domingo, 23 de julho de 2017

Maduro assegura que a Constituinte garantirá a paz e a justiça


                                                                    
O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, enfatizou que o primeiro tema da Assembleia Constituinte (ANC) será garantir a paz, a justiça e a verdade neste país sul-americano.

Durante uma entrevista concedida ontem à noite no programa televisivo La Hojilla ao jornalista Mario Silva no canal Venezolana de Televisión, Maduro reafirmou que 'uma das primeiras decisões da ANC será aprovar uma lei para estabelecer uma comissão pela verdade, para a paz e reparação das vítimas'. Reiterou que procurar a reconciliação na Venezuela é a tarefa de arranque da ANC, e que se apoiará nisso para vencer na tarefa de pôr ordem no país'.

O chefe de Estado venezuelano indicou que todo aquele que quiser se submeter à comissão da verdade, desde já deve começar a dar passos de paz, 'porque será implacável se eles pretendem gerar um processo de violência para impedir as eleições do dia 30 de julho'.

'Precisamos de ordem, justiça, paz, um país que se reencontre. Temos apenas uma opção, e o caminho é a Assembleia Nacional Constituinte', expressou Maduro.

Explicou que este processo constituinte, estabelecido na Carta Magna em seu artigo 347, 'é um superpoder, é um grande poder da nação, é um grande poder do povo que permitirá defender a independência e a soberania da Venezuela, que atualmente se encontra ameaçada por eixos imperiais, com apoio da oposição interna'.

Também insistiu que se resgatassem todos os atos jurídicos realizados pela ANC em 1999, a fim de informar ao povo venezuelano das ações que serão conduzidas depois de que se instale esta instituição.

Por sua vez, pediu que se 'assumissem as tarefas de hoje, aperfeiçoasse o que existe no país e por meio dos atos constituintes, tomasse o poder, colocasse ordem e recompusesse a situação em toda Venezuela'.

'Desde já -acrescentou- começamos com o alto comando político-militar a pensar nos caminhos para reverter a situação da crise contrarrevolucionaria que se havia colocado adiante'.

(Com Prensa Latina)

Nenhum comentário :