sábado, 22 de julho de 2017

Países da Alba rechaçam, em comunicado, ameaça de sanções dos EUA contra Venezuela

                                                       

“O anúncio de impor sanções econômicas contra o povo venezuelano constitui uma clara violação do direito internacional e uma inaceitável aplicação intervencionista das leis estadunidenses", diz texto

      
Em comunicado divulgado na noite de sexta-feira (22/07), os países da Alba (Aliança Bolivariana para os Países da Nossa América) – grupo composto por Venezuela, Antígua e Barbuda, Bolívia, Cuba, Dominica, Equador, Granada, Nicarágua, São Cristóvão e Neves, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas e Suriname –  rechaçou a ameaça feita pelo governo de Donald Trump de impor sanções à Venezuela caso a votação para a Assembleia Constituinte, prevista para o próximo dia 30, ocorra.

“O anúncio de impor sanções econômicas contra o povo venezuelano constitui uma clara violação do direito internacional e uma inaceitável aplicação intervencionista das leis estadunidenses, que em nada contribui à resolução da situação que atravessa o país e que, além disso, impediriam seu desenvolvimento”, afirma a nota.

“Os países da Alba-TCP rechaçam àqueles países que não só ignoram o ordenamento jurídico venezuelano e o governo constitucional e legítimo do presidente Nicolás Maduro Moros, mas que também põem em risco o status da América Latina e do Caribe como zona de paz alcançada no encontro da Celac no ano de 2014”, prossegue.

Na terça-feira (18/05), Caracas anunciou o início de um processo de revisão "profunda" das suas relações com os Estados Unidos, depois de a Casa Branca ameaçar o país com "fortes e rápidas" sanções.

"Aviso, desde já, por instrução do presidente da República, que nós faremos uma revisão profunda com o governo dos EUA, porque nós não aceitamos humilhações de ninguém", disse o ministro de Relações Exteriores, Samuel Moncada, em uma declaração pela televisão.
Wikimedia Commons

"Ao nosso povo, aos nossos chefes militares, nacionalistas, revolucionários, e patriotas, aos nossos embaixadores no mundo todo, a todos os meios de comunicação, aos nossos amigos no mundo, este é um momento de definição", afirmou Moncada.

Dias antes do anúncio dos EUA, Maduro já havia dito que a Venezuela "é um país livre e soberano e não se deixa ameaçar nem intimidar por nenhum império deste mundo".

Relações entre os países

As relações diplomáticas entre a Venezuela e os Estados Unidos se mantêm em ponto morto desde o final de 2008, quando o então presidente Hugo Chávez expulsou o embaixador norte-americano Patrick Duddy.

Ele foi acusado de supostamente estar envolvido em planos para matar o mandatário.
Desde então, e apesar de tentativas de ambos os governos para retomar seus laços diplomáticos, a relação de ambos países se mantém em níveis mínimos.

A oposição venezuelana anunciou nesta segunda que buscará um “governo de transição” e convocou uma greve geral para quinta (20/07) para tentar elevar a pressão contra a Constituinte promovida pelo Executivo.

A Venezuela é palco há mais de três meses de uma onda de protestos, principalmente contra o governo, que deixou, até o momento, mais de 90 mortos. 

(Com Opera Mundi)

Nenhum comentário :