos. Depois de 18 anos de reconstrução, o PCB se encontra no seu melhor momento, em termos de possibilidades de crescimento com qualidade.
Defendi na reunião do Comitê Central encerrada hoje a possibilidade de mudança desta política, a depender de algumas garantias e dos resultados da continuidade das negociações em torno de propostas que o PSOL nos tem apresentado, em relação às quais, a partir de amanhã, uma comissão composta pelo CC apresentará ponderações e contrapropostas decididas em nossa reunião.
A decisão pela continuidade dos entendimentos com o PSOL foi aprovada, após amplo processo de reflexão, debate e convencimento mútuo, num clima maduro em que se analisaram as perspectivas para além das eleições deste ano e os custos e benefícios da decisão.
Em linhas gerais, as propostas apresentadas formalmente pelo PSOL incluem, entre outros aspectos, o candidato a Vice do PCB, com tempo na televisão e protagonismo destacado; coordenação de campanha em condições de igualdade; programa político a ser construído em seminários amplos; coligações no âmbito estadual de livre decisão dos dois partidos, caso a caso; esforços conjuntos para a manutenção e ampliação da frente de caráter anticapitalista para além das eleições; participação política conjunta em mandatos parlamentares conquistados; campanha em movimento, com conselho político que incorpore outras organizações políticas e sociais.
O Comitê Central tem consciência do impacto que a notícia de uma eventual coligação com o PSOL, se efetivada, poderá provocar em nosso meio e em nosso entorno: perplexidade, dúvidas e até desconfianças. O mais complicado é que este cenário pode se dar a poucos dias do encerramento do prazo para registro de candidaturas.
Devo reconhecer que meu discurso durante a pré-campanha contribui para esta perplexidade. Como estava convencido de que não haveria possibilidade de constituição da aliança, reafirmei o tempo todo, com veemência, que a nossa chapa própria nacional era irreversível.
Mas, se a aliança vier a se concretizar, tenho certeza de que o PCB é maduro para compreender politicamente as razões da decisão, superar a perplexidade inicial e se dedicar como um todo à campanha eleitoral, com o mesmo entusiasmo e a mesma energia que teríamos com a chapa própria.
Com a responsabilidade que exerço hoje, por delegação do PCB, e como nosso candidato a Presidente, não posso deixar de externar a minha opinião.
O orgulho natural de ser o candidato a Presidente da República pelo PCB não pode se sobrepor à reflexão serena e responsável do que é melhor para o Partido. E o melhor para o Partido é sempre o que é melhor para a revolução socialista brasileira. É preciso olhar para além de 3 de outubro de 2010!
Até recentemente, era consenso no Comitê Central que alguns fatores importantes inviabilizavam a coligação, como registramos na Nota Política “Por que o PCB vai apresentar candidatura própria nas eleições presidenciais”:
- O trauma das eleições de 2006, em que a candidata a Presidente não respeitava coordenação de campanha nem acordos, subestimava a necessidade de um programa e falava o que lhe vinha à cabeça, além de privilegiar na campanha candidatos de sua preferência pessoal;
- A dissolução, após as eleições, da Frente de Esquerda, que não passou de uma coligação eleitoral;
- O exercício personalizado dos mandatos parlamentares conquistados pela coligação;
- A postura errática do PSOL, desde setembro do ano passado, para a escolha de sua candidatura à Presidência, que passou pela aposta em Heloísa Helena, pela ilusão em Marina Silva e por uma dramática disputa interna que parecia deixar seqüelas de difícil superação.
Por outro lado, havia entre nós a avaliação de que os setores sindicais do PSOL iriam compor uma central sindical/popular com o PSTU, dentro de um acordo que poderia levar a uma coligação eleitoral entre esses dois partidos.
Outra avaliação que tínhamos era de que, em função das seqüelas das disputas internas, a candidatura de Plínio de Arruda Sampaio poderia ser “cristianizada” por parte importante do PSOL, que se alinhara em torno de outra candidatura na disputa interna e que esse partido passaria por uma crise desagregadora.
No entanto, fatos e informações recentes nos indicam que houve importantes alterações neste quadro:
- O Congresso em que se criaria a nova central encerrou-se com uma divisão de complexa reparação.
- O PSOL recompôs sua unidade dentro da diversidade mais cedo que esperávamos e a candidatura Plínio unificou todas as correntes nacionais do partido, à exceção de um grupo regional que gravita em torno da candidata ao Senado por Alagoas.
Estes fatores levaram a CPN a reavaliar o quadro político, sem paixão, corporativismo ou autoproclamação, à luz das Resoluções do XIV Congresso, já que a nossa política eleitoral é condicionada à tática e a estratégia da revolução brasileira.
Desta forma, na semana passada, a CPN resolveu convocar a reunião do CC que hoje se encerrou e, aceitando a proposta do PSOL de continuar o diálogo, constituiu uma comissão específica para participar destes entendimentos, que se desdobraram por toda a semana passada, resultando na apresentação, por parte do PSOL, de uma proposta formal. O Comitê Central considerou positiva, mas insuficiente em alguns aspectos, a proposta apresentada e resolveu dar curso aos entendimentos.
A orientação do CC é no sentido de autorizar uma comissão de entendimentos a avançar na negociação, procurando fazer com que o acordo seja bom para ambas as partes e possa ser celebrado até esta quarta-feira.
Segundo a posição aprovada na reunião do CC, a aliança eleitoral com o PSOL nestas eleições pode criar um patamar elevado para estreitar a unidade de ação, em nosso país, nas lutas contra-hegemônicas, diante da ofensiva do capital, o que pode ter reflexos positivos no relacionamento entre nossos partidos e militantes, no ambiente sindical e operário, no movimento estudantil e entre a juventude trabalhadora, na solidariedade internacionalista e em outras frentes de luta.
Uma vez concretizada, esta aliança eleitoral pode contribuir para a atração de um pólo importante para a constituição da frente anticapitalista, se formos capazes de influir no sentido de uma campanha movimento em que, nas lutas concretas com os diversos movimentos políticos e sociais e personalidades do campo socialista, possamos ir criando um clima de unidade e debatendo um programa comum. A parceria eleitoral pode ajudar na transformação da frente num espaço permanente de consultas, acordos e lutas comuns.
Neste momento, temos que ter maturidade para perceber que esta aliança tem elementos táticos e estratégicos importantes e que não tem contradições com a necessidade de reconstruir revolucionariamente o PCB.
A maturidade que caracteriza os comunistas está acima dos raciocínios do curto prazo e do espírito de corpo; devemos privilegiar o que é melhor para o proletariado, para derrotarmos nossos inimigos de classe e para a revolução socialista.
(*)Ivan Pinheiro é Secretário Geral do PCB (Partido Comunista Brasileiro)
27 de junho de 2010
Obs.: este texto foi aprovado pelo Comitê Central do PCB.

