sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Dois jornalistas baleados na Cracolândia

                                                                   
                                                                                              Reproduçãao
O repórter Dário Oliveira, profissional da Agência Código 19 Fotojornalismo, foi ferido na coxa por um projétil de arma de fogo. Outro fotógrafo freelancer, Marcelo Chello, levou um tiro na perna, na altura da coxa esquerda. O impacto da bala foi amortecido por um celular que ele carregava no bolso.

De acordo com as informações da Folha de S. Paulo e a nota da Secretaria de Segurança Pública do estado, a polícia do patrulhamento realizou abordagem na rua Helvética com a rua Dino Bueno. Na ocasião, um grupo de pessoas teria reagido com depredação e fogo, no que a polícia respondeu com bombas de efeito moral e balas de borracha. A situação transformou a região em um espaço de guerra, conforme o jornal mostrou em uma série de imagens registradas.

Dário foi levado à Santa Casa, sendo atendido no pronto socorro. O profissional passa bem e não corre risco de vida. Ainda não há previsão de alta.

No caso de Chello, o celular acabou salvando o repórter fotográfico de um acidente pior. É isso que conta a Folha ao noticiar que o profissional também foi baleado na coxa direita. O tiro atravessou a calça e o celular. O aparelho ficou destruído, mas impediu que o freelancer se machucasse.

Procurada, a SSP disse que “nenhum disparo de arma de fogo foi feito pela PM na manhã desta quinta-feira na Cracolândia”. “Seis tiros foram ouvidos pelos agentes que estavam no local. Um policial foi ferido de raspão por um disparo de arma de fogo.”

Segundo o comunicado, policiais do patrulhamento de área realizavam uma abordagem, na Rua Helvétia com a Rua Dino Bueno, quando cerca de 300 pessoas se aglomeraram e começaram a atear fogo em lixo, arremessar pedras e outros objetos contra os agentes. “A polícia agiu para conter a confusão e foi solicitado apoio da Força Tática e da GCM.”

Segundo a SSP, “um policial foi ferido de raspão por um disparo de arma de fogo e um escudo da PM também foi atingido por um projétil, ferindo o agente que o empunhava”. Outros três policiais militares do Corpo de Bombeiros ficaram feridos”. A imagem do escudo perfurado foi divulgada pela PM.

A ação

Policiais militares da Força Tática avançaram sobre usuários de drogas na Cracolândia. Segundo o SPTV, os policiais perfilados com escudos jogaram bombas de gás e dispararam balas de borracha nos usuários de droga, que revidaram com pedras e outros objetos. Eles também atearam fogo a cones, cadeiras e entulho que formavam uma barricada no meio da Rua Helvétia.

Guardas-civis que também participam da ação apagaram o fogo da barricada enquanto os usuários seguiam jogando pedras.

Por volta de 14h, um grupo de policiais que estava numa esquina fazendo contenção recuou, e houve bate-boca entre eles e frequentadores da Cracolândia. Foram feitos, então, novos disparos de bombas de efeito moral e de balas de borracha.

A secretária municipal de Desenvolvimento Social, Soninha Francine, publicou no microblog Twitter mensagem no qual critica a ação da polícia. “Inadmissível a Policia tacar bombas dentro da Tenda Helvetia. Seja qual for o fato que motivou a entrada da PM, a ação em si foi absurda”, tuitou Soninha.

Às 15h, com a situação mais tranquila, moradores da região e policiais conversaram entre si e os PMs ficaram na esquina da Helvétia com a Rio Branco.

Em nota, a Secretaria Municipal dos Direitos Humanos e Cidadania afirma que está apurando as denúncias de violações de direitos durante a ação.

O texto diz ainda que a equipe da Secretaria esteve no local durante a operação e colheu relatos de usuários e funcionários. Bombas de gás foram lançadas na Tenda de Braços Abertos, durante a ação.

“Qualquer denúncia a respeito do ocorrido pode ser encaminhada ao Balcão de Atendimento da Secretaria de Direitos Humanos, que aciona os órgãos competentes e acompanha o andamento do processo. O balcão fica na avenida Líbero Badaró, 119, no centro de São Paulo. A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania repudia toda e qualquer ação em que haja violação de direitos.”

O 77º Distrito Policial está registrando a ocorrência e vai investigar o caso. Dois homens foram detidos por agressão contra a tropa da PM.

(Com a ABI)

Nenhum comentário :