QUINTAS DA VIOLA


Projeto QUINTAS DA VIOLA
01 de julho – Quinta-feira – RODRIGO DELAGE
Jequitibar - Av. Assis Chateaubriand, 577 - Floresta
Sempre às 20 horas - Ingresso: R$10,00
Informações: 3271.6522 - 8893.7806 - 8474-2050

RODRIGO DELAGE

Rodrigo Delage nasceu em Belo Horizonte e morou em algumas cidades do interior, dentre elas Pirapora, onde desde pequeno navegava por entre peixes, lendas e histórias, fortalecendo a paixão pela viola caipira. Viajando pelo rio das Velhas, São Francisco, e Urucuia, ele ouve ‘causos’, grava paisagens, escuta e observa os bichos, e traz tudo isso para o universo da viola.
Seus toques falam de bichos, rios, ‘causos’, estando sempre ligados ao sertão, ao mato, ao rio e às tradições populares daqueles que neles vivem.
Participou de vários projetos de viola, como o projeto “Sons do Horizonte”, exibido na Rede Minas de Televisão. Participou de vários programas de televisão, como o “Brasil das Gerais”, o “Agenda”, o “Viola Minha Viola”, apresentado por Inezita Barroso na TV Cultura de São Paulo, Viola Brasil (TV Horizonte), Sala de Cultura (TVC), Globo Horizonte (Rede Globo) e Célia & Celma (Canal Rural). Além disso, participou de CDs do grande violeiro Chico Lobo, ao lado de nomes como Claúdio Araújo, Dimas Soares, Noel Andrade, Pena Branca, do ator e cantador Jackson Antunes, dos emboladores Castanha e Caju e do gaiteiro Renato Borgeti. Participou também do CD projeto “Zás”, realizado pela Assembléia Legislativa de Minas Gerais ao lado do escritor mineiro Olavo Romano.
Em 2003, gravou o seu primeiro disco, “Viola Caipira Instrumental”, com a participação de Pena Branca e Chico Lobo, CD premiado como melhor disco de viola do ano, pelo “Prêmio Nacional de Excelência da Viola Caipira”, de iniciativa da “Revista Viola Caipira”, no qual foi vencedor também na categoria melhor violeiro.
Teve seus toques de viola utilizados em reportagens da TV Globo/Globo News, nos programas “Globo Rural” e “Mais Você”. Cedeu também composições para vinhetas de arte e programação da Rede Minas de Televisão.
Compôs trilhas para vídeos do documentarista Dêniston Diamantino, exibidos em Festivais Nacionais e Internacionais de Cinema, como o “Cineport - 2004, Festival Internacional de Cinema da Língua Portuguesa” e o Festival de Cinema de Gramado/2004.
Em 2006, participou do “Dossiê Guimarães Rosa”, lançado pelo Instituto de Estudos Avançados da USP em comemoração ao cinqüentenário do romance “Grande Sertão: Veredas”, publicação que veio encartada com um cd recheado de músicas que abordam o universo sertanejo que inspirou o escritor.
Veio das barrancas do Velho Chico, a inspiração para seu segundo álbum “Águas de uma Saudade – Viola Caipira”, lançado em agosto de 2008.
Em Dezembro de 2008, lança o disco “Imaginário Roseano”, uma homenagem ao centenário de nascimento do grande escritor mineiro João Guimarães Rosa, abrilhantado pelas participações especiais de Rolando Boldrin, Paulo Freire e Téo Azevedo e pelos arranjos do maestro Geraldo Vianna.

Flávio Anselmo, De Peito Aberto


BRASIL PEGA CHILE, MAS EU QUERIA ESPANHA

Flávio Anselmo 26/6/10
O FUTEBOL MOSTRADO por brasileiros e portugueses não foi nada diferente de Espanha x Chile. Se o compadrio prevaleceu no (0 a 0) que favorecia a ambos, o placar de 2 a 1 em favor dos espanhóis justificou-se pela necessidade de vitória deles. Tanto que quando os chilenos marcaram e a Suíça nada fazia contra Honduras, a partida arrefeceu.
OS ADVERSÁRIOS FALAM a mesma língua e se acertaram a partir dos 31m do segundo tempo, mesmo porque os andinos tinham apenas 10 em campo.
ESTE PROCEDIMENTO válido apesar de anti-jogo merece aplauso aos treinadores que o praticam. São inteligentes e jogam com o regulamento debaixo do braço.
NA SELEÇÃO DE Dunga tal procedimento é proibido pela torcida e pela Imprensa. Brasileiro não faz anti-jogo e nem joga pelo regulamento.

Prêmio de Jornalismo


Prêmio Embratel abre inscrições e vai distribuir R$ 166 mil
Estão abertas até 17 de julho as inscrições para a 12ª edição do Prêmio Imprensa Embratel. Jornalistas de todo o país podem concorrer com reportagens publicadas entre junho de 2009 e maio de 2010, em todas as mídias (rádio, televisão, jornal, revista e internet). Serão distribuídos R$ 166 mil brutos aos vencedores. Regulamento e Ficha de Inscrição estão disponíveis nesta página e nas da Embratel e da Arfoc: http://www.embratel.com.br/ e http://www.arfoc.org.br/
Serão premiados trabalhos jornalísticos distribuídos em 17 categorias: cinco regionais, com mídia e tema livres; duas abordando o tema Tecnologia da informação, comunicações e multimídia, com mídia livre; e dez com temas nacionais: Jornal/Revista (tema livre); Televisão (tema livre); Jornalismo investigativo (mídia livre); Esportiva (mídia livre), Fotográfica (inclusive internet), Cinematográfica (imagens de reportagens de TV), Rádio (tema livre), Cultural (mídia livre), Econômica e Responsabilidade socioambiental.
Além dos 17 prêmios, o melhor trabalho jornalístico, escolhido entre os finalistas de todas as categorias, receberá o Grande Prêmio Barbosa Lima Sobrinho.
Os trabalhos publicados em veículos on-line (Internet) podem ser inscritos nas categorias de Jornalismo investigativo, Economia, Responsabilidade socioambiental, Esportiva, Cultural, Tecnologia da informação/comunicações/multimídia, Regional e de Fotografia.
A avaliação das reportagens inscritas levará em consideração a importância do assunto (relevância nacional ou regional), extensão da reportagem, qualidade da edição e esforço despendido pelo repórter para a sua realização, assim como a repercussão e os resultados obtidos.
Criado e patrocinado pela Embratel, com o apoio do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio de Janeiro, da Associação Profissional dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio de Janeiro (Arfoc) e realizado pelo Instituto Embratel, o Prêmio Imprensa Embratel, de abrangência nacional, tem a finalidade de reconhecer e estimular a produção de reportagens sobre os grandes temas nacionais, veiculadas em todas as mídias, que representem uma efetiva contribuição para a inclusão social e a promoção do desenvolvimento sustentável, gerando cidadania e uma radiografia realista e construtiva do Brasil.
Portal específico
A Embratel disponibilizará um portal com todas as informações sobre o prêmio. No endereço http://www.premioimprensaembratel.com.br/, os interessados podem acessar a ficha de inscrição (com opção de preenchimento e impressão), regulamento, regras, notícias, curiosidades e demais informações.
Inscrições
As inscrições devem ser feitas pelos próprios autores, com o preenchimento da Ficha de Inscrição disponível nos sites da Embratel, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro e da Associação Profissional dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio de Janeiro (Arfoc) e encaminhada à secretaria do Prêmio Imprensa Embratel:Clique aqui para obter o regulamentoClique aqui para obter a ficha de inscrição
PRÊMIO IMPRENSA EMBRATELAvenida 13 de Maio 23, sala 2.224Centro - Rio de Janeiro (RJ) - CEP 20031-007.A ficha deve ser acompanhada de cópia do comprovante do registro de jornalista profissional do Ministério do Trabalho.
Mais informações:Secretaria do Prêmio Imprensa Embratel(02121) 2292 9480 / https://mail.google.com/mail/h/fhuahtl64jw7/?v=b&cs=wh&to=seleçãopremio@arfoc.org.br
Hotmail: Powerful Free email with security by Microsoft. Get it now.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Novo livro de Anita Leocádia Prestes


" OS COMUNISTAS BRASILEIROS (1945-1956/58) LUIZ CARLOS PRESTES e a política do PCB"."(...) sem as derrotas do passado, não teríamos jamais a menor esperança numa vitória final." (William Morris, 1887)
Dando continuidade às pesquisas que vem empreendendo sobre a história dos comunistas brasileiros, a professora Anita Leocadia Prestes oferece agora ao público uma nova e original abordagem do papel desempenhado por Luiz Carlos Prestes na elaboração e na aplicação da política do PCB no período em que se inicia em 1945, quando Prestes assume na prática a secretaria-geral do Partido, e se estende até a crise de 1956/1957, que abalou profundamente o movimento comunista internacional. A questão central levantada no livro reside no esclarecimento da relação estabelecida entre o PCB - partido fundado em 1922 e com atuação significativa em vários momentos da história contemporânea do Brasil - e Luiz Carlos Prestes, proclamado o "Cavaleiro da Esperança" ainda nos anos 20 e aceito no PCB apenas em 1934, com grande relutância de seus dirigentes, temerosos de seu imenso prestígio popular. Diante do leitor surge um fenômeno singular: uma liderança popular de grande expressão é incorporada ao Partido Comunista e torna-se não só seu dirigente máximo como a principal e inquestionável referência do comunismo no país.


Quais seriam as consequências de tal fenômeno para a história do PCB? Como teria sido a história desse partido sem a presença de Prestes? Como Prestes influiu no Partido e como este agiu sobre o líder, cuja formação não resultara de militância nas fileiras partidárias? Eis algumas das questões presentes no texto de Anita Leocadia Prestes.http://www.prestesaressurgir.blogspot.com/

Luzes da Cidade


22 de junho – terça-feira - 19h, no Cineclube Joaquim Pedro de Andrade
Luzes da Cidade
Direção: Charles Chaplin - Comédia - 87 min
A paixão de um vagabundo por uma pobre florista cega, que acredita que ele é um milionário, o motiva a tentar conseguir o dinheiro necessário da cirurgia para restaurar sua visão.

Hoje, na OAB-Minas


Zero por cento de desnutrição infantil


UNICEF confirma que Cuba es el único país de América Latina y el Caribe que ha eliminado la desnutrición infantil
Cira Rodríguez César
Prensa Latina
La existencia en el mundo en desarrollo de 146 millones de niños menores de cinco años bajos de peso, contrasta con la realidad de los infantes cubanos, reconocidos mundialmente por estar ajenos a ese mal social. Esas preocupantes cifras aparecieron en un reciente reporte del Fondo de las Naciones Unidas para la Infancia (UNICEF), bajo el título de Progreso para la Infancia, Un balance sobre la nutrición, divulgado en la sede de la ONU. De acuerdo con el documento, los porcentajes de los niños con bajo peso son de 28 por ciento en Africa Subsahariana, 17 en Medio Oriente y Africa del Norte, 15 en Asia oriental y el Pacífico, y siete en Latinoamérica y el Caribe. La tabla la completan Europa Central y del Este, con el cinco por ciento, y otros países en desarrollo, con 27 por ciento. Cuba no tiene esos problemas, es el único país de América Latina y el Caribe que ha eliminado la desnutrición infantil severa, gracias a los esfuerzos del Gobierno por mejorar la alimentación del pueblo, especialmente la de aquellos grupos más vulnerables. Las crudas realidades del mundo muestran que 852 millones de personas padecen de hambre y que 53 millones de ellas viven en América Latina. Sólo en México hay cinco millones 200 mil personas desnutridas y en Haití tres millones 800 mil, mientras en todo el planeta mueren de hambre cada año más de cinco millones de niños. De acuerdo con estimados de las Naciones Unidas, no sería muy costoso lograr salud y nutrición básica para todos los habitantes del Tercer Mundo. Bastarían para alcanzar esa meta 13 mil millones de dólares anuales adicionales a lo que ahora se destina, una cifra que nunca se ha logrado y que es exigua si se compara con el millón de millones que cada año se destinan a publicidad comercial, los 400 mil millones en drogas estupefacientes o incluso los ocho mil millones que se gasta en Estados Unidos en cosméticos. Para satisfacción de Cuba, la Organización de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura (FAO) también ha reconocido que ésta es la nación con más avances en América Latina en la lucha contra la desnutrición. El Estado cubano garantiza una canasta básica alimenticia que permite la nutrición de su población ?"al menos en los niveles básicos- mediante la red de distribución de productos normados. De igual forma, se llevan a cabo reajustes económicos en otros mercados y servicios locales para mejorar la alimentación del pueblo cubano y atenuar el déficit alimentario. Especialmente se mantiene una constante vigilancia sobre el sustento de los niños, las niñas y adolescentes. Así, la atención a la nutrición comienza con la promoción de una mejor y natural forma de alimentación de la especie humana. Desde los primeros días de nacidos los incalculables beneficios de la lactancia materna justifican todos los esfuerzos realizados en Cuba en favor de la salud y el desarrollo de su infancia. Ello le ha permitido elevar los porcentajes de recién nacidos que mantienen hasta el cuarto mes de vida la lactancia exclusiva y que incluso continúan consumiendo leche materna, complementada con otros alimentos, hasta los seis meses de edad. Actualmente el 99 por ciento de los recién nacidos egresan de las maternidades con lactancia materna exclusiva, superior a la meta propuesta, que es del 95 por ciento, según datos oficiales, en los cuales se indica que todas las provincias del país cumplen esta meta. A pesar de las difíciles condiciones económicas atravesadas por la Isla, se vela por la alimentación y nutrición de los infantes mediante la entrega diaria de un litro de leche fluida a todos los niños de cero a siete años de edad. Se suma a ello la entrega de otros alimentos, por ejemplo compotas, jugos y viandas, que, en dependencia de las disponibilidades económicas del país, se distribuyen equitativamente en las edades más pequeñas de la infancia. Hasta los 13 años de edad se prioriza la distribución subsidiada de productos complementarios como el yogurt de soya y en situaciones de desastres naturales se protege a la niñez mediante la entrega gratuita de alimentos de primera necesidad. Los niños incorporados a los Círculos Infantiles (guarderías) y a las escuelas primarias con régimen de seminternado reciben, además, el beneficio del continuo esfuerzo por mejorar su alimentación en cuanto a componentes dietéticos lácteos y proteicos. Con el apoyo de la producción agrícola -aún en condiciones de severa sequía- y una mayor importación de alimentos, se alcanza un consumo de nutrientes por encima de las normas establecidas por la FAO. En Cuba ese indicador no es el promedio ficticio de sumar el consumo alimentario de los ricos y el de los hambrientos. Adicionalmente, el consumo social incluye la merienda escolar que se reparte gratuitamente a cientos de miles de estudiantes y trabajadores de la educación, las cuotas especiales de alimentos a niños de hasta 15 años y personas de más de 60 en las provincias orientales. En esa lista están contempladas las embarazadas, madres lactantes, ancianos y discapacitados, el suplemento alimentario para pequeños con bajo peso y talla y el suministro de alimentos a municipios de Pinar del Río, La Habana y a la Isla de la Juventud. Dichas entidades fueron azotadas el año pasado por huracanes, mientras las provincias de Holguín, Las Tunas y cinco municipios de Camaguey sufren actualmente la sequía. En ese empeño colabora el Programa Mundial de Alimentos (PMA), el cual contribuye al mejoramiento del estado nutricional de la población más vulnerable en la región oriental, donde se benefician más de 631 mil personas. La cooperación del PMA con Cuba data de 1963, cuando esa agencia brindó asistencia inmediata a las víctimas del huracán Flora. Hasta la fecha, ha consumado en el país cinco proyectos de desarrollo y 14 operaciones de emergencia. Recientemente, Cuba pasó de ser un país receptor a donante. El tema de la desnutrición cobra gran importancia en la campaña de la ONU para lograr en 2015 las Metas de Desarrollo del Milenio, adoptadas en la Cumbre de jefes de Estado y de Gobierno celebrada en 2000, y que tienen entre sus objetivos eliminar la pobreza extrema y el hambre para esa fecha. Pero los cubanos afirman que esas metas no le quitan el sueño a nadie, la propia ONU sitúa al país a la vanguardia del cumplimiento de tales retos en materia de desarrollo humano. No exenta de deficiencias, dificultades y serias limitaciones por un bloqueo económico, comercial y financiero impuesto por Estados Unidos hace más de cuatro décadas, Cuba no muestra desesperantes ni alarmantes índices de desnutrición infantil. Ninguno de los 146 millones de niños menores de cinco años bajos de peso que viven hoy en el mundo es cubano.http://www.ateargentina.org.ar/index.php?nota=3964

Prisões ilegais de jornalistas


Sexta-Feira, 4 Junho de 2010 às 5h45 da manhã. O chefe da Polícia Judiciária, e o chefe da brigada da Perfeitura de Casablanca, acompanhados de cerca de 15 oficiais e agentes da Polícia Judiciária marroquina, arrombam a porta do apartamento em Casablanca de Zineb El Rhazoui (foto), jornalista independente e co-fundadora do Movimento Alternativo para as Liberdades Individuais (Mali) que se encontrava em companhia de Ali Amar, jornalista independente, fundador e antigo director do “Journal hebdomadaire” (proibido pelo poder marroquino no passado mês de Janeiro de 2010), e autor do livro « Mohammed VI, le grand malentendu » (Calmann-Levy 2009), obra censurada em Marrocos.

Os referidos agentes da autoridade recusaram apresentar a sua identificação ou qualquer outro tipo de identificativo profissional. Também não estavam munidos de qualquer tipo de mandato de busca ou de detenção. Zineb El Rhazoui e Ali Amar não tinham anteriormente recebido qualquer convocatória ou aviso prévio.
Depois de terem arrombado a porta, os polícias começaram a fotografar os dois jornalistas e todos os recantos do apartamento, interrogando-os sob a natureza da sua relação, questão à qual ambos se recusaram a responder. Os dois jornalistas, que se encontravam na sala, receberam ordens de encenarem uma situação sentando-se na cama de dormir de Zineb El Rhazoui para que fossem fotografados em conjunto, embora se encontrassem vestidos. Diante da recusa destes, três agentes caíram sobre Ali Amar e algemaram-no. Os dois jornalistas foram então imobilizados por dois agentes, enquanto os outros se ocupavam em vasculhar exaustivamente o apartamento, sem que para isso dessem a mínima explicação que justificasse um tal assalto.
Os agentes policiais continuaram a tirar imensas fotografias, nomeadamente do resto do jantar que se encontrava em cima da mesa e onde se podiam ver duas garrafas de vinho tinto vazias. De seguida desmantelaram os computadores e os periféricos informáticos dos dois jornalistas que tinham acabado de concluir uma sessão de trabalho que havia consistido na redacção de artigos para a imprensa internacional.
Os agentes remexeram a documentação de trabalho dos jornalistas, e vasculharam toda a sua bagagem, papéis e pertences pessoais. Um dos oficiais ordenou a um agente que examinasse a videoteca de Zineb El Rhazoui para verificar se existiam filmes pornográficos. Um dos fotógrafos (que se revelou mais tarde tratar-se de um técnico da polícia científica) esteve na casa de banho para captar fotos em plano fechado de uma pastilha de banho-de-emersão efervescente da marca “Sephora” que ele falsamente identificou como sendo um preservativo. Só depois de repetidos protestos dos dois jornalistas é que um dos oficiais, por fim, prestou alguns simulacros de explicações.
Justificou a violação do domicílio como sendo a busca de um computador supostamente roubado e a apresentação de queixa sobre este caso contra Ali Amar por roubo e Zineb El Rhazoui por cumplicidade.
Logo que Ali Amar mostrou a fatura de compra do material informático, que atestava a sua propriedade, a polícia ignorou o documento e apreendeu o computador. Os agentes tentaram igualmente apreender o computador portátil de Zineb El Rhazoui e o seu disco rígido acabando por desistir face aos insistentes protestos desta. Apreenderam, no entanto, o cartão-memória do seu aparelho de fotos digital, assim como as duas garrafas de vinho vazias que serão consideradas provas de acusação.
Antes de transportarem os dois jornalistas à Prefeitura da Polícia de Casablanca para os submeter a um interrogatório que durou 12 horas e meia (das 07h00 às 19h30), Zineb El Rhazoui pediu para ir ao banheiro, os polícias responderam-lhe que ela o poderia fazer mas somente se deixasse a porta aberta. Apesar de não ter havido violência física ou verbal nas instalações da polícia judiciária, foram colocadas aos jornalistas inúmeras perguntas sobre aspectos relativos à moralidade. O Processo-verbal contra Zineb El Rhazoui faz menção ao consumo de vinho e indica a presença de um preservativo em sua casa. No processo de Ali Amar, a polícia recusou fazer menção à fatura que provava a origem legal do computador. Zineb El Rhazoui e Ali Amar foram libertados por volta das 19h30. Ali Amar foi verbalmente convocado a apresentar-se, Sábado 5 de Junho pelas 10h30 na Perfeitura de Polícia de Casablanca. (Com o Pravda rus e Google)

Dia da Memória e do Pezar



CEPAL, conferência sobre a mulher


A ex presidenta chilena Michelle Bachelet estará entre as principais conferenciatas da XI Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e o o Caribe, a efetuar-se em Brasília no próximo mês.Alicia Bárcena (foto), secretária executiva da Comissão Econômica para a América Latina e o o Caribe (CEPAL), inaugurará o encontro, ao que se espera a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e algumas governantes latino-americanas.Bárcena apresentará posteriormente o documento principal da Conferência Regional, que é considerado o fórum intergovernamental mais importante da região em matéria de análise de políticas públicas desde uma perspectiva de gênero.
Com uma assistência estimada em 800 expertos e autoridades, a reunião procura debater sobre os temas de gênero, apresentar recomendações de política pública e avaliar o cumprimento dos acordos e planos regionais à luz das necessidades das mulheres.
Em cinco sessões, mais de 40 expositores abordarão temas como Emprego, responsabilidades familiares e obstáculos socioculturais à igualdade de gênero na economia; Políticas de desenvolvimento e tempo das mulheres; e O poderio econômico das mulheres: acesso às tecnologias e aos ativos produtivos e financeiros.
A Conferência, que é um órgão subsidiário da CEPAL cuja sessão é cada três anos, terminará o dia 16 com a apresentação do Consenso de Brasília, documento que reúne os acordos e compromissos dos governos e em onde se fixa a futura agenda de ação. (Com a Prensa Latina e Google)

PSP e o Estatuto de Jornalistas








PCP apresenta propostas para o Estatuto de Jornalistas
Segunda 21 de Junho de 2010

O Código do Trabalho aprovado em 2003 pela maioria PSD/CDS e revisto em 2009 pela maioria absoluta do PS retirou aos trabalhadores portugueses direitos historicamente conquistados pela luta de sucessivas gerações. Insatisfeito no que ao sector da comunicação social diz respeito, e fazendo corresponder em Proposta de Lei as intenções do patronato, o anterior Governo PS abriu caminho para alterar para pior o Estatuto do Jornalista.
A crescente concentração dos órgãos de comunicação social nas mãos de uns poucos grupos económicos, as transformações registadas nas condições de trabalho dos jornalistas, acompanhada de uma acelerada evolução tecnológica, conduziu a uma maior exploração e fragilização destes profissionais que é inseparável de objectivos de condicionamento dos conteúdos editoriais.
Recentemente, no âmbito das audições realizadas na Comissão de Ética, Sociedade e Cultura sobre as condições de exercício da liberdade de expressão e da liberdade de imprensa, foram evidenciados preocupantes aspectos das relações entre o poder económico, o poder político e os órgãos de comunicação social, bem como da contínua degradação dos direitos dos trabalhadores deste sector, com a desvalorização dos seus salários, o aumento da precariedade, o impedimento e desvalorização da sua acção colectiva no seio das redacções.
As conclusões do relatório são claras: ”As condições de exercício da liberdade de expressão e de imprensa (…) são inseparáveis do nível de concentração da propriedade dos órgãos de comunicação social, das condições de trabalho dos seus profissionais, dos mecanismos de financiamento da comunicação social, do quadro de relações informais estabelecidas entre os mais elevados níveis de responsabilidade no poder económico e no poder político”.
Ainda no mesmo documento podemos ler que, acompanhando “a fragilização das relações laborais que tem sido promovida no país, a situação em que se encontram os jornalistas tem vindo a degradar-se com reflexos não apenas no pluralismo, na isenção, ou no rigor informativo, mas também na própria qualidade da informação produzida”. A desvalorização do papel e da intervenção dos conselhos de redacção “representa um inquietante sinal quanto à vida democrática dentro de cada órgão de imprensa. Na verdade, independentemente da existência formal – quando ela se verifica – de um conselho de redacção, a situação que hoje marca a vida dentro de um órgão de comunicação social resume-se cada vez mais às relações de poder entre o conselho de administração e o/os “directores de informação” (ou equivalentes) por este escolhido”.
As referidas audições puseram ainda em evidência, mais uma vez, as consequências da concentração da propriedade dos meios de informação, designadamente quanto ao pluralismo interno e externo e à diversidade de oferta informativa. Assim como são claros os efeitos da relação entre a capacidade de recolha, tratamento e difusão de informação, circunscrita a um grupo de empresas que comanda os principais órgãos de informação, e a apropriação das criações dos jornalistas que a última revisão do seu Estatuto permite que sejam reutilizadas em todos os órgãos de informação detidos pelas empresas e grupos de comunicação social: além do aumento do poder de intervenção no espaço público dessas empresas e grupos de comunicação social, a redução da diversidade de contribuições dos jornalistas para o conhecimento diversificado e plural da realidade.
O presente projecto tem como objectivo responder a alguns destes aspectos, nomeadamente:- A protecção dos direitos de autor dos jornalistas contra a reutilização abusiva dos seus trabalhos;- Reforçar os mecanismos de acção colectiva dos jornalistas nas redacções;- Reforçar os direitos e garantias dos jornalistas, e protecção no exercício da profissão.
No primeiro caso, trata-se de responder a uma tendência que tem vindo a impor-se no sector da comunicação social, de, em nome da evolução tecnológica, tornar o trabalho jornalístico numa espécie de “produto branco” que as empresas proprietárias de uma miríade de órgãos de comunicação social utilizam no âmbito do respectivo grupo empresarial quando e onde entendam, sendo o jornalista privado de qualquer protecção quanto à autoria dos seus trabalhos e de qualquer compensação remuneratória pela sua reutilização. Nesta, como em outras matérias, pretende-se que a adaptação às novas condições do “mercado” ditadas pela inovação tecnológica, seja feita exclusivamente à custa dos direitos dos trabalhadores.
O Grupo Parlamentar do PCP propõe ainda o reforço das competências do Conselho de Redacção e da acção dos seus membros, nomeadamente, a pronunciar-se prévia e vinculativamente sobre a designação ou destituição de jornalistas com funções de direcção e chefia; dar parecer vinculativo sobre a elaboração e as alterações ao estatuto editorial; pronunciar-se sobre questões deontológicas ou outras relativas à actividade da redacção, tanto de natureza colectiva como individual, através de apreciações e recomendações; pronunciar-se acerca da responsabilidade disciplinar dos jornalistas profissionais, nomeadamente na apreciação de justa causa de despedimento; entre outras.

PROCURADO

(Josetxo Ezcurra/Rebelión/Divulgação)

Amor e vuvuzela



"Amor não é aquilo que te deixa desnorteado e parece não ter fim. O nome disso é vuvuzela."

De olho no Parque da Canastra


Amanda Almeida


Sob o argumento de que se trata de uma proposta para regularizar a situação de produtores rurais, a Câmara dos Deputados discute a redução de 25% do território do Parque Nacional da Canastra, em Minas Gerais, um dos principais patrimônios naturais do Brasil. Abrigo de espécies em extinção e berço de vários cursos d’água, além da nascente do Rio São Francisco, a unidade de conservação pode ter sua área encolhida de 197,7 mil para 150,1 mil hectares, caso dois projetos de lei sejam aprovados.
Parlamentares alegam que os textos resolvem antiga batalha fundiária, legalizando a permanência de fazendas e de empresas hoje irregulares. Já ambientalistas alertam que a alteração abre espaço para a exploração econômica da região por mineradoras interessadas na extração de diamantes, operadoras de turismo e agropecuaristas. Os Projetos de Lei nº 1.448/07, que reduz o território do parque, e nº 1.517/07, que transforma a parte desagregada em Área de Proteção Ambiental (APA), já receberam pareceres favoráveis das comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável e de Constituição, Justiça e Cidadania. Mas, enquanto avançam no Congresso, são criticados pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e pelo Ministério Público Federal (MPF).
“Somos completamente contrários às mudanças. Parque é unidade de conservação integral. Protege muito mais que as APAs, uma vez que não permite atividade humana. Uma APA apenas a restringe. O MMA encaminhará um substitutivo às propostas”, diz Rômulo Mello, presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que administra o parque.
O autor dos dois projetos é o deputado federal Carlos Melles (DEM-MG). Melles defende que os textos corrigem uma distorção antiga. Criado em 1972, o Parque Nacional da Serra da Canastra nunca teve os 197,7 mil hectares regularizados, como previsto em decreto-lei. Cerca de 130 mil hectares ainda são ocupados por produtores rurais, que não foram desapropriados.
“Eles vivem em uma unidade de conservação e, por isso, não podem fazer quase nada em suas terras. Em quase 40 anos, o governo nunca manifestou solução para o impasse. Os projetos resolvem o problema deles e não deixam de proteger o parque”, alega Melles.
Pedras preciosas Além da regularização fundiária, estudos do Ministério Público Federal e da Casa Civil da Presidência da República evidenciam outros interesses para as mudanças. “As pedras de quartzito da Serra da Canastra são algumas das mais valorizadas do país por serem bem lisas. Mineradoras exploraram a região durante anos, mas tiveram suas atividades suspensas por ações do MPF. Mesmo assim, insistem na clandestinidade. Além delas, empresas multinacionais fazem pressão para conseguir permissão para extrair diamante das serras”, diz o subprocurador-geral da República, Mário Gisi.
Se não receberem recursos nas próximas duas sessões ordinárias da Câmara, os projetos seguem para votação no Senado.

CORREIO BRAZILIENSE




Esta informação, enviada pelo jornalista Ademir José Rosa da Silva, é das mais preocupantes, merecendo a devida apreciação por parte das autoridades do Estado, das prefeituras situadas no entorno da Serra da Canastra e dos ambientalistas.

Tribunal Superior Eleitoral

O programa Mesário Eleitoral foi criado com a pretensão de incentivar o eleitorado voltado à prestação de serviços eleitorais nas mesas receptoras de votos. O Tribunal Superior Eleitoral, considerando a importância do tema, realiza, desde 2004, ações nesse sentido.
O projeto busca a ampliação do número de colaboradores da Justiça Eleitoral, de forma consciente. Pretende-se, nesse contexto, cadastrar mesários, universitários ou não, qualificados e aptos a desempenhar satisfatoriamente suas atribuições no dia da eleição.
Acesse o formulário e as informações sobre o programa Mesário Eleitoral no endereço: http://ad.vu/zcfh?www.tse.gov.br/internet/servicos_eleitor/mesario.htm
Praça dos Tribunais Superiores - Bloco C - Setor de Autarquias Sul, Brasília - DF - 70096-900 - Brasil

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Um revolucionário em Piumhi

José Carlos Alexandre

Em 2003, dois anos antes de sua morte e aos dois anos de idade




Dedicação e carinho para com a família


A irmã Bolívia: "Ele foi um idealista"


No princípio era o Céu e a Terra...(1) E os homens, saídos da mãe África, começaram a se espalhar pelo mundo. E a trabalharem a Terra. Inicialmente só com sua família. Depois, com sua tribo... Mas surgiram as cidades, as populações foram crescendo, houve necessidade de criar barragens...E surgiu a de Furnas, liquidando com terras agricultáveis, as poucas que ainda restavam, livres dos latifúndios...Deixando mais ansiosos os sem-terra, os pioneiros do MST...E aí surgiram os conflitos rurais, os primeiros líderes. Cristovam Mourão foi um deles. Homem destemido, líder nato, militante comunista, perseguido em sua cidade, conservadora ao extremo. Mas lutando altaneiro, desafiando convenções sociais, tradições regionais e sendo perseguido quando a ditadura militar desceu fúnebre sobre os céus azuis do Brasil.

Para seus companheiros no Partido Comunista Brasileiro, como José Francisco Neres, dirigente do Partidão e membro da Velha Guarda do PCB, Christovam Mourão foi um autêntico revolucionário. Um homem que queria o Brasil livre da exploração capitalista, dos males do latifúndio. Um comunista que, já àquela época-antes de 1964, vislumbrava para o país um futuro Estado }Socialista, tal qual a então União Soviética, onde passou temporada estudando teorias política e econômica.

Neres o conheceu já no período em que era procurado devido ao Inquérito Policiais Militar- IPM- de número 94, da Divisão de Vigilância Social (DVS), do antigo DOPS, datado de 11 de agosto de 1964. O IPM, um dos centenas e mais centenas instaurados no Brasil após o início da ditadura militar, "trata da apuração de supostas atividades subversivas registradas em Piumhi" (2).

Segundo o líder comunista Neres, Christovam habitava um quartinho situado em Roças Grandes, em Sabará, onde, aliás, José Francisco Neres, era vereador, eleito graças às suas atividades sindicais, como um dos destacados trabalhadores da fiação e tecelagem, que,depois, depois teria seu mandado cassado e cumpriria mais de dois anos de pena na Penitenciária de Linhares, em Juiz de Fora.

UM TANTO TRISTE

Pessoas que o conheceram, em Piumhi, antes e depois de sua experiência em estudar na União Soviética falam muito bem dele: "Era calado", "Parecia um tanto triste", "Sentia-se nele um homem de fibra, um líder nato", "Gostava de andar de chinelo de dedo", "Era muito estudioso", "Jamais teria coragem de ofender a alguém", dentre outras, as expressões mais usadas para definir o líder camponês Christovam Mourão.

Aos 84 anos, Bolívia Mourão que, juntamente com mais 13, formava a família de irmãos de Christovam, assim o define:" Era um idealista. Acreditava que dias melhores poderiam vir para o povo brasileiro. Ele queria, sobretudo, justiça para os trabalhadores rurais e o povo em geral"(3)

Velhos habitantes de Piumhi se lembram dos primeiros devaneios dos responsáveis pelo golpe de 1964: "Christovam foi perseguido, teve de se esconder em sótãos de fazendas. Uma vez quase foi pego. Alguém deu o alarme de que policiais fortemente armados estavam à sua procura. Ele teve de se esconder lá para os lados do pântano", conta uma amiga da família Mourão, d. Maria Auxiliadora, hoje também quase da idade da irmã do líder trabalhador, Bolívia.

A irmã, exibindo, orgulhosa, documentos de Christovam, quais como uma carteira do Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Itaúna, um título de eleitor, a carteira de identidade, com que pretende presentear a sobrinha, Vanja, nascida do casamento do irmão com d. Doralice, que ainda vive, em Piumhi: dá detalhes: "Ele foi avisado a tempo de passar de uma fazenda para outra e desaparecer no pântano. Ficamos algum tempo ser ter notícia mas satisfeito por sabê-lo vivo e em bom estado de saúde.

PRISÃO PREVENTIVA

O Jornal Alto S.Francisco, editado na região, em sua edição de 2 de abril de 2006, publica manchete de página:"Golpe de 64 Três nomes encabeçam a lista negra da divisão de repressão".

Em clichês publica os indiciados: Cristovão Mourão (sic), Otacilio Gonçalves Tomé e Sérgio Firmino Pereira e em destaque: Prisão Preventiva Decretada: Cristovão Mourão (sic).

Otacílio Gonçalves Tomé era estudante, sempre acompanhando Christovam em suas campanhas em favor dos sem-terra da região , assim como também Sérgio Ferreira, que era fotógrafo e diretor do jornal Alto S.Francisco. Otacílio depois tornou-se engenheiro e foi prefeito de Piumhi por duas vezes é empresário e fazendeiro de sucesso na região. Sérgio Ferreira já morreu.

A ORIGEM
O jornal conta em sua edição de 2 de abril de 2006, que "camponeses, trabalhadores, estudantes e intelectuais, tachados de comunistas, foram alvos de uma das mais intensas perseguições protagonizadas pelas forças de repressão a serviço dos militares, num episódio que ficou conhecido como 'Caça-às-bruxas'.
A origem dos conflitos, conta o Alto S.Francisco, era um planície de 20 mil hectares, formada por terras recém-drenadas do Rio Piumhi. Elas seriam destinadas ao assentamento do Condomínio Rural de Piumhi, a ser formado por famílias de pequenos agricultores, no que seria, talvez a primeira reforma agrária do país.
Mas a área despertou o interesse de latifundiários e o rififi foi formado no que era conhecido como Pântano do Cururu. Em 1964 o litígio "tomava proporções bélicas", lembra a publicação.Ai veio o golpe militar e toda a truculência se voltou contra a liderança dos trabalhadores e seus apoiadores, com Christovam Mourão à frente.
OPÇÃO PELA MILITÂNCIA
“ Sabe-se que, a opção pela militância num partido comunista como o brasileiro – opção que historicamente implicou o risco de morte,da tortura, da prisão, do exílio ou da clandestinidade- supõe algo mais que a adoção das idéias formuladas primeiramente por Marx e Engels: supõe um envolvimento vital com a causa proletária.Este tipo de envolvimento marca profundamentre aqueles que o exercitam", lembra João Paulo Netto, no prefácio do livro "Breve história do PCB", de autoria de José Antonio Segatto (Editora Oficina de Livros), 2a. edição, em 1989.

Mourão, o discriminado Mourão, o perseguido Mourão, o incompreendido, no seio da família, Mourão, envolveu-se imensamente nas lutas sociais de uma região e foi além: foi estudar política e economia na então União Soviética, para obter mais embazamento teórico para suas ações. Para espanto de parte de sua família quem curiosamente, tinha um irmão (Cyro) partidário dos integralistas.

"...Existe nesta terra

muito homem de valor

que é bravo sem matar gente

mas não teme matador,

que gosta de sua gente

e que luta a seu favor " (4)

Christovam Mourão foi um homem de valor, de muito valor, principalmente para os sem-terra , os sem-nada, de Piumhi e região. E totalmente destemido, como pode-se notar por este texto dele que o Alto São Francisco destacou:

"A semente do amanhã foi plantada como o sangue de heróis como os guerrilheiros do Araguaia, os sem-teto, os sem-terra, os sem-empregos, os mendigos queimados, os trabalhadores espoliados e tantos outros mártires da cidadania e da liberdade.Mais cedo ou mais tarde, esta semente e germinará em profusão a ponto de destruir as ervas daninha que hoje tentam abafar nossas utopias de um mundo melhor, com liberdade e dignidade humanas".
As notas

(1) -Referência ao Gênesis, o primeiro livro da Bíblia (Velho Testamento)

(2)-"Três nomes encabeçam a lista negra da divisão de Repressão": "Abertura do arquivo da ditadura militar revela detalhes da persegui8ção aos 'subversidos' em Piumhi na luta pelas rterras do pântano do Cururu há 42 anos", revela em manchete o jornal Alto S.Francisco, em sua edição dominical em 02/04/2006.

(3)- Neste ponto de nossa entrevista, Bolívia mostra-se profundamente emocionada ao relembrar a ação social de seu irmão.

(4)- Ferreira Gullar no poema História de um valente, dedicado a outro líder camponês: Gregório Bezerra, cujo centenário de nascimento está sendo comemorado.


(Imagens: José Carlos Alexandre e fotos de propriedade de Bolívia Mourão

Blog do Partidão de cara nova

Está bonito o blog do Partido Comunista Brasileito, PCB, em Minas Gerais, o Expresso Vermelho. Está mais organizado, mais fácil de ser lido e apreciado. Parabéns aos organizadores...

Carnaval em Cuba


Quem for passar o Carnaval em Cuba está na hora de procurar as agências de viagem. O Carnaval na ilha é um grande espetáculo. Principalmente em Havana. E todo final de semana de julho...Isto é: sexta-, sábado e domingo. As barraquinhas ao longo do Malecon ficam alinhadas, esperando chegar a sexta-feira para entrarem em funcionamento. E que movimento! Em casa as famílias recorrerem às garrafas e garrafões para levar para o centro de Havana a fim de comprar chope. Os turistas recorrem às inúmeras tiendas especiais, prontas para servira o melhor pollo e a mais geladinha cerveja... É demais! Mas é preciso ter dólares. O gostoso para o turista é não economizar. Gastar tudo e correr ao Hotel Nacional e usar os cartões de crédito para pegar mais dólares...No que, além da diversão, para lá de sabia, acaba contribuindo para a economia cubana...E vale sair atrás dos trios elétricos, mesmo que, junto com salsas, acabem cantando sambas.

(Imagem Google: Carnaval em Santiago de Cuba)

Tudo contra Cuba

(Tomy/Telesur/Divulgação)

O drama palestino



O que nos nutre

Rafiqa Salam

O Estado de Israel não lesa somente os palestinos.
Não lesa somente os árabes e o Oriente Médio.
O Estado de Israel lesa o mundo.
Ele é o arrimo do sionismo e do imperialismo. O esteio da opressão que subjuga a humanidade, transformando todos em oprimidos.
Nossa resposta vem de nossas entranhas,
mais que sangue, em nossas veias corre resistência!
A aurora do levante nos nutre!
A informação é nossa arma, temos que denunciar ao mundo o que é o Estado de Israel e quantas vidas custa para mantê-lo.
Precisamos dizer como a Palestina sobrevive nesses 62 anos:
VOCÊ SABIA??
- Que a Palestina é um país de 27000 Km2 de extensão e se localiza no Oriente Médio?
- Que em 1947 a Organização da Nações Unidas – ONU impôs a divisão do território da Palestina para a criação do Estado de Israel?

- Que divisão da Palestina foi legitimada através da Resolução nº 181 da ONU, de 1947, que designava 56% do território para a criação do Estado de Israel, 43% do território restante para a permanência do Estado da Palestina e 1% para a Cidade de Jerusalém que obteria status internacional?
- Que a fundação do Estado de Israel foi em 15 de maio de 1948, fruto da pressão do Sionismo (Movimento Político Judaico) e do Imperialismo?
- Que em 1948 o então criado Estado de Israel não respeitou os limites territoriais designado pela Resolução 181 da ONU e começou a ampliar seu território, ocupando 78% das terras da Palestina, utilizando a força de seu poderoso exército?
- Que em 1967, através da Guerra dos 6 dias, o Estado de Israel passou a ocupar 100% do Solo Pátrio da Palestina?
- Que essa ilegal expansão territorial do Estado de Israel, usurpando terras de outro país, não foi punida? Que Israel não sofreu nenhuma retaliação, punição, processo e condenação por ter desrespeitado o que a ONU delegou através da resolução 181?
- Que restou apenas dois territórios dentro da Palestina para os palestinos viverem?
- Que estes territórios são Gaza: onde residem 1, 5 milhões de Palestinos em 365 Km2 e Cisjordânia: onde residem 3,7 milhões em 5.990 Km2.
- Que estes territórios não são considerados o Estado da Palestina?
- Que a Palestina não tem autonomia, independência, governo, terras, enfim, que a Palestina não é um país? Não é uma nação?
- Você sabia que existe o Povo Palestino? São 11,2 milhões de palestinos que não tem uma Pátria, pois seu país foi roubado pelo Estado de Israel?
- Que 5, 2 milhões de palestinos resistem em viver no seu Solo Pátrio, de forma subumana, desprovidos de direitos básicos como: acesso a hospitais, transportes, escolas, universidades, empregos e o direito mais elementar: o de ir e vir? E você sabe como vivem os outros 6 milhões de palestinos? Vivem como refugiados, em outros países, sonhando com o dia de retornar para a Palestina Livre!

- Que Cisjordânia e Gaza são considerados territórios ocupados pelo Estado de Israel?
- Que nestes territórios o Exército Sionista do Estado de Israel ocupa áreas estratégicas para construir pontos de revistas ( check-point)? São centenas de postos de checagem solicitando documentação e fazendo revista e interrogatórios aos Palestinos, todos os dias, revistando mulheres, crianças, idosos!

- Que em 2002 , o governo do primeiro ministro israelense Ariel Sharon, iniciou a construção de um muro de 8 metros de altura, 750 km de extensão, com áreas de segurança no entorno onde a largura varia de 45 a 100 metros ? Você sabia que esse muro serpenteia dentro das terras palestinas, das vilas e cidades, dificultando as passagens dos palestinos e servindo de muralha de segregação? Você sabia que o Tribunal Internacional de Justiça de Haia o declarou ilegal em 2004, pois a barreira corta terras palestinas e isola cerca de 450.000 pessoas?
- Você sabia que existem 11 mil presos políticos palestinos sobrevivendo de forma subumana em cárceres israelenses e também nas prisões administradas pela Autoridade Nacional Palestina (ANP)? Sem julgamento e sem apoio jurídico, cerceados dos direitos civis e humanos?

- Você sabia que em 27 de dezembro de 2008 o Exército Sionista de Israel atacou Gaza, bombardeando violentamente o território palestino, com a desculpa de retaliar o movimento político Hamas?
- Que o Exército Sionista de Israel é o 4º exército mais forte do mundo, e mais equipado com as armas e tecnologias modernas?
- Que em 22 dias de ataques aéreos e terrestres o que aconteceu foi uma matança? Foram ações de extermínios, de limpeza étnica sobre o povo palestino que reside em Gaza? Foram 1300 mortos, 5300 feridos, 5000 casas destruídas, 20 Mesquitas explodidas, 16 prédios públicos, sendo escolas da ONU, hospitais, Instituições governamentais totalmente destruídos... que são 80 mil pessoas desabrigadas?
- Você sabia que no dia 31 de maio de 2010 o Exército de Israel atacou brutalmente, e de madrugada, navios de ajuda humanitária que levavam alimentos, remédios, água e materiais de construção para Gaza, que está sitiada há 3 anos pelo governo nazi-sionista de Israel? Que este ataque deu-se em águas internacionais e resultou na morte de 9 ativistas?
- Você sabia que o Estado de Israel não tem fronteiras definidas? Sua extensão territorial vai até onde as botas de seus soldados chegam. A história já revelou brutais invasões israelenses no Egito, Síria, Líbano, Jordânia.... e agora até no alto mar, em águas internacionais!?
E convivendo com essa realidade, os palestinos são exemplo de resistência, de amor pela sua Pátria. Vamos construir a Palestina livre juntos e a própria história nos aponta o caminho !
A própria ONU, em sua Resolução 3236, de 20/11/1974 reconhece o direito do Povo Palestino de lutar, POR TODOS OS MEIOS, pela recuperação de seus direitos inalienáveis: de retornarem a seus lares, à autodeterminação, à independência e soberania nacionais.
O povo Palestino deseja a paz e sua forma de defesa, desde 1987 é a INTIFADA, um posicionamento de libertação contra a violência onde apenas são utilizados paus, pedras e seus corpos contra todo o armamento sofisticado do exército israelense. Todo o nosso apoio a resistência do Povo Palestino, todo o nosso apoio a INTIFADA.
A posição do povo palestino será a resistência até a vitória! O governo sionista de Israel tem as armas mais modernas, mas não tem a mais poderosa: o direito a justiça – essa arma só os Mártires Palestinos tem!
A paz para o Estado de Israel é uma fachada para fortalecer suas forças militares e econômicas e dominar o mundo árabe. O Imperialismo estadunidense associado ao Sionismo querem dominar o petróleo da região, já dominam o Afeganistão e o Iraque.
A paz para os Palestinos significa a retirada imediata da invasão israelense do Solo Pátrio da Palestina!

- Defendemos um Estado único, com direito de retorno aos refugiados Palestinos a seus lares! A constituição do Estado Palestino laico e democrático, sobre a Palestina histórica, onde possam viver em paz muçulmanos, cristãos e judeus, com Jerusalém como capital.
- Exigimos:
- A imediata libertação dos 11 mil presos políticos palestinos!
- Uma postura enérgica dos países membros do Tratado de Livre Comércio do Conesul - Mercosul não permitindo a entrada de Israel como estado membro.
- Boicote aos produtos comerciais israeleses, pois o dinheiro desses produtos sustentam o estado capitalista de Israel. Informações http://somostodospalestinos.blogspot.com/2009/01/boicote-israel.html

- O fim do Bloqueio imposto pelo Estado de Israel a Gaza, que já dura 3 anos. O acesso de qualquer navio de ajuda humanitária internacional e a entrada dos alimentos, remédios, materiais de construção e água aos moradores de Gaza, apreendidos, ilegalmente, pelos israelenses. A investigação internacional e punição dos culpados que realizaram os ataque aos navios, ferindo e matando ativistas pacifistas.

O mundo é a voz do Povo Palestino, ninguém mais suporta ver tanta agressão, usurpação e violação dos direitos humanos sobre o povo palestino.
Viva a Palestina em seu Solo Pátrio onde possam viver em paz judeus, muçulmanos e cristãos, como era antes de 1948!!
Pela autodeterminação dos Povos!
A paz só é possível se derrotamos o sionismo e o imperialismo!

Dirigimo-nos a todos vocês, amantes da paz, da justiça e da liberdade para lutarmos pelo fim da opressão dos povos, pelo fim do cerceamento da liberdade e pelo respeito aos direitos humanos!
A aurora do levante nos nutre!
Palestina livre!
Viva a Intifada! Resitência até a vitória!
Comitê Catarinense de Solidariedade ao Povo Palestino
"Um beduíno sozinho não vence a imensidão do deserto, é preciso ir em caravana"
http://www.vivapalestina.com.br/
http://www.palestinalivre.org/